A Compra Garantida Estante Virtual é uma garantia de que você receberá a encomenda ou o reembolso do valor da sua compra. Saiba mais aqui.

  • 1.350 sebos e livreiros
  • Qualificações positivas dos livreiros
  • Maior acervo do mundo em língua portuguesa
filtros
Nenhum Misterio Capa ilustrativa

Nenhum Mistério

Paulo Henriques Britto

"Tempo agora perdido/ (todo tempo se perde)/ vivo só nos vestígios", escreve Paulo Henriques Britto no segundo poema que compõe Nenhum mistério. Depois de um intervalo de seis anos desde o lançamento de Formas do nada, em 2012, o poeta põe à prova os limites das estruturas clássicas e retoma sua lírica brilhante e mordaz, marcada por uma forte descrença no sublime e no sentido. Conforme Britto anuncia, trata-se de uma "cruel lição", sem planos para o futuro, conclusões práticas ou teorias extravagantes. "(Nenhuma necessidade,/ aqui, de qualquer metáfora)": para quem sobrevive à dor acumulada dos anos, observando o passado como quem enxerga de um mirante, a decepção é o único elemento capaz de engendrar algum significado. De acordo com o poeta, que se sente em uma constante véspera, para toda solução há "um jeito de achar um problema". O vazio, ele pondera, é a única certeza dos dias que não trazem alento: "só amo o que não sei e não se explica". Fechar Ler mais

"Tempo agora perdido/ (todo tempo se perde)/ vivo só nos vestígios", escreve Paulo Henriques Britto no segundo p oema que compõe Nenhum mistério. Depois de um intervalo de seis anos desde o lançamento de Formas do nada, em 2012, o poeta põe à prova os limites das estruturas clássicas e retoma sua lírica brilhante e mordaz, marcada por uma forte descrença no sublime e no sentido. Conforme Britto anuncia, trata-se de uma "cruel lição", sem planos para o futuro, conclusões práticas ou teorias extravagantes. "(Nenhuma necessidade,/ aqui, de qualquer metáfora)": para quem sobrevive à dor acumulada dos anos, observando o passado como quem enxerga de um mirante, a decepção é o único elemento capaz de engendrar algum significado. De acordo com o poeta, que se sente em uma constante véspera, para toda solução há "um jeito de achar um problema". O vazio, ele pondera, é a única certeza dos dias que não trazem alento: "só amo o que não sei e não se explica". Fechar Ler mais

Estatísticas de venda deste livro

Último vendido Nos últimos 3 meses
Vendidos
Preço médio R$ " + data.stats.mean + "
Menor preço R$ " + data.stats.min + "
Maior preço R$ " + data.stats.max + "

Esta informação aparece apenas para usuários logados como livreiros.

NENHUM MISTERIO

29 livros novos em 6 vendedores

Exibindo todas as publicações encontradas. Filtre pelas mais recentesRemover filtro
NENHUM MISTERIO

NENHUM MISTERIO

Ano:   Editora: Cia das Letras

Tipo: novo

Wtr Livros Wtr Livros SP - Guarulhos
95% Positivas
1378 qualificações
R$ 35,92 + frete R$ 6,53

Total: R$ 42,45

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Com agudeza, ironia e franco ceticismo, o setimo livro de poemas do escritor, professor e tradutor Paulo Henriques Britto traz para a moldura do verso a profunda consciencia da solidao. Tempo agora perdido/ (todo tempo se perde)/ vivo so nos vestigios , escreve Paulo Henriques Britto no segundo poema que compoe Nenhum misterio. Depois de um intervalo de seis anos desde o lancamento de Formas do nada, em 2012, o poeta poe a prova os limites das estruturas classicas e retoma sua lirica brilhante e mordaz, marcada por uma forte descrenca no sublime e no sentido. Conforme Britto anuncia, trata-se de uma cruel licao , sem planos para o futuro, conclusoes praticas ou teorias extravagantes. (Nenhuma necessidade,/ aqui, de qualquer metafora) : para quem sobrevive a dor acumulada dos anos, observando o passado como quem enxerga de um mirante, a decepcao e o unico elemento capaz de engendrar algum significado. De acordo com o poeta, que se sente em uma constante vespera, para toda solucao ha um jeito de achar um problema . O vazio, ele pondera, e a unica certeza dos dias que nao trazem alento: so amo o que nao sei e nao se explica .

