A Compra Garantida Estante Virtual é uma garantia de que você receberá a encomenda ou o reembolso do valor da sua compra. Saiba mais aqui.

  • 1.350 sebos e livreiros
  • Qualificações positivas dos livreiros
  • Maior acervo do mundo em língua portuguesa
filtros
Os Cangaceiros Ensaio de Interpretacao Historica Capa ilustrativa

Os Cangaceiros Ensaio de Interpretação Histórica

Luiz Bernardo Pericás

O fenômeno do cangaço “independente”, que começou na segunda metade do século XIX e durou até cerca de 1940, tendo sido extensamente estudado por diversos autores. No entanto, boa parte destas obras é de caráter basicamente narrativo e por vezes, escrita em linguagem quase literária. O historiador Luiz Bernardo Pericás foi além da constatação desta lacuna bibliográfica. O resultado desse trabalho é agora publicado pela Boitempo no livro Os cangaceiros – ensaio de interpretação histórica, no qual analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Corisco e Lampião. Para o historiador João José Reis, “há tempos precisávamos de um livro que fizesse um balanço exaustivo do que se escreveu sobre este fascinante fenômeno social e cultural do Brasil no século passado. Luiz Bernardo Pericás revira uma vasta bibliografia sobre o cangaço para estabelecer uma certa ordem, e um método, na discussão e compreensão do mundo de Lampião e outros cangaceiros O livro eleva a análise do cangaço a um patamar superior e serve como inspiração para se pensar outros tipos de banditismo, inclusive nos dias que correm”. O tema – já retratado de forma literária por autores como Graciliano Ramos e José Lins do Rego – é desenvolvido à luz de uma abordagem multidimensional, que toma a estrutura agrária sertaneja “como um forte elo entre a base econômica mais ampla e a superestrutura”, mas não se atém somente a uma interpretação economicista, investigando outros níveis para traçar um quadro complexo do banditismo rural nordestino. Como aponta na orelha o também historiador Lincoln Secco, na história do Nordeste brasileiro “o cangaço apareceu como a forma pela qual se moviam as contradições típicas de uma sociedade formada por populações errantes, pobres e vitimadas pelo mandonismo local e marcada pela instabilidade”. Segundo Secco, “as vivas descrições geográficas revelam que o autor realmente percorreu o sertão nordestino”, relatando “os casos de violência, torturas, as relações amorosas, o cotidiano, o papel das mulheres e das crianças, a questão racial, os hábitos alimentares, as relações políticas, o coronelismo, as formas de combate, os armamentos e até as malogradas tentativas dos comunistas em dar uma direção programática para aquela forma de banditismo”. Fechar Ler mais

O fenômeno do cangaço “independente”, que começou na segunda metade do século XIX e durou até cerca de 1940, tendo sido ex tensamente estudado por diversos autores. No entanto, boa parte destas obras é de caráter basicamente narrativo e por vezes, escrita em linguagem quase literária. O historiador Luiz Bernardo Pericás foi além da constatação desta lacuna bibliográfica. O resultado desse trabalho é agora publicado pela Boitempo no livro Os cangaceiros – ensaio de interpretação histórica, no qual analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Corisco e Lampião. Para o historiador João José Reis, “há tempos precisávamos de um livro que fizesse um balanço exaustivo do que se escreveu sobre este fascinante fenômeno social e cultural do Brasil no século passado. Luiz Bernardo Pericás revira uma vasta bibliografia sobre o cangaço para estabelecer uma certa ordem, e um método, na discussão e compreensão do mundo de Lampião e outros cangaceiros O livro eleva a análise do cangaço a um patamar superior e serve como inspiração para se pensar outros tipos de banditismo, inclusive nos dias que correm”. O tema – já retratado de forma literária por autores como Graciliano Ramos e José Lins do Rego – é desenvolvido à luz de uma abordagem multidimensional, que toma a estrutura agrária sertaneja “como um forte elo entre a base econômica mais ampla e a superestrutura”, mas não se atém somente a uma interpretação economicista, investigando outros níveis para traçar um quadro complexo do banditismo rural nordestino. Como aponta na orelha o também historiador Lincoln Secco, na história do Nordeste brasileiro “o cangaço apareceu como a forma pela qual se moviam as contradições típicas de uma sociedade formada por populações errantes, pobres e vitimadas pelo mandonismo local e marcada pela instabilidade”. Segundo Secco, “as vivas descrições geográficas revelam que o autor realmente percorreu o sertão nordestino”, relatando “os casos de violência, torturas, as relações amorosas, o cotidiano, o papel das mulheres e das crianças, a questão racial, os hábitos alimentares, as relações políticas, o coronelismo, as formas de combate, os armamentos e até as malogradas tentativas dos comunistas em dar uma direção programática para aquela forma de banditismo”. Fechar Ler mais

Estatísticas de venda deste livro

Último vendido Nos últimos 3 meses
Vendidos
Preço médio R$ " + data.stats.mean + "
Menor preço R$ " + data.stats.min + "
Maior preço R$ " + data.stats.max + "

Esta informação aparece apenas para usuários logados como livreiros.

Os Cangaceiros - Ensaio de Interpretação Histórica

Capa ilustrativa

29 livros novos e 8 livros usados em 17 vendedores

Exibindo todas as publicações encontradas. Filtre pelas mais recentesRemover filtro
Os Cangaceiros - Ensaio de Interpretação Histórica Capa ilustrativa

Os Cangaceiros - Ensaio de Interpretação Histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: seminovo/usado

Livraria Marcultural Livraria Marcultural SP - São Paulo
99% Positivas
72 qualificações
R$ 30,00 + frete R$ 11,05

Total: R$ 41,05

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Bom estado, sem anotações, 320 págs, 16x23cm. Poucas manchas claras de umidade e mofo. Texto em ótimo estado.

