A Compra Garantida Estante Virtual é uma garantia de que você receberá a encomenda ou o reembolso do valor da sua compra. Saiba mais aqui.

  • 1.350 sebos e livreiros
  • Qualificações positivas dos livreiros
  • Maior acervo do mundo em língua portuguesa
filtros
Batuqueiros da Pauliceia Capa ilustrativa

Batuqueiros da Paulicéia

Osvaldinho da Cuíca / André Domingues

A obra segue as diversas trilhas do samba de São Paulo, apontando seus nomes e acontecimentos fundamentais desde o início do século XX até o presente, do remoto samba-rural ao samba-de-raiz de hoje em dia, passando por diversas manifestações como a marcha-sambada, a batucada de engraxates, o samba-rock e as experiências da chamada Vanguarda Paulistana. O ponto de partida é a própria dificuldade em encontrar uma definição para o “samba” produzido no Estado de São Paulo, haja vista a grande diferença de características entre as diversas versões que coexistiam no início. O termo samba-rural foi uma tentativa frustrada de reunir essa diversidade em uma única expressão. Em São Paulo, a palavra “samba” só ganhou sentido comum, entendido em qualquer outra parte do Estado, quando se falava no samba-de-bumbo das popularíssimas festas de Pirapora Bom Jesus. O termo nasceu da inclusão do bumbo nas cantorias profanas dos devotos, as quais costumavam ter apenas o acompanhamento de violas, cavaquinhos, chocalhos e batidas de mãos e pés. Desprezado por grande parte dos estudiosos, o samba-de-bumbo deixou pouquíssimos registros. Antes do seu repentino crescimento, entre o final do século XIX e o início do seguinte, a cidade de São Paulo, embora capital do Estado, ainda não centralizava a cultura paulista e estava longe de ser a cidade cosmopolita tal qual a conhecemos hoje. Ao contrário, tinha fortes características de uma cidade interiorana, com uma certa resistência da elite em aceitar influências dos imigrantes. Musicalmente, prevalecia em São Paulo uma manifestação trazida pelos portugueses abastados: a seresta, cultivada, sobretudo, pelos estudantes de direito do Largo do São Francisco. Nas camadas mais pobres da sociedade, por outro lado, os negros cultivavam suas próprias formas de expressão musical, em geral ligadas a uma religiosidade sincrética, que misturava ritmos dos orixás africanos aos de santos do cânone cristão.    

A obra segue as diversas trilhas do samba de São Paulo, apontando seus nomes e acontecimentos fundamentais desde o início do século XX até o presente, do remoto samba-rural ao samba-de-raiz de hoje em dia, passando por diversas manifestações como a marcha-sambada, a batucada de engraxates, o samba-rock e as experiências da chamada Vanguarda Paulistana. O ponto de partida é a própria dificuldade em encontrar uma definição para o “samba” produzido no Estado de São Paulo, haja vista a grande diferença de características entre as diversas versões que coexistiam no início. O termo samba-rural foi uma tentativa frustrada de reunir essa diversidade em uma única expressão. Em São Paulo, a palavra “samba” só ganhou sentido comum, entendido em qualquer outra parte do Estado, quando se falava no samba-de-bumbo das popularíssimas festas de Pirapora Bom Jesus. O termo nasceu da inclusão do bumbo nas cantorias profanas dos devotos, as quais costumavam ter apenas o acompanhamento de violas, cavaquinhos, chocalhos e batidas de mãos e pés. Desprezado por grande parte dos estudiosos, o samba-de-bumbo deixou pouquíssimos registros. Antes do seu repentino crescimento, entre o final do século XIX e o início do seguinte, a cidade de São Paulo, embora capital do Estado, ainda não centralizava a cultura paulista e estava longe de ser a cidade cosmopolita tal qual a conhecemos hoje. Ao contrário, tinha fortes características de uma cidade interiorana, com uma certa resistência da elite em aceitar influências dos imigrantes. Musicalmente, prevalecia em São Paulo uma manifestação trazida pelos portugueses abastados: a seresta, cultivada, sobretudo, pelos estudantes de direito do Largo do São Francisco. Nas camadas mais pobres da sociedade, por outro lado, os negros cultivavam suas próprias formas de expressão musical, em geral ligadas a uma religiosidade sincrética, que misturava ritmos dos orixás africanos aos de santos do cânone cristão. Fechar Ler mais

Estatísticas de venda deste livro

Último vendido Nos últimos 3 meses
Vendidos
Preço médio R$ " + data.stats.mean + "
Menor preço R$ " + data.stats.min + "
Maior preço R$ " + data.stats.max + "

Esta informação aparece apenas para usuários logados como livreiros.