NENHUM MISTERIO

NENHUM MISTERIO

Ano:   Editora: Cia das Letras

Tipo: novo

Wtr Livros Wtr Livros SP - Guarulhos
95% Positivas
1378 qualificações
R$ 35,92 + frete R$ 6,53

Total: R$ 42,45

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Com agudeza, ironia e franco ceticismo, o setimo livro de poemas do escritor, professor e tradutor Paulo Henriques Britto traz para a moldura do verso a profunda consciencia da solidao. Tempo agora perdido/ (todo tempo se perde)/ vivo so nos vestigios , escreve Paulo Henriques Britto no segundo poema que compoe Nenhum misterio. Depois de um intervalo de seis anos desde o lancamento de Formas do nada, em 2012, o poeta poe a prova os limites das estruturas classicas e retoma sua lirica brilhante e mordaz, marcada por uma forte descrenca no sublime e no sentido. Conforme Britto anuncia, trata-se de uma cruel licao , sem planos para o futuro, conclusoes praticas ou teorias extravagantes. (Nenhuma necessidade,/ aqui, de qualquer metafora) : para quem sobrevive a dor acumulada dos anos, observando o passado como quem enxerga de um mirante, a decepcao e o unico elemento capaz de engendrar algum significado. De acordo com o poeta, que se sente em uma constante vespera, para toda solucao ha um jeito de achar um problema . O vazio, ele pondera, e a unica certeza dos dias que nao trazem alento: so amo o que nao sei e nao se explica .

NENHUM MISTERIO

NENHUM MISTERIO

Ano:   Editora: Cia das Letras

Tipo: novo

Wtr Livros Wtr Livros SP - Guarulhos
95% Positivas
1378 qualificações
R$ 35,92 + frete R$ 6,53

Total: R$ 42,45

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Com agudeza, ironia e franco ceticismo, o setimo livro de poemas do escritor, professor e tradutor Paulo Henriques Britto traz para a moldura do verso a profunda consciencia da solidao. Tempo agora perdido/ (todo tempo se perde)/ vivo so nos vestigios , escreve Paulo Henriques Britto no segundo poema que compoe Nenhum misterio. Depois de um intervalo de seis anos desde o lancamento de Formas do nada, em 2012, o poeta poe a prova os limites das estruturas classicas e retoma sua lirica brilhante e mordaz, marcada por uma forte descrenca no sublime e no sentido. Conforme Britto anuncia, trata-se de uma cruel licao , sem planos para o futuro, conclusoes praticas ou teorias extravagantes. (Nenhuma necessidade,/ aqui, de qualquer metafora) : para quem sobrevive a dor acumulada dos anos, observando o passado como quem enxerga de um mirante, a decepcao e o unico elemento capaz de engendrar algum significado. De acordo com o poeta, que se sente em uma constante vespera, para toda solucao ha um jeito de achar um problema . O vazio, ele pondera, e a unica certeza dos dias que nao trazem alento: so amo o que nao sei e nao se explica .

NENHUM MISTERIO

NENHUM MISTERIO

Ano:   Editora: Cia das Letras

Tipo: novo

Wtr Livros Wtr Livros SP - Guarulhos
95% Positivas
1378 qualificações
R$ 35,92 + frete R$ 6,53

Total: R$ 42,45

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Com agudeza, ironia e franco ceticismo, o setimo livro de poemas do escritor, professor e tradutor Paulo Henriques Britto traz para a moldura do verso a profunda consciencia da solidao. Tempo agora perdido/ (todo tempo se perde)/ vivo so nos vestigios , escreve Paulo Henriques Britto no segundo poema que compoe Nenhum misterio. Depois de um intervalo de seis anos desde o lancamento de Formas do nada, em 2012, o poeta poe a prova os limites das estruturas classicas e retoma sua lirica brilhante e mordaz, marcada por uma forte descrenca no sublime e no sentido. Conforme Britto anuncia, trata-se de uma cruel licao , sem planos para o futuro, conclusoes praticas ou teorias extravagantes. (Nenhuma necessidade,/ aqui, de qualquer metafora) : para quem sobrevive a dor acumulada dos anos, observando o passado como quem enxerga de um mirante, a decepcao e o unico elemento capaz de engendrar algum significado. De acordo com o poeta, que se sente em uma constante vespera, para toda solucao ha um jeito de achar um problema . O vazio, ele pondera, e a unica certeza dos dias que nao trazem alento: so amo o que nao sei e nao se explica .