Os Cangaceiros

Os Cangaceiros

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: seminovo/usado

Sebo da Vila Sebo da Vila SP - São Paulo
99% Positivas
105 qualificações
R$ 30,00 + frete R$ 11,05

Total: R$ 41,05

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Livro em bom estado de conservação; Sem grifos, marcas ou anotações.

Os Cangaceiros Ensaio de Interpretação Histórica

Os Cangaceiros Ensaio de Interpretação Histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: seminovo/usado

Amantes do Livro Amantes do Livro SP - São Paulo
97% Positivas
154 qualificações
R$ 29,99 + frete R$ 13,26

Total: R$ 43,25

Comprar ler descrição ocultar

Descrição 318 páginas usado em excelente estado

Os cangaceiros ensaios de interpretação Histórica Capa ilustrativa

Os cangaceiros ensaios de interpretação Histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: seminovo/usado

Sebo Embu das Artes Sebo Embu das Artes SP - São Paulo
99% Positivas
82 qualificações
R$ 45,00 Frete grátis
Comprar ler descrição ocultar

Descrição Livro em bom estado, sem anotações ou rasuras.

Os Cangaceiros Ensaio de Interpretação Histórica

Os Cangaceiros Ensaio de Interpretação Histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: novo

CABRERA LIVROS CABRERA LIVROS SP - São Paulo
100% Positivas
46 qualificações
R$ 50,00 Frete grátis
Comprar ler descrição ocultar

Descrição LIVRO, SEM USO 320 pgs brochura Obs == Capa Com Vinco Porque Caiu ==Os cangaceiros - ensaio de interpretação histórica analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Ângelo Roque, Jararaca, Corisco e Lampião

Os Cangaceiros Ensaio de Interpretação Histórica

Os Cangaceiros Ensaio de Interpretação Histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: novo

CABRERA LIVROS CABRERA LIVROS SP - São Paulo
100% Positivas
46 qualificações
R$ 50,00 Frete grátis
Comprar ler descrição ocultar

Descrição LIVRO, SEM USO 320 pgs brochura Obs == Capa Com Vinco Porque Caiu ==Os cangaceiros - ensaio de interpretação histórica analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Ângelo Roque, Jararaca, Corisco e Lampião

Os Cangaceiros

Os Cangaceiros

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: seminovo/usado

Atalho Literário Atalho Literário RS - Canoas
96% Positivas
97 qualificações
R$ 40,00 + frete R$ 10,16

Total: R$ 50,16

Comprar ler descrição ocultar

Descrição b46

Os Cangaceiros: Ensaio de Interpretação Histórica

Os Cangaceiros: Ensaio de Interpretação Histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: seminovo/usado

Livraria Melo Martins Livraria Melo Martins SP - São Paulo
100% Positivas
195 qualificações
R$ 40,00 + frete R$ 10,53

Total: R$ 50,53

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Ano da publicação: 2010; Livro em bom estado de conservação, brochura, formato 16 x 23 cm, 318 páginas, capa e miolo ok, apresenta grifos á lápis em algumas poucas páginas, sem prejuízo ao texto, páginas amareladas devido ação do tempo. - 20162874

Os cangaceiros : ensaios de interpretação histórica Capa ilustrativa

Os cangaceiros : ensaios de interpretação histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: novo

Klaxon Livros Klaxon Livros SP - São Paulo
98% Positivas
1441 qualificações
R$ 41,30 + frete R$ 10,16

Total: R$ 51,46

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Livro novo - L2. ISBN 9788575591611. Dimensão 16,0 x 23,0, 320 pág. Sinopse: O fenômeno do cangaço independente, que começou na segunda metade do século XIX e durou até cerca de 1940, tendo sido extensamente estudado por diversos autores. No entanto, boa parte destas obras é de caráter basicamente narrativo e por vezes, escrita em linguagem quase literária. O historiador Luiz Bernardo Pericás foi além da constatação desta lacuna bibliográfica. O resultado desse trabalho é agora publicado pela Boitempo no livro Os cangaceiros - ensaio de interpretação histórica, no qual analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Corisco e Lampião. Para o historiador João José Reis, há tempos precisávamos de um livro que fizess

Os cangaceiros : ensaios de interpretação histórica Capa ilustrativa

Os cangaceiros : ensaios de interpretação histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: novo

Klaxon Livros Klaxon Livros SP - São Paulo
98% Positivas
1441 qualificações
R$ 41,30 + frete R$ 10,16

Total: R$ 51,46

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Livro novo - L2. ISBN 9788575591611. Dimensão 16,0 x 23,0, 320 pág. Sinopse: O fenômeno do cangaço independente, que começou na segunda metade do século XIX e durou até cerca de 1940, tendo sido extensamente estudado por diversos autores. No entanto, boa parte destas obras é de caráter basicamente narrativo e por vezes, escrita em linguagem quase literária. O historiador Luiz Bernardo Pericás foi além da constatação desta lacuna bibliográfica. O resultado desse trabalho é agora publicado pela Boitempo no livro Os cangaceiros - ensaio de interpretação histórica, no qual analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Corisco e Lampião. Para o historiador João José Reis, há tempos precisávamos de um livro que fizess

Os cangaceiros : ensaios de interpretação histórica Capa ilustrativa

Os cangaceiros : ensaios de interpretação histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: novo

Klaxon Livros Klaxon Livros SP - São Paulo
98% Positivas
1441 qualificações
R$ 41,30 + frete R$ 10,16

