A Compra Garantida Estante Virtual é uma garantia de que você receberá a encomenda ou o reembolso do valor da sua compra. Saiba mais aqui.

  • 1.350 sebos e livreiros
  • Qualificações positivas dos livreiros
  • Maior acervo do mundo em língua portuguesa
filtros
Caderno de Memorias Coloniais Capa ilustrativa

Livro Caderno de Memórias Coloniais

Isabela Figueiredo

Estatísticas de venda deste livro

Último vendido Nos últimos 3 meses
Vendidos
Preço médio R$ " + data.stats.mean + "
Menor preço R$ " + data.stats.min + "
Maior preço R$ " + data.stats.max + "

Esta informação aparece apenas para usuários logados como livreiros.

Caderno de Memorias Coloniais

Refinar resultado

91 livros novos e 1 livro usado em 21 vendedores

Exibindo todas as publicações encontradas. Filtre pelas mais recentesRemover filtro
Caderno de Memorias Coloniais

Caderno de Memorias Coloniais

Ano:   Editora: Todavia

Tipo: seminovo/usado

Idioma: Português

Jorge Farias7 Jorge Farias7 SP - Diadema
99% Positivas
1082 qualificações
R$ 40,00 + frete R$ 12,29

Total: R$ 52,29

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Livro em ótimo estado de conservação, firme e integro, sem rasuras ou amarelamentos. Global019A

Caderno De Memorias Coloniais

Caderno De Memorias Coloniais

Ano:   Editora: Todavia

Tipo: novo

Idioma: Português

Cliquebooks Cliquebooks SP - São Paulo
99% Positivas
1203 qualificações
R$ 42,27 + frete R$ 8,82

Total: R$ 51,09

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Obra-prima da literatura portuguesa de hoje, o livro de Isabela Figueiredo é um devastador ajuste de contas com a situação colonial. Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O “melhor” de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalhos subalternos e mal-remunerados destinados aos locais, o racismo.

Caderno De Memorias Coloniais

Caderno De Memorias Coloniais

Ano:   Editora: Todavia

Tipo: novo

Idioma: Português

Cliquebooks Cliquebooks SP - São Paulo
99% Positivas
1203 qualificações
R$ 42,27 + frete R$ 8,82

Total: R$ 51,09

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Obra-prima da literatura portuguesa de hoje, o livro de Isabela Figueiredo é um devastador ajuste de contas com a situação colonial. Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O “melhor” de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalhos subalternos e mal-remunerados destinados aos locais, o racismo.

Caderno de Memórias Coloniais

Caderno de Memórias Coloniais

Ano:   Editora: Todavia Editora

Tipo: novo

Idioma: Português

Kangoroo Web Kangoroo Web SP - São Paulo
95% Positivas
491 qualificações
R$ 42,66 + frete R$ 10,61

Total: R$ 53,27

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Livro Novo, nunca manuseado, direto da editora!!!! Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O "melhor" de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalhos subalternos e malremunerados destinados aos locais, o racismo.

Caderno de Memórias Coloniais

Caderno de Memórias Coloniais

Ano:   Editora: Todavia Editora

Tipo: novo

Idioma: Português

Kangoroo Web Kangoroo Web SP - São Paulo
95% Positivas
491 qualificações
R$ 42,66 + frete R$ 10,61

Total: R$ 53,27

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Livro Novo, nunca manuseado, direto da editora!!! Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O "melhor" de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalhos subalternos e malremunerados destinados aos locais, o racismo.

Caderno De Memórias Coloniais

Caderno De Memórias Coloniais

Ano:   Editora: Todavia

Tipo: novo

Idioma: Não Informado

Eliot Livros Eliot Livros SP - São Paulo
97% Positivas
192 qualificações
R$ 43,90 + frete R$ 9,93

Total: R$ 53,83

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Livro novo. ISBN 9788593828942. Dimensão 14,0 X 21,0, 184 pág. Sinopse: Genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e voltou para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado, como a exclusão da população local (negra).

Caderno De Memórias Coloniais

Caderno De Memórias Coloniais

Ano:   Editora: Todavia

Tipo: novo

Idioma: Não Informado

Eliot Livros Eliot Livros SP - São Paulo
97% Positivas
192 qualificações
R$ 43,90 + frete R$ 9,93

Total: R$ 53,83

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Livro novo. ISBN 9788593828942. Dimensão 14,0 X 21,0, 184 pág. Sinopse: Genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e voltou para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado, como a exclusão da população local (negra).

Caderno De Memórias Coloniais

Caderno De Memórias Coloniais

Ano:   Editora: Todavia

Tipo: novo

Idioma: Não Informado

Eliot Livros Eliot Livros SP - São Paulo
97% Positivas
192 qualificações
R$ 43,90 + frete R$ 9,93

Total: R$ 53,83

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Livro novo. ISBN 9788593828942. Dimensão 14,0 X 21,0, 184 pág. Sinopse: Genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e voltou para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado, como a exclusão da população local (negra).