NENHUM MISTERIO

NENHUM MISTERIO

Ano:   Editora: Cia das Letras

Tipo: novo

Wtr Livros Wtr Livros SP - Guarulhos
95% Positivas
1378 qualificações
R$ 35,92 + frete R$ 6,53

Total: R$ 42,45

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Com agudeza, ironia e franco ceticismo, o setimo livro de poemas do escritor, professor e tradutor Paulo Henriques Britto traz para a moldura do verso a profunda consciencia da solidao. Tempo agora perdido/ (todo tempo se perde)/ vivo so nos vestigios , escreve Paulo Henriques Britto no segundo poema que compoe Nenhum misterio. Depois de um intervalo de seis anos desde o lancamento de Formas do nada, em 2012, o poeta poe a prova os limites das estruturas classicas e retoma sua lirica brilhante e mordaz, marcada por uma forte descrenca no sublime e no sentido. Conforme Britto anuncia, trata-se de uma cruel licao , sem planos para o futuro, conclusoes praticas ou teorias extravagantes. (Nenhuma necessidade,/ aqui, de qualquer metafora) : para quem sobrevive a dor acumulada dos anos, observando o passado como quem enxerga de um mirante, a decepcao e o unico elemento capaz de engendrar algum significado. De acordo com o poeta, que se sente em uma constante vespera, para toda solucao ha um jeito de achar um problema . O vazio, ele pondera, e a unica certeza dos dias que nao trazem alento: so amo o que nao sei e nao se explica .

NENHUM MISTÉRIO

NENHUM MISTÉRIO

Ano:   Editora: Cia das Letras

Tipo: novo

Sociedade dos Livros Sociedade dos Livros SP - São Paulo
95% Positivas
65 qualificações
R$ 37,70 + frete R$ 11,89

Total: R$ 49,59

Comprar ler descrição ocultar

Descrição livro novo. Adquirido da editora. Com agudeza, ironia e franco ceticismo, o sétimo livro de poemas do escritor, professor e tradutor Paulo Henriques Britto traz para a moldura do verso a profunda consciência da solidão.

NENHUM MISTERIO

NENHUM MISTERIO

Ano:   Editora: Companhia das Letras

Tipo: novo

Sociedade dos Livros Sociedade dos Livros SP - São Paulo
95% Positivas
65 qualificações
R$ 37,72 + frete R$ 11,89

Total: R$ 49,61

Comprar ler descrição ocultar

Descrição livro novo. Adquirido da editora.

Nenhum mistério Capa ilustrativa

Nenhum mistério

Ano:   Editora: Companhia das Letras

Tipo: novo

Livraria Livro Vivo Livraria Livro Vivo SP - São Paulo
96% Positivas
1078 qualificações
R$ 38,16 + frete R$ 11,89

Total: R$ 50,05

Comprar ler descrição ocultar

Descrição novo nunca manuseado

Nenhum mistério Capa ilustrativa

Nenhum mistério

Ano:   Editora: Companhia das Letras

Tipo: novo

Livraria Livro Vivo Livraria Livro Vivo SP - São Paulo
96% Positivas
1078 qualificações
R$ 38,16 + frete R$ 11,89

Total: R$ 50,05

Comprar ler descrição ocultar

Descrição novo nunca manuseado

Nenhum mistério Capa ilustrativa

Nenhum mistério

Ano:   Editora: Companhia das Letras

Tipo: novo

Livraria Livro Vivo Livraria Livro Vivo SP - São Paulo
96% Positivas
1078 qualificações
R$ 38,16 + frete R$ 11,89

Total: R$ 50,05

Comprar ler descrição ocultar

Descrição novo nunca manuseado

Nenhum mistério Capa ilustrativa

Nenhum mistério

Ano:   Editora: Companhia das Letras

Tipo: novo

Livraria Livro Vivo Livraria Livro Vivo SP - São Paulo
96% Positivas
1078 qualificações
R$ 38,16 + frete R$ 11,89

Total: R$ 50,05

Comprar ler descrição ocultar

Descrição novo nunca manuseado

Nenhum Mistério Capa ilustrativa

Nenhum Mistério

Ano:   Editora: Cia das Letras

Tipo: novo

Livraria Livro Vivo Livraria Livro Vivo SP - São Paulo
96% Positivas
1078 qualificações
R$ 38,16 + frete R$ 11,89

Total: R$ 50,05

Comprar ler descrição ocultar

Descrição livro novo nunca manuseado ct

Nenhum mistério Capa ilustrativa

Nenhum mistério

Ano:   Editora: Companhia das Letras

Tipo: novo

Livraria Livro Vivo Livraria Livro Vivo SP - São Paulo
96% Positivas
1078 qualificações
R$ 38,17 + frete R$ 11,89