Batuqueiros da Paulicéia, Os

Refinar resultado

6 livros novos e 1 livro usado em 3 vendedores

Exibindo todas as publicações encontradas. Filtre pelas mais recentesRemover filtro
Batuqueiros da Paulicéia, Os

Batuqueiros da Paulicéia, Os

Ano:   Editora: Barcarolla

Tipo: novo

Idioma: Português

Boom Books Boom Books PR - Curitiba
93% Positivas
182 qualificações
R$ 24,70 + frete R$ 9,40

Total: R$ 34,10

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Uma frase infeliz de Vinícius de Moraes, a famosa "São Paulo é o túmulo do samba!", fez cristalizar-se um antigo preconceito contra o samba paulista. Os trabalhos de grandes sambistas de São Paulo, como Henricão, Geraldo Filme, Adoniran Barbosa e Toq uinho (o mais prolífico parceiro do poeta), sempre foram lembrados como casos que desmentiam tal injustiça. Mas uma defesa do samba de São Paulo, como um todo, dificilmente passava de um esboço. Até porque, em boa medida, os próprios paulistas não c o nhecem completamente a sua grandeza. Daí o impulso do sambista Osvaldinho da Cuíca e do crítico e pesquisador André Domingues se unirem para sistematizar e escrever a história do samba paulista no livro Batuqueiros da Paulicéia - Enredo do Samba de S ão Paulo, que a Editora Barcarolla lança neste mês maio. A obra segue as diversas trilhas do samba de São Paulo, apontando seus nomes e acontecimentos fundamentais desde o início do século XX até o presente, do remoto samba-rural ao samba-de-raiz de hoje em dia, passando por diversas manifestações como a marcha-sambada, a batucada de engraxates, o samba-rock e as experiências da chamada Vanguarda Paulistana. O ponto de partida é a própria dificuldade em encontrar uma definição para o "samba" pro duzido no Estado de São Paulo, haja vista a grande diferença de características entre as diversas versões que coexistiam no início. O termo samba-rural foi uma tentativa frustrada de reunir essa diversidade em uma única expressão. Em São Paulo, a pal avra "samba" só ganhou sentido comum, entendido em qualquer outra parte do Estado, quando se falava no samba-de-bumbo das popularíssimas festas de Pirapora Bom Jesus. O termo nasceu da inclusão do bumbo nas cantorias profanas dos devotos, as qua is co stumavam ter apenas o acompanhamento de violas, cavaquinhos, chocalhos e batidas de mãos e pés. Desprezado por grande parte dos estudiosos, o samba-de-bumbo deixou pouquíssimos registros. Antes do seu repentino crescimento, entre o final do séc ulo XI X e o início do seguinte, a cidade de São Paulo, embora capital do Estado, ainda não centralizava a cultura paulista e estava longe de ser a cidade cosmopolita tal qual a conhecemos hoje. Ao contrário, tinha fortes características de uma cidad e inteo Francisco. Nas camadas mais pobres da sociedade, por outro lado, os negros cultivavam suas próprias formas de expressão musical, em geral ligadas a uma religiosidade sincrética, que misturava ritmos dos orixás africanos aos de santos do cânon

Batuqueiros da Paulicéia, Os

Batuqueiros da Paulicéia, Os

Ano:   Editora: Barcarolla

Tipo: novo

Idioma: Português

Boom Books Boom Books PR - Curitiba
93% Positivas
182 qualificações
R$ 24,70 + frete R$ 9,40

