A Compra Garantida Estante Virtual é uma garantia de que você receberá a encomenda ou o reembolso do valor da sua compra. Saiba mais aqui.

  • 1.350 sebos e livreiros
  • Qualificações positivas dos livreiros
  • Maior acervo do mundo em língua portuguesa
filtros
Para Que Todos Entendais Poesia Atribuida a Gregorio de Matos e Gue Capa ilustrativa

Para Que Todos Entendais Poesia Atribuida A Gregorio De Matos E Gue...

Gregorio De Matos

Estatísticas de venda deste livro

Último vendido Nos últimos 3 meses
Vendidos
Preço médio R$ " + data.stats.mean + "
Menor preço R$ " + data.stats.min + "
Maior preço R$ " + data.stats.max + "

Esta informação aparece apenas para usuários logados como livreiros.

Para Que Todos Entendais. Poesia Atribuída A Gregório de Matos e Guerra - Vol. 5

Refinar resultado

17 livros novos em 3 vendedores

Exibindo todas as publicações encontradas. Filtre pelas mais recentesRemover filtro
Para Que Todos Entendais. Poesia Atribuída A Gregório de Matos e Guerra - Vol. 5

Para Que Todos Entendais. Poesia Atribuída A Gregório de Matos e Guerra - Vol. 5

Ano:   Editora: Autentica Editora Lt

Tipo: novo

Idioma: Português

Livraria Cultura Livraria Cultura SP - São Paulo
99% Positivas
826 qualificações
R$ 40,90 + frete R$ 8,82

Total: R$ 49,72

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Na Poética, 1449, 5, Aristóteles fala brevemente sobre o cômico: “A comédia é a imitação de homens de qualidade moral inferior, não em toda espécie de vício, mas no domínio do ridículo, que é uma parte do feio. POrque o ridículo é uma feiura sem dor nem dano; assim, por exemplo, a máscara cômica é feia e disforme sem expressão de dor”. O Trecho refere o feio em geral, aiskhrón, para especificar um subgênero dele, gheloion, que a latinidade e autores dos séculos XVI, XVII e XVIII chamaram de ridiculum, ridículo. O Exemplo da máscara teatral sintetiza dois elementos que definem o feio: a deformação inofensiva, que é tratada ironicamente como gheloion, ridículo; a deformação nociva, tratada agressivamente com psógos, maledicência. NOs dois casos, a definição do cômico como deformação pressupõe o conceito grego e latino do belo-bom como unidade racional sem deformação e mistura. SEnsivelmente, a feiura é deformação do belo-bom; moralmente, é vício e, intelectualmente, erro. A Matéria geral dos poemas cômicos do Códice Asensio-Cunha é a feiura física, do corpo, e a feiura moral, da alma. A Feiura do corpo corresponde a inumeráveis espécies de deformações e misturas; a da alma divide-se em duas, estupidez e maldade. NOs poemas, a feiura física metaforiza a feiura moral de vícios fracos, ridicularizados, e vícios fortes, vituperados com maledicência.

Para Que Todos Entendais. Poesia Atribuída A Gregório de Matos e Guerra - Vol. 5

Para Que Todos Entendais. Poesia Atribuída A Gregório de Matos e Guerra - Vol. 5

Ano:   Editora: Autentica Editora Lt

Tipo: novo

Idioma: Português

Livraria Cultura Livraria Cultura SP - São Paulo
99% Positivas
826 qualificações
R$ 40,90 + frete R$ 8,82

Total: R$ 49,72

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Na Poética, 1449, 5, Aristóteles fala brevemente sobre o cômico: “A comédia é a imitação de homens de qualidade moral inferior, não em toda espécie de vício, mas no domínio do ridículo, que é uma parte do feio. POrque o ridículo é uma feiura sem dor nem dano; assim, por exemplo, a máscara cômica é feia e disforme sem expressão de dor”. O Trecho refere o feio em geral, aiskhrón, para especificar um subgênero dele, gheloion, que a latinidade e autores dos séculos XVI, XVII e XVIII chamaram de ridiculum, ridículo. O Exemplo da máscara teatral sintetiza dois elementos que definem o feio: a deformação inofensiva, que é tratada ironicamente como gheloion, ridículo; a deformação nociva, tratada agressivamente com psógos, maledicência. NOs dois casos, a definição do cômico como deformação pressupõe o conceito grego e latino do belo-bom como unidade racional sem deformação e mistura. SEnsivelmente, a feiura é deformação do belo-bom; moralmente, é vício e, intelectualmente, erro. A Matéria geral dos poemas cômicos do Códice Asensio-Cunha é a feiura física, do corpo, e a feiura moral, da alma. A Feiura do corpo corresponde a inumeráveis espécies de deformações e misturas; a da alma divide-se em duas, estupidez e maldade. NOs poemas, a feiura física metaforiza a feiura moral de vícios fracos, ridicularizados, e vícios fortes, vituperados com maledicência.