Total: R$ 50,06

Comprar ler descrição ocultar

Descrição novo nunca manuseado

Nenhum mistério Capa ilustrativa

Nenhum mistério

Ano:   Editora: Companhia das Letras

Tipo: novo

Livraria Livro Vivo Livraria Livro Vivo SP - São Paulo
96% Positivas
1078 qualificações
R$ 38,17 + frete R$ 11,89

Total: R$ 50,06

Comprar ler descrição ocultar

Descrição novo nunca manuseado

NENHUM MISTERIO

NENHUM MISTERIO

Ano:   Editora: Companhia das Letras

Tipo: novo

Livraria Martins Fontes Paulista Livraria Martins Fontes Paulista SP - São Paulo
100% Positivas
531 qualificações
R$ 44,90 + frete R$ 6,53

Total: R$ 51,43

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Com agudeza, ironia e franco ceticismo, o sétimo livro de poemas do escritor, professor e tradutor Paulo Henriques Britto traz para a moldura do verso a profunda consciência da solidão. “Tempo agora perdido/ (todo tempo se perde)/ vivo só nos vestígios”, escreve Paulo Henriques Britto no segundo poema que compõe Nenhum mistério. Depois de um intervalo de seis anos desde o lançamento de Formas do nada, em 2012, o poeta põe à prova os limites das estruturas clássicas e retoma sua lírica brilhante e mordaz, marcada por uma forte descrença no sublime e no sentido. Conforme Britto anuncia, trata-se de uma “cruel lição”, sem planos para o futuro, conclusões práticas ou teorias extravagantes. “(Nenhuma necessidade,/ aqui, de qualquer metáfora)”: para quem sobrevive à dor acumulada dos anos, observando o passado como quem enxerga de um mirante, a decepção é o único elemento capaz de engendrar algum significado. De acordo com o poeta, que se sente em uma constante véspera, para toda solução há “um jeito de achar um problema”. O vazio, ele pondera, é a única certeza dos dias que não trazem alento: “só amo o que não sei e não se explica”.

NENHUM MISTERIO

NENHUM MISTERIO

Ano:   Editora: Companhia das Letras

Tipo: novo

Livraria Martins Fontes Paulista Livraria Martins Fontes Paulista SP - São Paulo
100% Positivas
531 qualificações
R$ 44,90 + frete R$ 6,53

Total: R$ 51,43

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Com agudeza, ironia e franco ceticismo, o sétimo livro de poemas do escritor, professor e tradutor Paulo Henriques Britto traz para a moldura do verso a profunda consciência da solidão. “Tempo agora perdido/ (todo tempo se perde)/ vivo só nos vestígios”, escreve Paulo Henriques Britto no segundo poema que compõe Nenhum mistério. Depois de um intervalo de seis anos desde o lançamento de Formas do nada, em 2012, o poeta põe à prova os limites das estruturas clássicas e retoma sua lírica brilhante e mordaz, marcada por uma forte descrença no sublime e no sentido. Conforme Britto anuncia, trata-se de uma “cruel lição”, sem planos para o futuro, conclusões práticas ou teorias extravagantes. “(Nenhuma necessidade,/ aqui, de qualquer metáfora)”: para quem sobrevive à dor acumulada dos anos, observando o passado como quem enxerga de um mirante, a decepção é o único elemento capaz de engendrar algum significado. De acordo com o poeta, que se sente em uma constante véspera, para toda solução há “um jeito de achar um problema”. O vazio, ele pondera, é a única certeza dos dias que não trazem alento: “só amo o que não sei e não se explica”.

NENHUM MISTERIO

NENHUM MISTERIO

Ano:   Editora: Cia Companhia das Letras

Tipo: novo

Cliquebooks Cliquebooks SP - São Paulo
99% Positivas
631 qualificações
R$ 44,90 + frete R$ 6,53

Total: R$ 51,43

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Com agudeza, ironia e franco ceticismo, o sétimo livro de poemas do escritor, professor e tradutor Paulo Henriques Britto traz para a moldura do verso a profunda consciência da solidão.Tempo agora perdido todo tempo se perde vivo só nos vestígios, escreve Paulo Henriques Britto no segundo poema que compõe Nenhum mistério. Depois de um intervalo de seis anos desde o lançamento de Formas do nada, em 2012, o poeta põe à prova os limites das estruturas clássicas e retoma sua lírica brilhante e mordaz, marcada por uma forte descrença no sublime e no sentido.Conforme Britto anuncia, trata-se de uma cruel lição, sem planos para o futuro, conclusões práticas ou teorias extravagantes. Nenhuma necessidade, aqui, de qualquer metáfora para quem sobrevive à dor acumulada dos anos, observando o passado como quem enxerga de um mirante, a decepção é o único elemento capaz de engendrar algum significado. De acordo com o poeta, que se sente em uma constante véspera, para toda solução há um jeito de achar um problema. O vazio, ele pondera, é a única certeza dos dias que não trazem alento só amo o que não sei e não se explica.