Total: R$ 51,46

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Livro novo - L2. ISBN 9788575591611. Dimensão 16,0 x 23,0, 320 pág. Sinopse: O fenômeno do cangaço independente, que começou na segunda metade do século XIX e durou até cerca de 1940, tendo sido extensamente estudado por diversos autores. No entanto, boa parte destas obras é de caráter basicamente narrativo e por vezes, escrita em linguagem quase literária. O historiador Luiz Bernardo Pericás foi além da constatação desta lacuna bibliográfica. O resultado desse trabalho é agora publicado pela Boitempo no livro Os cangaceiros - ensaio de interpretação histórica, no qual analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Corisco e Lampião. Para o historiador João José Reis, há tempos precisávamos de um livro que fizess

Os cangaceiros : ensaios de interpretação histórica Capa ilustrativa

Os cangaceiros : ensaios de interpretação histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: novo

Klaxon Livros Klaxon Livros SP - São Paulo
98% Positivas
1441 qualificações
R$ 41,30 + frete R$ 10,16

Total: R$ 51,46

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Livro novo - L2. ISBN 9788575591611. Dimensão 16,0 x 23,0, 320 pág. Sinopse: O fenômeno do cangaço independente, que começou na segunda metade do século XIX e durou até cerca de 1940, tendo sido extensamente estudado por diversos autores. No entanto, boa parte destas obras é de caráter basicamente narrativo e por vezes, escrita em linguagem quase literária. O historiador Luiz Bernardo Pericás foi além da constatação desta lacuna bibliográfica. O resultado desse trabalho é agora publicado pela Boitempo no livro Os cangaceiros - ensaio de interpretação histórica, no qual analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Corisco e Lampião. Para o historiador João José Reis, há tempos precisávamos de um livro que fizess

Os cangaceiros : ensaios de interpretação histórica Capa ilustrativa

Os cangaceiros : ensaios de interpretação histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: novo

Klaxon Livros Klaxon Livros SP - São Paulo
98% Positivas
1441 qualificações
R$ 41,30 + frete R$ 10,16

Total: R$ 51,46

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Livro novo - L2. ISBN 9788575591611. Dimensão 16,0 x 23,0, 320 pág. Sinopse: O fenômeno do cangaço independente, que começou na segunda metade do século XIX e durou até cerca de 1940, tendo sido extensamente estudado por diversos autores. No entanto, boa parte destas obras é de caráter basicamente narrativo e por vezes, escrita em linguagem quase literária. O historiador Luiz Bernardo Pericás foi além da constatação desta lacuna bibliográfica. O resultado desse trabalho é agora publicado pela Boitempo no livro Os cangaceiros - ensaio de interpretação histórica, no qual analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Corisco e Lampião. Para o historiador João José Reis, há tempos precisávamos de um livro que fizess

Os Cangaceiros Ensaio de Interpretação Histórica

Os Cangaceiros Ensaio de Interpretação Histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: novo

Andorra Livros Andorra Livros SP - São Paulo
100% Positivas
32 qualificações
R$ 42,00 + frete R$ 10,53

Total: R$ 52,53

Comprar ler descrição ocultar

Descrição LIVRO NOVO - O fenômeno do cangaço “independente”, que começou na segunda metade do século XIX e durou até cerca de 1940, tendo sido extensamente estudado por diversos autores. No entanto, boa parte destas obras é de caráter basicamente narrativo e por vezes, escrita em linguagem quase literária. O historiador Luiz Bernardo Pericás foi além da constatação desta lacuna bibliográfica. O resultado desse trabalho é agora publicado pela Boitempo no livro Os cangaceiros – ensaio de interpretação histórica, no qual analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Corisco e Lampião. Cod. 342

Os Cangaceiros Ensaio de Interpretação Histórica

Os Cangaceiros Ensaio de Interpretação Histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: novo

Andorra Livros Andorra Livros SP - São Paulo
100% Positivas
32 qualificações
R$ 42,00 + frete R$ 10,53

Total: R$ 52,53

Comprar ler descrição ocultar

Descrição LIVRO NOVO - O fenômeno do cangaço “independente”, que começou na segunda metade do século XIX e durou até cerca de 1940, tendo sido extensamente estudado por diversos autores. No entanto, boa parte destas obras é de caráter basicamente narrativo e por vezes, escrita em linguagem quase literária. O historiador Luiz Bernardo Pericás foi além da constatação desta lacuna bibliográfica. O resultado desse trabalho é agora publicado pela Boitempo no livro Os cangaceiros – ensaio de interpretação histórica, no qual analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Corisco e Lampião. Cod. 341

Os Cangaceiros Ensaio de Interpretação Histórica

Os Cangaceiros Ensaio de Interpretação Histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: novo

Andorra Livros Andorra Livros SP - São Paulo
100% Positivas
32 qualificações
R$ 42,00 + frete R$ 10,53

Total: R$ 52,53

Comprar ler descrição ocultar

Descrição LIVRO NOVO - O fenômeno do cangaço “independente”, que começou na segunda metade do século XIX e durou até cerca de 1940, tendo sido extensamente estudado por diversos autores. No entanto, boa parte destas obras é de caráter basicamente narrativo e por vezes, escrita em linguagem quase literária. O historiador Luiz Bernardo Pericás foi além da constatação desta lacuna bibliográfica. O resultado desse trabalho é agora publicado pela Boitempo no livro Os cangaceiros – ensaio de interpretação histórica, no qual analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Corisco e Lampião. Cod. 342

Os Cangaceiros Ensaio de Interpretação Histórica

Os Cangaceiros Ensaio de Interpretação Histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: novo

Só Livros Só Livros SP - São Paulo
98% Positivas
269 qualificações
R$ 44,25 + frete R$ 9,10

Total: R$ 53,35

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Os cangaceiros - ensaio de interpretação histórica analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Ângelo Roque, Jararaca, Corisco e Lampião.