Total: R$ 34,10

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Uma frase infeliz de Vinícius de Moraes, a famosa "São Paulo é o túmulo do samba!", fez cristalizar-se um antigo preconceito contra o samba paulista. Os trabalhos de grandes sambistas de São Paulo, como Henricão, Geraldo Filme, Adoniran Barbosa e Toq uinho (o mais prolífico parceiro do poeta), sempre foram lembrados como casos que desmentiam tal injustiça. Mas uma defesa do samba de São Paulo, como um todo, dificilmente passava de um esboço. Até porque, em boa medida, os próprios paulistas não c o nhecem completamente a sua grandeza. Daí o impulso do sambista Osvaldinho da Cuíca e do crítico e pesquisador André Domingues se unirem para sistematizar e escrever a história do samba paulista no livro Batuqueiros da Paulicéia - Enredo do Samba de S ão Paulo, que a Editora Barcarolla lança neste mês maio. A obra segue as diversas trilhas do samba de São Paulo, apontando seus nomes e acontecimentos fundamentais desde o início do século XX até o presente, do remoto samba-rural ao samba-de-raiz de hoje em dia, passando por diversas manifestações como a marcha-sambada, a batucada de engraxates, o samba-rock e as experiências da chamada Vanguarda Paulistana. O ponto de partida é a própria dificuldade em encontrar uma definição para o "samba" pro duzido no Estado de São Paulo, haja vista a grande diferença de características entre as diversas versões que coexistiam no início. O termo samba-rural foi uma tentativa frustrada de reunir essa diversidade em uma única expressão. Em São Paulo, a pal avra "samba" só ganhou sentido comum, entendido em qualquer outra parte do Estado, quando se falava no samba-de-bumbo das popularíssimas festas de Pirapora Bom Jesus. O termo nasceu da inclusão do bumbo nas cantorias profanas dos devotos, as qua is co stumavam ter apenas o acompanhamento de violas, cavaquinhos, chocalhos e batidas de mãos e pés. Desprezado por grande parte dos estudiosos, o samba-de-bumbo deixou pouquíssimos registros. Antes do seu repentino crescimento, entre o final do séc ulo XI X e o início do seguinte, a cidade de São Paulo, embora capital do Estado, ainda não centralizava a cultura paulista e estava longe de ser a cidade cosmopolita tal qual a conhecemos hoje. Ao contrário, tinha fortes características de uma cidad e inteo Francisco. Nas camadas mais pobres da sociedade, por outro lado, os negros cultivavam suas próprias formas de expressão musical, em geral ligadas a uma religiosidade sincrética, que misturava ritmos dos orixás africanos aos de santos do cânon

Batuqueiros da Paulicéia, Os

Batuqueiros da Paulicéia, Os

Ano:   Editora: Barcarolla

Tipo: novo

Idioma: Português

Boom Books Boom Books PR - Curitiba
93% Positivas
182 qualificações
R$ 24,70 + frete R$ 9,40