NENHUM MISTERIO

NENHUM MISTERIO

Ano:   Editora: Cia Companhia das Letras

Tipo: novo

Cliquebooks Cliquebooks SP - São Paulo
99% Positivas
631 qualificações
R$ 44,90 + frete R$ 6,53

Total: R$ 51,43

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Com agudeza, ironia e franco ceticismo, o sétimo livro de poemas do escritor, professor e tradutor Paulo Henriques Britto traz para a moldura do verso a profunda consciência da solidão.Tempo agora perdido todo tempo se perde vivo só nos vestígios, escreve Paulo Henriques Britto no segundo poema que compõe Nenhum mistério. Depois de um intervalo de seis anos desde o lançamento de Formas do nada, em 2012, o poeta põe à prova os limites das estruturas clássicas e retoma sua lírica brilhante e mordaz, marcada por uma forte descrença no sublime e no sentido.Conforme Britto anuncia, trata-se de uma cruel lição, sem planos para o futuro, conclusões práticas ou teorias extravagantes. Nenhuma necessidade, aqui, de qualquer metáfora para quem sobrevive à dor acumulada dos anos, observando o passado como quem enxerga de um mirante, a decepção é o único elemento capaz de engendrar algum significado. De acordo com o poeta, que se sente em uma constante véspera, para toda solução há um jeito de achar um problema. O vazio, ele pondera, é a única certeza dos dias que não trazem alento só amo o que não sei e não se explica.

NENHUM MISTERIO

NENHUM MISTERIO

Ano:   Editora: Cia Companhia das Letras

Tipo: novo

Cliquebooks Cliquebooks SP - São Paulo
99% Positivas
631 qualificações
R$ 44,90 + frete R$ 6,53

Total: R$ 51,43

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Com agudeza, ironia e franco ceticismo, o sétimo livro de poemas do escritor, professor e tradutor Paulo Henriques Britto traz para a moldura do verso a profunda consciência da solidão.Tempo agora perdido todo tempo se perde vivo só nos vestígios, escreve Paulo Henriques Britto no segundo poema que compõe Nenhum mistério. Depois de um intervalo de seis anos desde o lançamento de Formas do nada, em 2012, o poeta põe à prova os limites das estruturas clássicas e retoma sua lírica brilhante e mordaz, marcada por uma forte descrença no sublime e no sentido.Conforme Britto anuncia, trata-se de uma cruel lição, sem planos para o futuro, conclusões práticas ou teorias extravagantes. Nenhuma necessidade, aqui, de qualquer metáfora para quem sobrevive à dor acumulada dos anos, observando o passado como quem enxerga de um mirante, a decepção é o único elemento capaz de engendrar algum significado. De acordo com o poeta, que se sente em uma constante véspera, para toda solução há um jeito de achar um problema. O vazio, ele pondera, é a única certeza dos dias que não trazem alento só amo o que não sei e não se explica.

NENHUM MISTERIO

NENHUM MISTERIO

Ano:   Editora: Cia Companhia das Letras

Tipo: novo

Cliquebooks Cliquebooks SP - São Paulo
99% Positivas
631 qualificações
R$ 44,90 + frete R$ 6,53

Total: R$ 51,43

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Com agudeza, ironia e franco ceticismo, o sétimo livro de poemas do escritor, professor e tradutor Paulo Henriques Britto traz para a moldura do verso a profunda consciência da solidão.Tempo agora perdido todo tempo se perde vivo só nos vestígios, escreve Paulo Henriques Britto no segundo poema que compõe Nenhum mistério. Depois de um intervalo de seis anos desde o lançamento de Formas do nada, em 2012, o poeta põe à prova os limites das estruturas clássicas e retoma sua lírica brilhante e mordaz, marcada por uma forte descrença no sublime e no sentido.Conforme Britto anuncia, trata-se de uma cruel lição, sem planos para o futuro, conclusões práticas ou teorias extravagantes. Nenhuma necessidade, aqui, de qualquer metáfora para quem sobrevive à dor acumulada dos anos, observando o passado como quem enxerga de um mirante, a decepção é o único elemento capaz de engendrar algum significado. De acordo com o poeta, que se sente em uma constante véspera, para toda solução há um jeito de achar um problema. O vazio, ele pondera, é a única certeza dos dias que não trazem alento só amo o que não sei e não se explica.