Os Cangaceiros Ensaio de Interpretação Histórica

Os Cangaceiros Ensaio de Interpretação Histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: novo

Sebo Atitude Sebo Atitude SP - São Paulo
100% Positivas
35 qualificações
R$ 53,99 Frete grátis
Comprar ler descrição ocultar

Descrição LIVRO, SEM USO 320 pgs brochura Obs == Capa Com Vinco Porque Caiu ==Os cangaceiros - ensaio de interpretação histórica analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Ângelo Roque, Jararaca, Corisco e Lampião

Os Cangaceiros: Ensaio de Interpretação Histórica

Os Cangaceiros: Ensaio de Interpretação Histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: novo

Livros Online Livros Online SP - São Paulo
97% Positivas
460 qualificações
R$ 45,90 + frete R$ 9,63

Total: R$ 55,53

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Cangaceiros: Ensaio de Interpretação Histórica, OsO fenômeno do cangaço “independente” (em oposição ao banditismo vinculado a “coronéis” do sertão) começou na segunda metade do século XIX e durou até cerca de 1940, tendo sido extensamente estudado por diversos autores. No entanto, a maior parte destas obras é de “caráter basicamente narrativo”, escritas no calor do momento, em “linguagem quase literária (e, por vezes, preconceituosa) ou então para justificar certos posicionamentos”, avalia o historiador Luiz Bernardo Pericás. Pericás foi além da constatação desta lacuna bibliográfica, foi a campo. O resultado desse trabalho é agora publicado pela Boitempo no livro Os cangaceiros – ensaio de interpretação histórica, no qual analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Ângelo Roque, Jararaca, Corisco e Lampião. O tema – já retratado por autores como Graciliano Ramos e José Lins do Rego e mesmo pelo pintor Di Cavalcanti – é desenvolvido à luz de uma abordagem multidimensional, que toma a estrutura agrária sertaneja “como um forte elo entre a base econômica mais ampla e a superestrutura”, mas não se atém somente a uma interpretação economicista, investigando outros níveis para traçar um quadro complexo do banditismo rural nordestino. A influência de outras culturas, como a indígena, a portuguesa e a sertaneja, e o ambiente político e institucional, são elementos considerados no ensaio, assim como os discursos que permeavam as diversas camadas sociais da região. Como aponta na orelha o também historiador Lincoln Secco, na história do Nordeste brasileiro “o cangaço apareceu como a forma pela qual se moviam as contradições típicas de uma sociedade formada por populações errantes, pobres e vitimadas pelo mandonismo local e marcada pela instabilidade”. Segundo Secco, “as vivas descrições geográficas revelam que o autor realmente percorreu o sertão nordestino”, relatando “os casos de violência, torturas, as relações amorosas, o cotidiano, o papel da

Os Cangaceiros: Ensaio de Interpretação Histórica

Os Cangaceiros: Ensaio de Interpretação Histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: novo

Livros Online Livros Online SP - São Paulo
97% Positivas
460 qualificações
R$ 45,90 + frete R$ 9,63

Total: R$ 55,53

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Cangaceiros: Ensaio de Interpretação Histórica, OsO fenômeno do cangaço “independente” (em oposição ao banditismo vinculado a “coronéis” do sertão) começou na segunda metade do século XIX e durou até cerca de 1940, tendo sido extensamente estudado por diversos autores. No entanto, a maior parte destas obras é de “caráter basicamente narrativo”, escritas no calor do momento, em “linguagem quase literária (e, por vezes, preconceituosa) ou então para justificar certos posicionamentos”, avalia o historiador Luiz Bernardo Pericás. Pericás foi além da constatação desta lacuna bibliográfica, foi a campo. O resultado desse trabalho é agora publicado pela Boitempo no livro Os cangaceiros – ensaio de interpretação histórica, no qual analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Ângelo Roque, Jararaca, Corisco e Lampião. O tema – já retratado por autores como Graciliano Ramos e José Lins do Rego e mesmo pelo pintor Di Cavalcanti – é desenvolvido à luz de uma abordagem multidimensional, que toma a estrutura agrária sertaneja “como um forte elo entre a base econômica mais ampla e a superestrutura”, mas não se atém somente a uma interpretação economicista, investigando outros níveis para traçar um quadro complexo do banditismo rural nordestino. A influência de outras culturas, como a indígena, a portuguesa e a sertaneja, e o ambiente político e institucional, são elementos considerados no ensaio, assim como os discursos que permeavam as diversas camadas sociais da região. Como aponta na orelha o também historiador Lincoln Secco, na história do Nordeste brasileiro “o cangaço apareceu como a forma pela qual se moviam as contradições típicas de uma sociedade formada por populações errantes, pobres e vitimadas pelo mandonismo local e marcada pela instabilidade”. Segundo Secco, “as vivas descrições geográficas revelam que o autor realmente percorreu o sertão nordestino”, relatando “os casos de violência, torturas, as relações amorosas, o cotidiano, o papel da

Os Cangaceiros: Ensaio de Interpretação Histórica

Os Cangaceiros: Ensaio de Interpretação Histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: novo

Livros Online Livros Online SP - São Paulo
97% Positivas
460 qualificações
R$ 45,90 + frete R$ 9,63