Para Que Todos Entendais. Poesia Atribuída A Gregório de Matos e Guerra - Vol. 5

Para Que Todos Entendais. Poesia Atribuída A Gregório de Matos e Guerra - Vol. 5

Ano:   Editora: Autentica Editora Lt

Tipo: novo

Idioma: Português

Livraria Cultura Livraria Cultura SP - São Paulo
99% Positivas
826 qualificações
R$ 40,90 + frete R$ 8,82

Total: R$ 49,72

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Na Poética, 1449, 5, Aristóteles fala brevemente sobre o cômico: “A comédia é a imitação de homens de qualidade moral inferior, não em toda espécie de vício, mas no domínio do ridículo, que é uma parte do feio. POrque o ridículo é uma feiura sem dor nem dano; assim, por exemplo, a máscara cômica é feia e disforme sem expressão de dor”. O Trecho refere o feio em geral, aiskhrón, para especificar um subgênero dele, gheloion, que a latinidade e autores dos séculos XVI, XVII e XVIII chamaram de ridiculum, ridículo. O Exemplo da máscara teatral sintetiza dois elementos que definem o feio: a deformação inofensiva, que é tratada ironicamente como gheloion, ridículo; a deformação nociva, tratada agressivamente com psógos, maledicência. NOs dois casos, a definição do cômico como deformação pressupõe o conceito grego e latino do belo-bom como unidade racional sem deformação e mistura. SEnsivelmente, a feiura é deformação do belo-bom; moralmente, é vício e, intelectualmente, erro. A Matéria geral dos poemas cômicos do Códice Asensio-Cunha é a feiura física, do corpo, e a feiura moral, da alma. A Feiura do corpo corresponde a inumeráveis espécies de deformações e misturas; a da alma divide-se em duas, estupidez e maldade. NOs poemas, a feiura física metaforiza a feiura moral de vícios fracos, ridicularizados, e vícios fortes, vituperados com maledicência.

Para Que Todos Entendais. Poesia Atribuída A Gregório de Matos e Guerra - Vol. 5

Para Que Todos Entendais. Poesia Atribuída A Gregório de Matos e Guerra - Vol. 5

Ano:   Editora: Autentica Editora Lt

Tipo: novo

Idioma: Português

Livraria Cultura Livraria Cultura SP - São Paulo
99% Positivas
826 qualificações
R$ 40,90 + frete R$ 8,82

Total: R$ 49,72

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Na Poética, 1449, 5, Aristóteles fala brevemente sobre o cômico: “A comédia é a imitação de homens de qualidade moral inferior, não em toda espécie de vício, mas no domínio do ridículo, que é uma parte do feio. POrque o ridículo é uma feiura sem dor nem dano; assim, por exemplo, a máscara cômica é feia e disforme sem expressão de dor”. O Trecho refere o feio em geral, aiskhrón, para especificar um subgênero dele, gheloion, que a latinidade e autores dos séculos XVI, XVII e XVIII chamaram de ridiculum, ridículo. O Exemplo da máscara teatral sintetiza dois elementos que definem o feio: a deformação inofensiva, que é tratada ironicamente como gheloion, ridículo; a deformação nociva, tratada agressivamente com psógos, maledicência. NOs dois casos, a definição do cômico como deformação pressupõe o conceito grego e latino do belo-bom como unidade racional sem deformação e mistura. SEnsivelmente, a feiura é deformação do belo-bom; moralmente, é vício e, intelectualmente, erro. A Matéria geral dos poemas cômicos do Códice Asensio-Cunha é a feiura física, do corpo, e a feiura moral, da alma. A Feiura do corpo corresponde a inumeráveis espécies de deformações e misturas; a da alma divide-se em duas, estupidez e maldade. NOs poemas, a feiura física metaforiza a feiura moral de vícios fracos, ridicularizados, e vícios fortes, vituperados com maledicência.