NENHUM MISTERIO

NENHUM MISTERIO

Ano:   Editora: Cia Companhia das Letras

Tipo: novo

Cliquebooks Cliquebooks SP - São Paulo
99% Positivas
631 qualificações
R$ 44,90 + frete R$ 6,53

Total: R$ 51,43

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Com agudeza, ironia e franco ceticismo, o sétimo livro de poemas do escritor, professor e tradutor Paulo Henriques Britto traz para a moldura do verso a profunda consciência da solidão.Tempo agora perdido todo tempo se perde vivo só nos vestígios, escreve Paulo Henriques Britto no segundo poema que compõe Nenhum mistério. Depois de um intervalo de seis anos desde o lançamento de Formas do nada, em 2012, o poeta põe à prova os limites das estruturas clássicas e retoma sua lírica brilhante e mordaz, marcada por uma forte descrença no sublime e no sentido.Conforme Britto anuncia, trata-se de uma cruel lição, sem planos para o futuro, conclusões práticas ou teorias extravagantes. Nenhuma necessidade, aqui, de qualquer metáfora para quem sobrevive à dor acumulada dos anos, observando o passado como quem enxerga de um mirante, a decepção é o único elemento capaz de engendrar algum significado. De acordo com o poeta, que se sente em uma constante véspera, para toda solução há um jeito de achar um problema. O vazio, ele pondera, é a única certeza dos dias que não trazem alento só amo o que não sei e não se explica.

NENHUM MISTERIO

NENHUM MISTERIO

Ano:   Editora: Companhia das Letras

Tipo: novo

Livraria Martins Fontes Paulista Livraria Martins Fontes Paulista SP - São Paulo
100% Positivas
531 qualificações
R$ 44,90 + frete R$ 6,53

Total: R$ 51,43

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Com agudeza, ironia e franco ceticismo, o sétimo livro de poemas do escritor, professor e tradutor Paulo Henriques Britto traz para a moldura do verso a profunda consciência da solidão. “Tempo agora perdido/ (todo tempo se perde)/ vivo só nos vestígios”, escreve Paulo Henriques Britto no segundo poema que compõe Nenhum mistério. Depois de um intervalo de seis anos desde o lançamento de Formas do nada, em 2012, o poeta põe à prova os limites das estruturas clássicas e retoma sua lírica brilhante e mordaz, marcada por uma forte descrença no sublime e no sentido. Conforme Britto anuncia, trata-se de uma “cruel lição”, sem planos para o futuro, conclusões práticas ou teorias extravagantes. “(Nenhuma necessidade,/ aqui, de qualquer metáfora)”: para quem sobrevive à dor acumulada dos anos, observando o passado como quem enxerga de um mirante, a decepção é o único elemento capaz de engendrar algum significado. De acordo com o poeta, que se sente em uma constante véspera, para toda solução há “um jeito de achar um problema”. O vazio, ele pondera, é a única certeza dos dias que não trazem alento: “só amo o que não sei e não se explica”.

NENHUM MISTERIO

NENHUM MISTERIO

Ano:   Editora: Companhia das Letras

Tipo: novo

Livraria Martins Fontes Paulista Livraria Martins Fontes Paulista SP - São Paulo
100% Positivas
531 qualificações
R$ 44,90 + frete R$ 6,53

Total: R$ 51,43

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Com agudeza, ironia e franco ceticismo, o sétimo livro de poemas do escritor, professor e tradutor Paulo Henriques Britto traz para a moldura do verso a profunda consciência da solidão. “Tempo agora perdido/ (todo tempo se perde)/ vivo só nos vestígios”, escreve Paulo Henriques Britto no segundo poema que compõe Nenhum mistério. Depois de um intervalo de seis anos desde o lançamento de Formas do nada, em 2012, o poeta põe à prova os limites das estruturas clássicas e retoma sua lírica brilhante e mordaz, marcada por uma forte descrença no sublime e no sentido. Conforme Britto anuncia, trata-se de uma “cruel lição”, sem planos para o futuro, conclusões práticas ou teorias extravagantes. “(Nenhuma necessidade,/ aqui, de qualquer metáfora)”: para quem sobrevive à dor acumulada dos anos, observando o passado como quem enxerga de um mirante, a decepção é o único elemento capaz de engendrar algum significado. De acordo com o poeta, que se sente em uma constante véspera, para toda solução há “um jeito de achar um problema”. O vazio, ele pondera, é a única certeza dos dias que não trazem alento: “só amo o que não sei e não se explica”.