Caderno de memórias coloniais

Caderno de memórias coloniais

Ano:   Editora: Todavia

Tipo: novo

Idioma: Português

Authentic Livros Authentic Livros SP - São Paulo
99% Positivas
830 qualificações
R$ 43,92 + frete R$ 8,82

Total: R$ 52,74

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Obra-prima da literatura portuguesa de hoje, o livro de Isabela Figueiredo é um devastador ajuste de contas com a situação colonial. Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O “melhor” de Moçambique ficava co m os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livr o é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portu gal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalh os subalternos e mal-remunerados destinados aos locais, o racismo. Autora da FLIP 2018.

Caderno de memórias coloniais

Caderno de memórias coloniais

Ano:   Editora: Todavia

Tipo: novo

Idioma: Português

Authentic Livros Authentic Livros SP - São Paulo
99% Positivas
830 qualificações
R$ 43,92 + frete R$ 8,82

Total: R$ 52,74

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Obra-prima da literatura portuguesa de hoje, o livro de Isabela Figueiredo é um devastador ajuste de contas com a situação colonial. Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O “melhor” de Moçambique ficava co m os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livr o é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portu gal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalh os subalternos e mal-remunerados destinados aos locais, o racismo. Autora da FLIP 2018.

Caderno de memórias coloniais

Caderno de memórias coloniais

Ano:   Editora: Todavia

Tipo: novo

Idioma: Português

Authentic Livros Authentic Livros SP - São Paulo
99% Positivas
830 qualificações
R$ 43,92 + frete R$ 8,82

Total: R$ 52,74

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Obra-prima da literatura portuguesa de hoje, o livro de Isabela Figueiredo é um devastador ajuste de contas com a situação colonial. Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O “melhor” de Moçambique ficava co m os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livr o é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portu gal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalh os subalternos e mal-remunerados destinados aos locais, o racismo. Autora da FLIP 2018.

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

Ano:   Editora: Todavia Editora

Tipo: novo

Idioma: Português

Astro dos Livros 2 Astro dos Livros 2 SP - São Paulo
99% Positivas
97 qualificações
R$ 44,47 + frete R$ 9,93

Total: R$ 54,40

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O "melhor" de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalhos subalternos e malremunerados destinados aos locais, o racismo.

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

Ano:   Editora: Todavia Editora

Tipo: novo

Idioma: Português

Astro dos Livros Astro dos Livros SP - São Paulo
99% Positivas
154 qualificações
R$ 44,47 + frete R$ 9,93

Total: R$ 54,40

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O "melhor" de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalhos subalternos e malremunerados destinados aos locais, o racismo.

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

Ano:   Editora: Todavia Editora

Tipo: novo

Idioma: Português

Astro dos Livros 2 Astro dos Livros 2 SP - São Paulo
99% Positivas
97 qualificações
R$ 44,47 + frete R$ 9,93

Total: R$ 54,40

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O "melhor" de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalhos subalternos e malremunerados destinados aos locais, o racismo.

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

Ano:   Editora: Todavia Editora

Tipo: novo

Idioma: Português

Astro dos Livros Astro dos Livros SP - São Paulo
99% Positivas
154 qualificações
R$ 44,47 + frete R$ 9,93

Total: R$ 54,40

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O "melhor" de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalhos subalternos e malremunerados destinados aos locais, o racismo.

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

Ano:   Editora: Todavia Editora

Tipo: novo

Idioma: Português

Astro dos Livros Astro dos Livros SP - São Paulo
99% Positivas
154 qualificações
R$ 44,47 + frete R$ 9,93

Total: R$ 54,40

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O "melhor" de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalhos subalternos e malremunerados destinados aos locais, o racismo.

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

Ano:   Editora: Todavia Editora

Tipo: novo

Idioma: Português

Astro dos Livros Astro dos Livros SP - São Paulo
99% Positivas
154 qualificações
R$ 44,47 + frete R$ 9,93

Total: R$ 54,40

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O "melhor" de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalhos subalternos e malremunerados destinados aos locais, o racismo.

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

Ano:   Editora: Todavia Editora

Tipo: novo

Idioma: Português

Astro dos Livros Infinity Astro dos Livros Infinity SP - São Paulo
R$ 44,47 + frete R$ 9,93

Total: R$ 54,40

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O "melhor" de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalhos subalternos e malremunerados destinados aos locais, o racismo.

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

Ano:   Editora: Todavia Editora

Tipo: novo

Idioma: Português

Astro dos Livros 2 Astro dos Livros 2 SP - São Paulo
99% Positivas
97 qualificações
R$ 44,47 + frete R$ 9,93

Total: R$ 54,40

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O "melhor" de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalhos subalternos e malremunerados destinados aos locais, o racismo.

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

Ano:   Editora: Todavia Editora

Tipo: novo

Idioma: Português

Astro dos Livros Infinity Astro dos Livros Infinity SP - São Paulo
R$ 44,47 + frete R$ 9,93

Total: R$ 54,40

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O "melhor" de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalhos subalternos e malremunerados destinados aos locais, o racismo.