Para Que Todos Entendais. Poesia Atribuída A Gregório de Matos e Guerra - Vol. 5

Para Que Todos Entendais. Poesia Atribuída A Gregório de Matos e Guerra - Vol. 5

Ano:   Editora: Autentica Editora Lt

Tipo: novo

Idioma: Português

Livraria Cultura Livraria Cultura SP - São Paulo
99% Positivas
826 qualificações
R$ 40,90 + frete R$ 8,82

Total: R$ 49,72

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Na Poética, 1449, 5, Aristóteles fala brevemente sobre o cômico: “A comédia é a imitação de homens de qualidade moral inferior, não em toda espécie de vício, mas no domínio do ridículo, que é uma parte do feio. POrque o ridículo é uma feiura sem dor nem dano; assim, por exemplo, a máscara cômica é feia e disforme sem expressão de dor”. O Trecho refere o feio em geral, aiskhrón, para especificar um subgênero dele, gheloion, que a latinidade e autores dos séculos XVI, XVII e XVIII chamaram de ridiculum, ridículo. O Exemplo da máscara teatral sintetiza dois elementos que definem o feio: a deformação inofensiva, que é tratada ironicamente como gheloion, ridículo; a deformação nociva, tratada agressivamente com psógos, maledicência. NOs dois casos, a definição do cômico como deformação pressupõe o conceito grego e latino do belo-bom como unidade racional sem deformação e mistura. SEnsivelmente, a feiura é deformação do belo-bom; moralmente, é vício e, intelectualmente, erro. A Matéria geral dos poemas cômicos do Códice Asensio-Cunha é a feiura física, do corpo, e a feiura moral, da alma. A Feiura do corpo corresponde a inumeráveis espécies de deformações e misturas; a da alma divide-se em duas, estupidez e maldade. NOs poemas, a feiura física metaforiza a feiura moral de vícios fracos, ridicularizados, e vícios fortes, vituperados com maledicência.

Para Que Todos Entendais Poesia Atribuída a Gregório de Matos e Guerra - Vol.5

Para Que Todos Entendais Poesia Atribuída a Gregório de Matos e Guerra - Vol.5

Ano:   Editora: Autentica

Tipo: novo

Idioma: Português

Authentic Livros Authentic Livros SP - São Paulo
100% Positivas
285 qualificações
R$ 47,84 + frete R$ 13,56

Total: R$ 61,40

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Na Poética, 1449, 5, Aristóteles fala brevemente sobre o cômico - ´A comédia é a imitação de homens de qualidade moral inferior, não em toda espécie de vício, mas no domínio do ridículo, que é uma parte do feio. Porque o ridículo é uma feiura sem dor nem dano assim, por exemplo, a máscara cômica é feia e disforme sem expressão de dor´. O trecho refere o feio em geral, aiskhrón, para especificar um subgênero dele, gheloion, que a latinidade e autores dos séculos XVI, XVII e XVIII chamaram de rid iculum, ridículo. O exemplo da máscara teatral sintetiza dois elementos que definem o feio - a deformação inofensiva, que é tratada ironicamente como gheloion, ridículo a deformação nociva, tratada agressivamente com psógos, maledicência. Nos dois c asos, a definição do cômico como deformação pressupõe o conceito grego e latino do belo-bom como unidade racional sem deformação e mistura. Sensivelmente, a feiura é deformação do belo-bom moralmente, é vício e, intelectualmente, erro. A matéria ger al dos poemas cômicos do Códice Asensio-Cunha é a feiura física, do corpo, e a feiura moral, da alma. A feiura do corpo corresponde a inumeráveis espécies de deformações e misturas a da alma divide-se em duas, estupidez e maldade. Nos poemas, a feiu ra física metaforiza a feiura moral de vícios fracos, ridicularizados, e vícios fortes, vituperados com maledicência.

Para Que Todos Entendais Poesia Atribuída a Gregório de Matos e Guerra - Vol.5 Capa ilustrativa

Para Que Todos Entendais Poesia Atribuída a Gregório de Matos e Guerra - Vol.5

Ano:   Editora: Autentica

Tipo: novo

Idioma: Não Informado

Livraria Livro Vivo Livraria Livro Vivo SP - São Paulo
97% Positivas
613 qualificações
R$ 59,20 + frete R$ 14,08

Total: R$ 73,28

Comprar ler descrição ocultar

Descrição livro novo nunca manuseado a

Avaliações do livro

Ainda não há avaliações para este título, seja o primeiro a avaliar.

Avalie o livro