Total: R$ 55,53

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Cangaceiros: Ensaio de Interpretação Histórica, OsO fenômeno do cangaço “independente” (em oposição ao banditismo vinculado a “coronéis” do sertão) começou na segunda metade do século XIX e durou até cerca de 1940, tendo sido extensamente estudado por diversos autores. No entanto, a maior parte destas obras é de “caráter basicamente narrativo”, escritas no calor do momento, em “linguagem quase literária (e, por vezes, preconceituosa) ou então para justificar certos posicionamentos”, avalia o historiador Luiz Bernardo Pericás. Pericás foi além da constatação desta lacuna bibliográfica, foi a campo. O resultado desse trabalho é agora publicado pela Boitempo no livro Os cangaceiros – ensaio de interpretação histórica, no qual analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Ângelo Roque, Jararaca, Corisco e Lampião. O tema – já retratado por autores como Graciliano Ramos e José Lins do Rego e mesmo pelo pintor Di Cavalcanti – é desenvolvido à luz de uma abordagem multidimensional, que toma a estrutura agrária sertaneja “como um forte elo entre a base econômica mais ampla e a superestrutura”, mas não se atém somente a uma interpretação economicista, investigando outros níveis para traçar um quadro complexo do banditismo rural nordestino. A influência de outras culturas, como a indígena, a portuguesa e a sertaneja, e o ambiente político e institucional, são elementos considerados no ensaio, assim como os discursos que permeavam as diversas camadas sociais da região. Como aponta na orelha o também historiador Lincoln Secco, na história do Nordeste brasileiro “o cangaço apareceu como a forma pela qual se moviam as contradições típicas de uma sociedade formada por populações errantes, pobres e vitimadas pelo mandonismo local e marcada pela instabilidade”. Segundo Secco, “as vivas descrições geográficas revelam que o autor realmente percorreu o sertão nordestino”, relatando “os casos de violência, torturas, as relações amorosas, o cotidiano, o papel da

Os Cangaceiros: Ensaio de Interpretação Histórica

Os Cangaceiros: Ensaio de Interpretação Histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: novo

Livros Online Livros Online SP - São Paulo
97% Positivas
460 qualificações
R$ 45,90 + frete R$ 9,63

Total: R$ 55,53

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Cangaceiros: Ensaio de Interpretação Histórica, OsO fenômeno do cangaço “independente” (em oposição ao banditismo vinculado a “coronéis” do sertão) começou na segunda metade do século XIX e durou até cerca de 1940, tendo sido extensamente estudado por diversos autores. No entanto, a maior parte destas obras é de “caráter basicamente narrativo”, escritas no calor do momento, em “linguagem quase literária (e, por vezes, preconceituosa) ou então para justificar certos posicionamentos”, avalia o historiador Luiz Bernardo Pericás. Pericás foi além da constatação desta lacuna bibliográfica, foi a campo. O resultado desse trabalho é agora publicado pela Boitempo no livro Os cangaceiros – ensaio de interpretação histórica, no qual analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Ângelo Roque, Jararaca, Corisco e Lampião. O tema – já retratado por autores como Graciliano Ramos e José Lins do Rego e mesmo pelo pintor Di Cavalcanti – é desenvolvido à luz de uma abordagem multidimensional, que toma a estrutura agrária sertaneja “como um forte elo entre a base econômica mais ampla e a superestrutura”, mas não se atém somente a uma interpretação economicista, investigando outros níveis para traçar um quadro complexo do banditismo rural nordestino. A influência de outras culturas, como a indígena, a portuguesa e a sertaneja, e o ambiente político e institucional, são elementos considerados no ensaio, assim como os discursos que permeavam as diversas camadas sociais da região. Como aponta na orelha o também historiador Lincoln Secco, na história do Nordeste brasileiro “o cangaço apareceu como a forma pela qual se moviam as contradições típicas de uma sociedade formada por populações errantes, pobres e vitimadas pelo mandonismo local e marcada pela instabilidade”. Segundo Secco, “as vivas descrições geográficas revelam que o autor realmente percorreu o sertão nordestino”, relatando “os casos de violência, torturas, as relações amorosas, o cotidiano, o papel da

Os Cangaceiros: Ensaio de Interpretação Histórica

Os Cangaceiros: Ensaio de Interpretação Histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: novo

Livros Online Livros Online SP - São Paulo
97% Positivas
460 qualificações
R$ 45,90 + frete R$ 9,63

Total: R$ 55,53

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Cangaceiros: Ensaio de Interpretação Histórica, OsO fenômeno do cangaço “independente” (em oposição ao banditismo vinculado a “coronéis” do sertão) começou na segunda metade do século XIX e durou até cerca de 1940, tendo sido extensamente estudado por diversos autores. No entanto, a maior parte destas obras é de “caráter basicamente narrativo”, escritas no calor do momento, em “linguagem quase literária (e, por vezes, preconceituosa) ou então para justificar certos posicionamentos”, avalia o historiador Luiz Bernardo Pericás. Pericás foi além da constatação desta lacuna bibliográfica, foi a campo. O resultado desse trabalho é agora publicado pela Boitempo no livro Os cangaceiros – ensaio de interpretação histórica, no qual analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Ângelo Roque, Jararaca, Corisco e Lampião. O tema – já retratado por autores como Graciliano Ramos e José Lins do Rego e mesmo pelo pintor Di Cavalcanti – é desenvolvido à luz de uma abordagem multidimensional, que toma a estrutura agrária sertaneja “como um forte elo entre a base econômica mais ampla e a superestrutura”, mas não se atém somente a uma interpretação economicista, investigando outros níveis para traçar um quadro complexo do banditismo rural nordestino. A influência de outras culturas, como a indígena, a portuguesa e a sertaneja, e o ambiente político e institucional, são elementos considerados no ensaio, assim como os discursos que permeavam as diversas camadas sociais da região. Como aponta na orelha o também historiador Lincoln Secco, na história do Nordeste brasileiro “o cangaço apareceu como a forma pela qual se moviam as contradições típicas de uma sociedade formada por populações errantes, pobres e vitimadas pelo mandonismo local e marcada pela instabilidade”. Segundo Secco, “as vivas descrições geográficas revelam que o autor realmente percorreu o sertão nordestino”, relatando “os casos de violência, torturas, as relações amorosas, o cotidiano, o papel da