NENHUM MISTERIO

NENHUM MISTERIO

Ano:   Editora: Companhia das Letras

Tipo: novo

Livraria Martins Fontes Paulista Livraria Martins Fontes Paulista SP - São Paulo
100% Positivas
531 qualificações
R$ 44,90 + frete R$ 6,53

Total: R$ 51,43

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Com agudeza, ironia e franco ceticismo, o sétimo livro de poemas do escritor, professor e tradutor Paulo Henriques Britto traz para a moldura do verso a profunda consciência da solidão. “Tempo agora perdido/ (todo tempo se perde)/ vivo só nos vestígios”, escreve Paulo Henriques Britto no segundo poema que compõe Nenhum mistério. Depois de um intervalo de seis anos desde o lançamento de Formas do nada, em 2012, o poeta põe à prova os limites das estruturas clássicas e retoma sua lírica brilhante e mordaz, marcada por uma forte descrença no sublime e no sentido. Conforme Britto anuncia, trata-se de uma “cruel lição”, sem planos para o futuro, conclusões práticas ou teorias extravagantes. “(Nenhuma necessidade,/ aqui, de qualquer metáfora)”: para quem sobrevive à dor acumulada dos anos, observando o passado como quem enxerga de um mirante, a decepção é o único elemento capaz de engendrar algum significado. De acordo com o poeta, que se sente em uma constante véspera, para toda solução há “um jeito de achar um problema”. O vazio, ele pondera, é a única certeza dos dias que não trazem alento: “só amo o que não sei e não se explica”.

Nenhum Mistério

Nenhum Mistério

Ano:   Editora: Companhia das Letras

Tipo: novo

Livros Online Livros Online SP - São Paulo
96% Positivas
980 qualificações
R$ 44,90 + frete R$ 7,58

Total: R$ 52,48

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Com agudeza, ironia e franco ceticismo, o sétimo livro de poemas do escritor, professor e tradutor Paulo Henriques Britto traz para a moldura do verso a profunda consciência da solidão.“Tempo agora perdido/ (todo tempo se perde)/ vivo só nos vestígios”, escreve Paulo Henriques Britto no segundo poema que compõe Nenhum mistério. Depois de um intervalo de seis anos desde o lançamento de Formas do nada, em 2012, o poeta põe à prova os limites das estruturas clássicas e retoma sua lírica brilhante e mordaz, marcada por uma forte descrença no sublime e no sentido.Conforme Britto anuncia, trata-se de uma “cruel lição”, sem planos para o futuro, conclusões práticas ou teorias extravagantes. “(Nenhuma necessidade,/ aqui, de qualquer metáfora)”: para quem sobrevive à dor acumulada dos anos, observando o passado como quem enxerga de um mirante, a decepção é o único elemento capaz de engendrar algum significado. De acordo com o poeta, que se sente em uma constante véspera, para toda solução há “um jeito de achar um problema”. O vazio, ele pondera, é a única certeza dos dias que não trazem alento: “só amo o que não sei e não se explica”.

Nenhum Mistério

Nenhum Mistério

Ano:   Editora: Companhia das Letras

Tipo: novo

Livros Online Livros Online SP - São Paulo
96% Positivas
980 qualificações
R$ 44,90 + frete R$ 7,58

Total: R$ 52,48

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Com agudeza, ironia e franco ceticismo, o sétimo livro de poemas do escritor, professor e tradutor Paulo Henriques Britto traz para a moldura do verso a profunda consciência da solidão.“Tempo agora perdido/ (todo tempo se perde)/ vivo só nos vestígios”, escreve Paulo Henriques Britto no segundo poema que compõe Nenhum mistério. Depois de um intervalo de seis anos desde o lançamento de Formas do nada, em 2012, o poeta põe à prova os limites das estruturas clássicas e retoma sua lírica brilhante e mordaz, marcada por uma forte descrença no sublime e no sentido.Conforme Britto anuncia, trata-se de uma “cruel lição”, sem planos para o futuro, conclusões práticas ou teorias extravagantes. “(Nenhuma necessidade,/ aqui, de qualquer metáfora)”: para quem sobrevive à dor acumulada dos anos, observando o passado como quem enxerga de um mirante, a decepção é o único elemento capaz de engendrar algum significado. De acordo com o poeta, que se sente em uma constante véspera, para toda solução há “um jeito de achar um problema”. O vazio, ele pondera, é a única certeza dos dias que não trazem alento: “só amo o que não sei e não se explica”.