Total: R$ 34,10

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Uma frase infeliz de Vinícius de Moraes, a famosa "São Paulo é o túmulo do samba!", fez cristalizar-se um antigo preconceito contra o samba paulista. Os trabalhos de grandes sambistas de São Paulo, como Henricão, Geraldo Filme, Adoniran Barbosa e Toq uinho (o mais prolífico parceiro do poeta), sempre foram lembrados como casos que desmentiam tal injustiça. Mas uma defesa do samba de São Paulo, como um todo, dificilmente passava de um esboço. Até porque, em boa medida, os próprios paulistas não c o nhecem completamente a sua grandeza. Daí o impulso do sambista Osvaldinho da Cuíca e do crítico e pesquisador André Domingues se unirem para sistematizar e escrever a história do samba paulista no livro Batuqueiros da Paulicéia - Enredo do Samba de S ão Paulo, que a Editora Barcarolla lança neste mês maio. A obra segue as diversas trilhas do samba de São Paulo, apontando seus nomes e acontecimentos fundamentais desde o início do século XX até o presente, do remoto samba-rural ao samba-de-raiz de hoje em dia, passando por diversas manifestações como a marcha-sambada, a batucada de engraxates, o samba-rock e as experiências da chamada Vanguarda Paulistana. O ponto de partida é a própria dificuldade em encontrar uma definição para o "samba" pro duzido no Estado de São Paulo, haja vista a grande diferença de características entre as diversas versões que coexistiam no início. O termo samba-rural foi uma tentativa frustrada de reunir essa diversidade em uma única expressão. Em São Paulo, a pal avra "samba" só ganhou sentido comum, entendido em qualquer outra parte do Estado, quando se falava no samba-de-bumbo das popularíssimas festas de Pirapora Bom Jesus. O termo nasceu da inclusão do bumbo nas cantorias profanas dos devotos, as qua is co stumavam ter apenas o acompanhamento de violas, cavaquinhos, chocalhos e batidas de mãos e pés. Desprezado por grande parte dos estudiosos, o samba-de-bumbo deixou pouquíssimos registros. Antes do seu repentino crescimento, entre o final do séc ulo XI X e o início do seguinte, a cidade de São Paulo, embora capital do Estado, ainda não centralizava a cultura paulista e estava longe de ser a cidade cosmopolita tal qual a conhecemos hoje. Ao contrário, tinha fortes características de uma cidad e inteo Francisco. Nas camadas mais pobres da sociedade, por outro lado, os negros cultivavam suas próprias formas de expressão musical, em geral ligadas a uma religiosidade sincrética, que misturava ritmos dos orixás africanos aos de santos do cânon

Batuqueiros da Paulicéia, Os

Batuqueiros da Paulicéia, Os

Ano:   Editora: Barcarolla

Tipo: novo

Idioma: Português

Boom Books Boom Books PR - Curitiba
93% Positivas
182 qualificações
R$ 24,70 + frete R$ 9,40

Total: R$ 34,10

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Uma frase infeliz de Vinícius de Moraes, a famosa "São Paulo é o túmulo do samba!", fez cristalizar-se um antigo preconceito contra o samba paulista. Os trabalhos de grandes sambistas de São Paulo, como Henricão, Geraldo Filme, Adoniran Barbosa e Toq uinho (o mais prolífico parceiro do poeta), sempre foram lembrados como casos que desmentiam tal injustiça. Mas uma defesa do samba de São Paulo, como um todo, dificilmente passava de um esboço. Até porque, em boa medida, os próprios paulistas não c o nhecem completamente a sua grandeza. Daí o impulso do sambista Osvaldinho da Cuíca e do crítico e pesquisador André Domingues se unirem para sistematizar e escrever a história do samba paulista no livro Batuqueiros da Paulicéia - Enredo do Samba de S ão Paulo, que a Editora Barcarolla lança neste mês maio. A obra segue as diversas trilhas do samba de São Paulo, apontando seus nomes e acontecimentos fundamentais desde o início do século XX até o presente, do remoto samba-rural ao samba-de-raiz de hoje em dia, passando por diversas manifestações como a marcha-sambada, a batucada de engraxates, o samba-rock e as experiências da chamada Vanguarda Paulistana. O ponto de partida é a própria dificuldade em encontrar uma definição para o "samba" pro duzido no Estado de São Paulo, haja vista a grande diferença de características entre as diversas versões que coexistiam no início. O termo samba-rural foi uma tentativa frustrada de reunir essa diversidade em uma única expressão. Em São Paulo, a pal avra "samba" só ganhou sentido comum, entendido em qualquer outra parte do Estado, quando se falava no samba-de-bumbo das popularíssimas festas de Pirapora Bom Jesus. O termo nasceu da inclusão do bumbo nas cantorias profanas dos devotos, as qua is co stumavam ter apenas o acompanhamento de violas, cavaquinhos, chocalhos e batidas de mãos e pés. Desprezado por grande parte dos estudiosos, o samba-de-bumbo deixou pouquíssimos registros. Antes do seu repentino crescimento, entre o final do séc ulo XI X e o início do seguinte, a cidade de São Paulo, embora capital do Estado, ainda não centralizava a cultura paulista e estava longe de ser a cidade cosmopolita tal qual a conhecemos hoje. Ao contrário, tinha fortes características de uma cidad e inteo Francisco. Nas camadas mais pobres da sociedade, por outro lado, os negros cultivavam suas próprias formas de expressão musical, em geral ligadas a uma religiosidade sincrética, que misturava ritmos dos orixás africanos aos de santos do cânon