Os Cangaceiros - Ensaio de Interpretação Histórica

Os Cangaceiros - Ensaio de Interpretação Histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: novo

Livraria Machado de Assis Livraria Machado de Assis SP - São Carlos
97% Positivas
39 qualificações
R$ 44,80 + frete R$ 11,05

Total: R$ 55,85

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Postagem imediata !! - Novo ! - Em estoque - Sinopse: O fenômeno do cangaço "independente" (em oposição ao banditismo vinculado a "coronéis" do sertão) começou na segunda metade do século XIX e durou até cerca de 1940, tendo sido extensamente estudado por diversos autores. No entanto, a maior parte destas obras é de "caráter basicamente narrativo", escritas no calor do momento, em "linguagem quase literária (e, por vezes, preconceituosa) ou então para justificar certos posicionamentos", avalia o historiador Luiz Bernardo Pericás.

Os cangaceiros - Ensaio de interpretação histórica

Os cangaceiros - Ensaio de interpretação histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: novo

Livraria 30porcento Livraria 30porcento SP - São Paulo
100% Positivas
223 qualificações
R$ 48,52 + frete R$ 10,16

Total: R$ 58,68

Comprar ler descrição ocultar

Descrição O fenômeno do cangaço “independente”, que começou na segunda metade do século XIX e durou até cerca de 1940, tendo sido extensamente estudado por diversos autores. No entanto, boa parte destas obras é de caráter basicamente narrativo e por vezes, escrita em linguagem quase literária. O historiador Luiz Bernardo Pericás foi além da constatação desta lacuna bibliográfica. O resultado desse trabalho é agora publicado pela Boitempo no livro Os cangaceiros – ensaio de interpretação histórica, no qual analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Corisco e Lampião.

Para o historiador João José Reis, "há tempos precisávamos de um livro que fizesse um balanço exaustivo do que se escreveu sobre este fascinante fenômeno social e cultural do Brasil no século passado. Luiz Bernardo Pericás revira uma vasta bibliografia sobre o cangaço para estabelecer uma certa ordem, e um método, na discussão e compreensão do mundo de Lampião e outros cangaceiros... O livro eleva a análise do cangaço a um patamar superior e serve como inspiração para se pensar outros tipos de banditismo, inclusive nos dias que correm".

O tema – já retratado de forma literária por autores como Graciliano Ramos e José Lins do Rego – é desenvolvido à luz de uma abordagem multidimensional, que toma a estrutura agrária sertaneja “como um forte elo entre a base econômica mais ampla e a superestrutura”, mas não se atém somente a uma interpretação economicista, investigando outros níveis para traçar um quadro complexo do banditismo rural nordestino.

Como aponta na orelha o também historiador Lincoln Secco, na história do Nordeste brasileiro “o cangaço apareceu como a forma pela qual se moviam as contradições típicas de uma sociedade formada por populações errantes, pobres e vitimadas pelo mandonismo local e marcada pela instabilidade”. Segundo Secco, “as vivas descrições geográficas revelam que o autor realmente percorreu o sertão nordestino”, relatando “os casos de violência, torturas, as relações amorosas, o cotidiano, o papel das mulheres e das crianças, a questão racial, os hábitos alimentares, as relações políticas, o coronelismo, as formas de combate, os armamentos e até as malogradas tentativas dos comunistas em dar uma direção programática para aquela forma de banditismo”.

Sobre o autor

Luiz Bernardo Pericás é formado em História pela George Washington University, doutor em História Econômica pela USP e pós-doutor em Ciência Política pela FLACSO (México). Foi Visiting Scholar na Universidade do Texas. É também autor de Che Guevara: a luta revolucionária na Bolívia (Xamã, 1997), Um andarilho das Américas (Elevação, 2000), Che Guevara and the Economic Debate in Cuba (Atropos, 2009) e Mystery Train (Brasiliense, 2007).

Os cangaceiros - Ensaio de interpretação histórica

Os cangaceiros - Ensaio de interpretação histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: novo

Livraria 30porcento Livraria 30porcento SP - São Paulo
100% Positivas
223 qualificações
R$ 48,52 + frete R$ 10,16

Total: R$ 58,68

Comprar ler descrição ocultar

Descrição O fenômeno do cangaço “independente”, que começou na segunda metade do século XIX e durou até cerca de 1940, tendo sido extensamente estudado por diversos autores. No entanto, boa parte destas obras é de caráter basicamente narrativo e por vezes, escrita em linguagem quase literária. O historiador Luiz Bernardo Pericás foi além da constatação desta lacuna bibliográfica. O resultado desse trabalho é agora publicado pela Boitempo no livro Os cangaceiros – ensaio de interpretação histórica, no qual analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Corisco e Lampião.

Para o historiador João José Reis, "há tempos precisávamos de um livro que fizesse um balanço exaustivo do que se escreveu sobre este fascinante fenômeno social e cultural do Brasil no século passado. Luiz Bernardo Pericás revira uma vasta bibliografia sobre o cangaço para estabelecer uma certa ordem, e um método, na discussão e compreensão do mundo de Lampião e outros cangaceiros... O livro eleva a análise do cangaço a um patamar superior e serve como inspiração para se pensar outros tipos de banditismo, inclusive nos dias que correm".

