Compre aqui livros novos, usados e seminovos de milhares de sebos e livrarias.

Autor ou Título
Mais exemplares deste livro:
    • Tipo do livro

      • (3)
    • Faixa de desconto

      • Até 10% (3)
    • Ano de publicação

    • ?
      Filtros para compra com livreiros aptos para atender empresas.
    em 3 vendedores
    Ordenar por:
    Exibindo todas as publicações encontradas Filtre pelas mais recentes
    Capa ilustrativa

    A ilustração da capa varia de acordo com o ano da edição e o estado de conservação do livro. Observe cuidadosamente a descrição da obra nos resultados abaixo. Em caso de dúvidas, entre em contato com o vendedor.

    A Utopia

    A Utopia

    | 0
    Editora: edicoes de ouro
    Tipo: usado
    Vendido por Maralivros
    100%
    (3 avaliações)

    R$ 10,00 -5%

    R$ 9,50 usado

    Comprar
    Ver detalhes
    A Utopia

    A Utopia

    | 2007
    Editora: martin claret
    Tipo: usado
    Vendido por Livraria do Advogado Porto Alegre
    100%
    (2 avaliações)

    R$ 10,00 -10%

    R$ 9,00 usado

    Comprar
    Ver detalhes
    A Utopia

    A Utopia

    | 2010
    Editora: folha de sao paulo
    Tipo: usado
    Vendido por Sebo Maria Cicera

    R$ 20,00 -5%

    R$ 19,00 usado

    Comprar
    Ver detalhes
    avaliações do livro
    4 de 5 estrelas (1 avaliações )
    Faça sua avaliação avalie o livro
    • Uma crítica aos administradores públicos. Por: Dorian B. , em 4/24/2021

      Utopia (do grego, utopos = "em lugar nenhum") foi escrito em 1516, em latim, e é considerada a principal obra literária de Thomas More, que primeiro recebeu o título de Sir e, posteriormente, foi santificado como mártir pelo Vaticano. O livro descreve um reino imaginário. Pela forma com que foi escrita, a obra oferece espaço para várias interpretações. Alguns a viram como uma proposta idealizada de Estado e outros como sátira da Europa do século XVI. Na segunda parte o autor descreve as ótimas instituições e práticas da República da Utopia, mas ignora completamente as características humanas. Ele sinaliza que esse ponto seria tratado em uma continuação, mas talvez sua execução, por decisão do Henrique VIII, o tenha impedido. De qualquer modo, é uma leitura interessante e instigante, como atestam algumas frases que reproduzo: • Infeliz do país onde a avareza e as afeições privadas sentam-se no banco do magistrado! Adeus justiça! a mola mais firme dos Estados! • A natureza insufla cada um a afagar com amor os produtos de sua invenção. É assim que o corvo sorri à sua ninhada, e o macaco aos seus filhotes. • Se a lei castiga, é para matar o crime, conservando o homem. Este livro, pelo menos a sua primeira parte, deveria ser uma leitura tão obrigatória para os políticos e administradores públicos quanto o Príncipe, de Maquiavel.