Nenhum Mistério

Nenhum Mistério

Ano:   Editora: Companhia das Letras

Tipo: novo

Livros Online Livros Online SP - São Paulo
96% Positivas
980 qualificações
R$ 44,90 + frete R$ 7,58

Total: R$ 52,48

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Com agudeza, ironia e franco ceticismo, o sétimo livro de poemas do escritor, professor e tradutor Paulo Henriques Britto traz para a moldura do verso a profunda consciência da solidão.“Tempo agora perdido/ (todo tempo se perde)/ vivo só nos vestígios”, escreve Paulo Henriques Britto no segundo poema que compõe Nenhum mistério. Depois de um intervalo de seis anos desde o lançamento de Formas do nada, em 2012, o poeta põe à prova os limites das estruturas clássicas e retoma sua lírica brilhante e mordaz, marcada por uma forte descrença no sublime e no sentido.Conforme Britto anuncia, trata-se de uma “cruel lição”, sem planos para o futuro, conclusões práticas ou teorias extravagantes. “(Nenhuma necessidade,/ aqui, de qualquer metáfora)”: para quem sobrevive à dor acumulada dos anos, observando o passado como quem enxerga de um mirante, a decepção é o único elemento capaz de engendrar algum significado. De acordo com o poeta, que se sente em uma constante véspera, para toda solução há “um jeito de achar um problema”. O vazio, ele pondera, é a única certeza dos dias que não trazem alento: “só amo o que não sei e não se explica”.

Nenhum Mistério

Nenhum Mistério

Ano:   Editora: Companhia das Letras

Tipo: novo

Livros Online Livros Online SP - São Paulo
96% Positivas
980 qualificações
R$ 44,90 + frete R$ 7,58

Total: R$ 52,48

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Com agudeza, ironia e franco ceticismo, o sétimo livro de poemas do escritor, professor e tradutor Paulo Henriques Britto traz para a moldura do verso a profunda consciência da solidão.“Tempo agora perdido/ (todo tempo se perde)/ vivo só nos vestígios”, escreve Paulo Henriques Britto no segundo poema que compõe Nenhum mistério. Depois de um intervalo de seis anos desde o lançamento de Formas do nada, em 2012, o poeta põe à prova os limites das estruturas clássicas e retoma sua lírica brilhante e mordaz, marcada por uma forte descrença no sublime e no sentido.Conforme Britto anuncia, trata-se de uma “cruel lição”, sem planos para o futuro, conclusões práticas ou teorias extravagantes. “(Nenhuma necessidade,/ aqui, de qualquer metáfora)”: para quem sobrevive à dor acumulada dos anos, observando o passado como quem enxerga de um mirante, a decepção é o único elemento capaz de engendrar algum significado. De acordo com o poeta, que se sente em uma constante véspera, para toda solução há “um jeito de achar um problema”. O vazio, ele pondera, é a única certeza dos dias que não trazem alento: “só amo o que não sei e não se explica”.

Nenhum Mistério

Nenhum Mistério

Ano:   Editora: Companhia das Letras

Tipo: novo

Livros Online Livros Online SP - São Paulo
96% Positivas
980 qualificações
R$ 44,90 + frete R$ 7,58

Total: R$ 52,48

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Com agudeza, ironia e franco ceticismo, o sétimo livro de poemas do escritor, professor e tradutor Paulo Henriques Britto traz para a moldura do verso a profunda consciência da solidão.“Tempo agora perdido/ (todo tempo se perde)/ vivo só nos vestígios”, escreve Paulo Henriques Britto no segundo poema que compõe Nenhum mistério. Depois de um intervalo de seis anos desde o lançamento de Formas do nada, em 2012, o poeta põe à prova os limites das estruturas clássicas e retoma sua lírica brilhante e mordaz, marcada por uma forte descrença no sublime e no sentido.Conforme Britto anuncia, trata-se de uma “cruel lição”, sem planos para o futuro, conclusões práticas ou teorias extravagantes. “(Nenhuma necessidade,/ aqui, de qualquer metáfora)”: para quem sobrevive à dor acumulada dos anos, observando o passado como quem enxerga de um mirante, a decepção é o único elemento capaz de engendrar algum significado. De acordo com o poeta, que se sente em uma constante véspera, para toda solução há “um jeito de achar um problema”. O vazio, ele pondera, é a única certeza dos dias que não trazem alento: “só amo o que não sei e não se explica”.

Avaliações do livro

Ainda não há avaliações para este título, seja o primeiro a avaliar.

Avalie o livro