O tema – já retratado de forma literária por autores como Graciliano Ramos e José Lins do Rego – é desenvolvido à luz de uma abordagem multidimensional, que toma a estrutura agrária sertaneja “como um forte elo entre a base econômica mais ampla e a superestrutura”, mas não se atém somente a uma interpretação economicista, investigando outros níveis para traçar um quadro complexo do banditismo rural nordestino.

Como aponta na orelha o também historiador Lincoln Secco, na história do Nordeste brasileiro “o cangaço apareceu como a forma pela qual se moviam as contradições típicas de uma sociedade formada por populações errantes, pobres e vitimadas pelo mandonismo local e marcada pela instabilidade”. Segundo Secco, “as vivas descrições geográficas revelam que o autor realmente percorreu o sertão nordestino”, relatando “os casos de violência, torturas, as relações amorosas, o cotidiano, o papel das mulheres e das crianças, a questão racial, os hábitos alimentares, as relações políticas, o coronelismo, as formas de combate, os armamentos e até as malogradas tentativas dos comunistas em dar uma direção programática para aquela forma de banditismo”.

Sobre o autor

Luiz Bernardo Pericás é formado em História pela George Washington University, doutor em História Econômica pela USP e pós-doutor em Ciência Política pela FLACSO (México). Foi Visiting Scholar na Universidade do Texas. É também autor de Che Guevara: a luta revolucionária na Bolívia (Xamã, 1997), Um andarilho das Américas (Elevação, 2000), Che Guevara and the Economic Debate in Cuba (Atropos, 2009) e Mystery Train (Brasiliense, 2007).

Os cangaceiros - Ensaio de interpretação histórica

Os cangaceiros - Ensaio de interpretação histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: novo

Livraria 30porcento Livraria 30porcento SP - São Paulo
100% Positivas
223 qualificações
R$ 48,52 + frete R$ 10,16

Total: R$ 58,68

Comprar ler descrição ocultar

Descrição O fenômeno do cangaço “independente”, que começou na segunda metade do século XIX e durou até cerca de 1940, tendo sido extensamente estudado por diversos autores. No entanto, boa parte destas obras é de caráter basicamente narrativo e por vezes, escrita em linguagem quase literária. O historiador Luiz Bernardo Pericás foi além da constatação desta lacuna bibliográfica. O resultado desse trabalho é agora publicado pela Boitempo no livro Os cangaceiros – ensaio de interpretação histórica, no qual analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Corisco e Lampião.

Para o historiador João José Reis, "há tempos precisávamos de um livro que fizesse um balanço exaustivo do que se escreveu sobre este fascinante fenômeno social e cultural do Brasil no século passado. Luiz Bernardo Pericás revira uma vasta bibliografia sobre o cangaço para estabelecer uma certa ordem, e um método, na discussão e compreensão do mundo de Lampião e outros cangaceiros... O livro eleva a análise do cangaço a um patamar superior e serve como inspiração para se pensar outros tipos de banditismo, inclusive nos dias que correm".

O tema – já retratado de forma literária por autores como Graciliano Ramos e José Lins do Rego – é desenvolvido à luz de uma abordagem multidimensional, que toma a estrutura agrária sertaneja “como um forte elo entre a base econômica mais ampla e a superestrutura”, mas não se atém somente a uma interpretação economicista, investigando outros níveis para traçar um quadro complexo do banditismo rural nordestino.

Como aponta na orelha o também historiador Lincoln Secco, na história do Nordeste brasileiro “o cangaço apareceu como a forma pela qual se moviam as contradições típicas de uma sociedade formada por populações errantes, pobres e vitimadas pelo mandonismo local e marcada pela instabilidade”. Segundo Secco, “as vivas descrições geográficas revelam que o autor realmente percorreu o sertão nordestino”, relatando “os casos de violência, torturas, as relações amorosas, o cotidiano, o papel das mulheres e das crianças, a questão racial, os hábitos alimentares, as relações políticas, o coronelismo, as formas de combate, os armamentos e até as malogradas tentativas dos comunistas em dar uma direção programática para aquela forma de banditismo”.

Sobre o autor

Luiz Bernardo Pericás é formado em História pela George Washington University, doutor em História Econômica pela USP e pós-doutor em Ciência Política pela FLACSO (México). Foi Visiting Scholar na Universidade do Texas. É também autor de Che Guevara: a luta revolucionária na Bolívia (Xamã, 1997), Um andarilho das Américas (Elevação, 2000), Che Guevara and the Economic Debate in Cuba (Atropos, 2009) e Mystery Train (Brasiliense, 2007).

Os cangaceiros - Ensaio de interpretação histórica

Os cangaceiros - Ensaio de interpretação histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: novo

Livraria 30porcento Livraria 30porcento SP - São Paulo
100% Positivas
223 qualificações
R$ 48,52 + frete R$ 10,16

Total: R$ 58,68

Comprar ler descrição ocultar

Descrição O fenômeno do cangaço “independente”, que começou na segunda metade do século XIX e durou até cerca de 1940, tendo sido extensamente estudado por diversos autores. No entanto, boa parte destas obras é de caráter basicamente narrativo e por vezes, escrita em linguagem quase literária. O historiador Luiz Bernardo Pericás foi além da constatação desta lacuna bibliográfica. O resultado desse trabalho é agora publicado pela Boitempo no livro Os cangaceiros – ensaio de interpretação histórica, no qual analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Corisco e Lampião.