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

Ano:   Editora: Todavia Editora

Tipo: novo

Idioma: Português

Astro dos Livros Astro dos Livros SP - São Paulo
99% Positivas
154 qualificações
R$ 44,47 + frete R$ 9,93

Total: R$ 54,40

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O "melhor" de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalhos subalternos e malremunerados destinados aos locais, o racismo.

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

Ano:   Editora: Todavia Editora

Tipo: novo

Idioma: Português

Astro dos Livros Astro dos Livros SP - São Paulo
99% Positivas
154 qualificações
R$ 44,47 + frete R$ 9,93

Total: R$ 54,40

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O "melhor" de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalhos subalternos e malremunerados destinados aos locais, o racismo.

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

Ano:   Editora: Todavia Editora

Tipo: novo

Idioma: Português

Astro dos Livros 2 Astro dos Livros 2 SP - São Paulo
99% Positivas
97 qualificações
R$ 44,47 + frete R$ 9,93

Total: R$ 54,40

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O "melhor" de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalhos subalternos e malremunerados destinados aos locais, o racismo.

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

Ano:   Editora: Todavia Editora

Tipo: novo

Idioma: Português

Astro dos Livros Infinity Astro dos Livros Infinity SP - São Paulo
R$ 44,47 + frete R$ 9,93

Total: R$ 54,40

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O "melhor" de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalhos subalternos e malremunerados destinados aos locais, o racismo.

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

Ano:   Editora: Todavia Editora

Tipo: novo

Idioma: Português

Astro dos Livros 2 Astro dos Livros 2 SP - São Paulo
99% Positivas
97 qualificações
R$ 44,47 + frete R$ 9,93

Total: R$ 54,40

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O "melhor" de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalhos subalternos e malremunerados destinados aos locais, o racismo.

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

Ano:   Editora: Todavia Editora

Tipo: novo

Idioma: Português

Astro dos Livros Astro dos Livros SP - São Paulo
99% Positivas
154 qualificações
R$ 44,47 + frete R$ 9,93

Total: R$ 54,40

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O "melhor" de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalhos subalternos e malremunerados destinados aos locais, o racismo.

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

Ano:   Editora: Todavia Editora

Tipo: novo

Idioma: Português

Astro dos Livros Infinity Astro dos Livros Infinity SP - São Paulo
R$ 44,47 + frete R$ 9,93

Total: R$ 54,40

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O "melhor" de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalhos subalternos e malremunerados destinados aos locais, o racismo.

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

Ano:   Editora: Todavia Editora

Tipo: novo

Idioma: Português

Astro dos Livros 2 Astro dos Livros 2 SP - São Paulo
99% Positivas
97 qualificações
R$ 44,47 + frete R$ 9,93

Total: R$ 54,40

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O "melhor" de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalhos subalternos e malremunerados destinados aos locais, o racismo.

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

Ano:   Editora: Todavia Editora

Tipo: novo

Idioma: Português

Astro dos Livros Infinity Astro dos Livros Infinity SP - São Paulo
R$ 44,47 + frete R$ 9,93

Total: R$ 54,40

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O "melhor" de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalhos subalternos e malremunerados destinados aos locais, o racismo.

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

CADERNO DE MEMORIAS COLONIAIS

Ano:   Editora: Todavia Editora

Tipo: novo

Idioma: Português

Astro dos Livros 2 Astro dos Livros 2 SP - São Paulo
99% Positivas
97 qualificações
R$ 44,47 + frete R$ 9,93

Total: R$ 54,40

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Caderno de memórias coloniais foi publicado em 2009 em Portugal. Sucesso de público, foi saudado como uma obra-prima. E é de fato um genial acerto de contas da autora com o passado colonial de Portugal e com seu pai, um eletricista português radicado em Moçambique. O pai parece personificar Portugal: despreza e explora os nativos. O "melhor" de Moçambique ficava com os brancos: as boas praias, os bares, a vida cultural e social, as melhores oportunidades. Tudo isso é visto pelos olhos de Isabela, que lá nasceu em 1963 e teve que se mudar para Portugal nos anos 1970, durante o contexto da descolonização. O livro é uma espécie de Carta ao pai (de Kafka), um acerto de contas num texto que mescla memória, ensaio, observação pessoal e ficção. O livro tem origem num blog da autora, canal pioneiro para tentar trazer mais realidade à narrativa edulcorada do Portugal africano. Até então, havia uma enxurrada de memórias cor de rosa e piedosas de brancos que nasceram e cresceram nas colônias portuguesas e que nunca tratavam das questões reais e duras do passado: a exclusão da população local (negra), os trabalhos subalternos e malremunerados destinados aos locais, o racismo.

Avaliações do livro

Ainda não há avaliações para este título, seja o primeiro a avaliar.

Avalie o livro