Batuqueiros da Paulicéia, Os

Batuqueiros da Paulicéia, Os

Ano:   Editora: Barcarolla

Tipo: novo

Idioma: Português

Boom Books Boom Books PR - Curitiba
93% Positivas
182 qualificações
R$ 24,70 + frete R$ 9,40

Total: R$ 34,10

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Uma frase infeliz de Vinícius de Moraes, a famosa "São Paulo é o túmulo do samba!", fez cristalizar-se um antigo preconceito contra o samba paulista. Os trabalhos de grandes sambistas de São Paulo, como Henricão, Geraldo Filme, Adoniran Barbosa e Toq uinho (o mais prolífico parceiro do poeta), sempre foram lembrados como casos que desmentiam tal injustiça. Mas uma defesa do samba de São Paulo, como um todo, dificilmente passava de um esboço. Até porque, em boa medida, os próprios paulistas não c o nhecem completamente a sua grandeza. Daí o impulso do sambista Osvaldinho da Cuíca e do crítico e pesquisador André Domingues se unirem para sistematizar e escrever a história do samba paulista no livro Batuqueiros da Paulicéia - Enredo do Samba de S ão Paulo, que a Editora Barcarolla lança neste mês maio. A obra segue as diversas trilhas do samba de São Paulo, apontando seus nomes e acontecimentos fundamentais desde o início do século XX até o presente, do remoto samba-rural ao samba-de-raiz de hoje em dia, passando por diversas manifestações como a marcha-sambada, a batucada de engraxates, o samba-rock e as experiências da chamada Vanguarda Paulistana. O ponto de partida é a própria dificuldade em encontrar uma definição para o "samba" pro duzido no Estado de São Paulo, haja vista a grande diferença de características entre as diversas versões que coexistiam no início. O termo samba-rural foi uma tentativa frustrada de reunir essa diversidade em uma única expressão. Em São Paulo, a pal avra "samba" só ganhou sentido comum, entendido em qualquer outra parte do Estado, quando se falava no samba-de-bumbo das popularíssimas festas de Pirapora Bom Jesus. O termo nasceu da inclusão do bumbo nas cantorias profanas dos devotos, as qua is co stumavam ter apenas o acompanhamento de violas, cavaquinhos, chocalhos e batidas de mãos e pés. Desprezado por grande parte dos estudiosos, o samba-de-bumbo deixou pouquíssimos registros. Antes do seu repentino crescimento, entre o final do séc ulo XI X e o início do seguinte, a cidade de São Paulo, embora capital do Estado, ainda não centralizava a cultura paulista e estava longe de ser a cidade cosmopolita tal qual a conhecemos hoje. Ao contrário, tinha fortes características de uma cidad e inteo Francisco. Nas camadas mais pobres da sociedade, por outro lado, os negros cultivavam suas próprias formas de expressão musical, em geral ligadas a uma religiosidade sincrética, que misturava ritmos dos orixás africanos aos de santos do cânon

Batuqueiros da Paulicéia

Batuqueiros da Paulicéia

Ano:   Editora: Barcarola

Tipo: seminovo/usado

Idioma: Português

Sebo Memória Sebo Memória SP - São Paulo
99% Positivas
98 qualificações
R$ 34,90 + frete R$ 10,61

Total: R$ 45,51

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Brochura, em bom estado de conservação, com anotação na folha de rosto.

Batuqueiros da Paulicéia

Batuqueiros da Paulicéia

Ano:   Editora: Bararolla

Tipo: novo

Idioma: Português

Livraria Palmarinca Livraria Palmarinca RS - Porto Alegre
93% Positivas
15 qualificações
R$ 35,00 + frete R$ 17,08

Total: R$ 52,08

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Livro Novo. Nunca Manuseado.

Avaliações do livro

Ainda não há avaliações para este título, seja o primeiro a avaliar.

Avalie o livro