Para o historiador João José Reis, "há tempos precisávamos de um livro que fizesse um balanço exaustivo do que se escreveu sobre este fascinante fenômeno social e cultural do Brasil no século passado. Luiz Bernardo Pericás revira uma vasta bibliografia sobre o cangaço para estabelecer uma certa ordem, e um método, na discussão e compreensão do mundo de Lampião e outros cangaceiros... O livro eleva a análise do cangaço a um patamar superior e serve como inspiração para se pensar outros tipos de banditismo, inclusive nos dias que correm".

O tema – já retratado de forma literária por autores como Graciliano Ramos e José Lins do Rego – é desenvolvido à luz de uma abordagem multidimensional, que toma a estrutura agrária sertaneja “como um forte elo entre a base econômica mais ampla e a superestrutura”, mas não se atém somente a uma interpretação economicista, investigando outros níveis para traçar um quadro complexo do banditismo rural nordestino.

Como aponta na orelha o também historiador Lincoln Secco, na história do Nordeste brasileiro “o cangaço apareceu como a forma pela qual se moviam as contradições típicas de uma sociedade formada por populações errantes, pobres e vitimadas pelo mandonismo local e marcada pela instabilidade”. Segundo Secco, “as vivas descrições geográficas revelam que o autor realmente percorreu o sertão nordestino”, relatando “os casos de violência, torturas, as relações amorosas, o cotidiano, o papel das mulheres e das crianças, a questão racial, os hábitos alimentares, as relações políticas, o coronelismo, as formas de combate, os armamentos e até as malogradas tentativas dos comunistas em dar uma direção programática para aquela forma de banditismo”.

Sobre o autor

Luiz Bernardo Pericás é formado em História pela George Washington University, doutor em História Econômica pela USP e pós-doutor em Ciência Política pela FLACSO (México). Foi Visiting Scholar na Universidade do Texas. É também autor de Che Guevara: a luta revolucionária na Bolívia (Xamã, 1997), Um andarilho das Américas (Elevação, 2000), Che Guevara and the Economic Debate in Cuba (Atropos, 2009) e Mystery Train (Brasiliense, 2007).

Os cangaceiros - Ensaio de interpretação histórica

Os cangaceiros - Ensaio de interpretação histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: novo

Livraria 30porcento Livraria 30porcento SP - São Paulo
100% Positivas
223 qualificações
R$ 48,52 + frete R$ 10,16

Total: R$ 58,68

Comprar ler descrição ocultar

Descrição O fenômeno do cangaço “independente”, que começou na segunda metade do século XIX e durou até cerca de 1940, tendo sido extensamente estudado por diversos autores. No entanto, boa parte destas obras é de caráter basicamente narrativo e por vezes, escrita em linguagem quase literária. O historiador Luiz Bernardo Pericás foi além da constatação desta lacuna bibliográfica. O resultado desse trabalho é agora publicado pela Boitempo no livro Os cangaceiros – ensaio de interpretação histórica, no qual analisa as bases históricas e a atuação dos grupos do cangaço, como aqueles chefiados por Antonio Silvino, Sinhô Pereira, Corisco e Lampião.

Para o historiador João José Reis, "há tempos precisávamos de um livro que fizesse um balanço exaustivo do que se escreveu sobre este fascinante fenômeno social e cultural do Brasil no século passado. Luiz Bernardo Pericás revira uma vasta bibliografia sobre o cangaço para estabelecer uma certa ordem, e um método, na discussão e compreensão do mundo de Lampião e outros cangaceiros... O livro eleva a análise do cangaço a um patamar superior e serve como inspiração para se pensar outros tipos de banditismo, inclusive nos dias que correm".

O tema – já retratado de forma literária por autores como Graciliano Ramos e José Lins do Rego – é desenvolvido à luz de uma abordagem multidimensional, que toma a estrutura agrária sertaneja “como um forte elo entre a base econômica mais ampla e a superestrutura”, mas não se atém somente a uma interpretação economicista, investigando outros níveis para traçar um quadro complexo do banditismo rural nordestino.

Como aponta na orelha o também historiador Lincoln Secco, na história do Nordeste brasileiro “o cangaço apareceu como a forma pela qual se moviam as contradições típicas de uma sociedade formada por populações errantes, pobres e vitimadas pelo mandonismo local e marcada pela instabilidade”. Segundo Secco, “as vivas descrições geográficas revelam que o autor realmente percorreu o sertão nordestino”, relatando “os casos de violência, torturas, as relações amorosas, o cotidiano, o papel das mulheres e das crianças, a questão racial, os hábitos alimentares, as relações políticas, o coronelismo, as formas de combate, os armamentos e até as malogradas tentativas dos comunistas em dar uma direção programática para aquela forma de banditismo”.

Sobre o autor

Luiz Bernardo Pericás é formado em História pela George Washington University, doutor em História Econômica pela USP e pós-doutor em Ciência Política pela FLACSO (México). Foi Visiting Scholar na Universidade do Texas. É também autor de Che Guevara: a luta revolucionária na Bolívia (Xamã, 1997), Um andarilho das Américas (Elevação, 2000), Che Guevara and the Economic Debate in Cuba (Atropos, 2009) e Mystery Train (Brasiliense, 2007).

Os Cangaceiros Ensaio de Interpretação Histórica Capa ilustrativa

Os Cangaceiros Ensaio de Interpretação Histórica

Ano:   Editora: Boitempo

Tipo: seminovo/usado

Livros Mat e Phy Livros Mat e Phy RJ - Rio de Janeiro
96% Positivas
48 qualificações
R$ 70,00 Frete grátis
Comprar ler descrição ocultar

Descrição Ótimo estado tem 318 paginas c, 112

Avaliações do livro

Ainda não há avaliações para este título, seja o primeiro a avaliar.

Avalie o livro