A Compra Garantida Estante Virtual é uma garantia de que você receberá a encomenda ou o reembolso do valor da sua compra. Saiba mais aqui.

  • 1.350 sebos e livreiros
  • Qualificações positivas dos livreiros
  • Maior acervo do mundo em língua portuguesa
filtros
Um Buraco Com Meu Nome Capa ilustrativa

Estatísticas de venda deste livro

Último vendido Nos últimos 3 meses
Vendidos
Preço médio R$ " + data.stats.mean + "
Menor preço R$ " + data.stats.min + "
Maior preço R$ " + data.stats.max + "

Esta informação aparece apenas para usuários logados como livreiros.

Buraco Com Meu Nome,Um

13 livros novos em 4 vendedores

Exibindo todas as publicações encontradas. Filtre pelas mais recentesRemover filtro
Buraco Com Meu Nome,Um

Buraco Com Meu Nome,Um

Ano:   Editora: Polen

Tipo: novo

Idioma: Português

Wtr Livros Wtr Livros SP - Guarulhos
97% Positivas
1425 qualificações
R$ 31,92 + frete R$ 9,10

Total: R$ 41,02

Comprar ler descrição ocultar

Descrição BURACO COM MEU NOME,UM - Sinopse em desenvolvimento

Um Buraco Com Meu Nome

Um Buraco Com Meu Nome

Ano:   Editora: Polen

Tipo: novo

Idioma: Português

Livraria 30porcento Livraria 30porcento SP - São Paulo
100% Positivas
128 qualificações
R$ 35,10 + frete R$ 6,05

Total: R$ 41,15

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Em seu livro de estreia na poesia, a escritora e cordelista Jarid Arraes dedica seus poemas àqueles que não encontram matilha. Àqueles que procuram um buraco para chamar de seu – talvez toca, talvez a cova íntima que nem sempre encontramos quando precisamos de abrigo. Nas quatro partes do livro – Selvageria, Fera, Corpo Aberto e Caverna – Jarid cava fundo, com unhas e presas, em busca desse lugar. Revira lembranças de sua infância no Cariri, cercada da intolerância e do machismo, mas também cercada da poesia dos homens que inspiraram seu pai e seu avô, ambos cordelistas, e a despertaram para o universo literário. O que sempre faltou nessa época foi a voz de mulher, que ela se encarregou de resgatar em seus dois primeiros livros, “As lendas de Dandara” e “Heroínas negras brasileiras em 15 cordéis”. Descobrir-se mulher e depois negra intensificou essa busca, levando Jarid a mergulhar na política de classe, de raça e de gênero em seus cordéis que subvertem a tradição nordestina. Em “Um buraco com meu nome” – que também inaugura o selo literário Ferina, voltado à descoberta de autoras brasileiras – a política ganha contornos líricos, mas continua presente em cada verso. UMA MULHER PERGUNTA há tardes e pequenos espaços de tempo em que uma mulher pergunta de que adianta se as mãos dos homens dirigem o metrô e os ônibus os carros blindados as motos que serpenteiam entre corredores breves se as mãos dos homens assinam os papéis e carimbam autorizam o prontuário a entrada e a saída do corpo o reconhecimento dos órgãos doados se as mãos dos homens orquestram as violências balas esporros olhares e tocam seus instrumentos fálicos curtos enrugados colocados para o lado se os homens e suas mãos discam os números estabelecem os valores fazem listas de nomes de outros homens e se as as mãos dos homens alcançam todas as coisas que quebram ou selam acordos e apertam botões que começam guerras internas por muitas e muitas gerações há um dia em que a mulher pergunta a si mesma pergunta para outra mulher e as perguntas pairam flutuam sobre a cabeça as perguntas incomodam e vazam como excremento de aves de árvores de céu nesse dia a mulher procura a resposta por que de que adianta se há mãos que fazem dançar as cordas e os pequenos membros do corpo vivem em sacolejo o ventre morre em liminares gestações que formam mãos de homens e a partir do ventre as mãos nutridas pela mulher saem na direção do mundo de tudo que é externo de tudo que é global antropológico fágico e social e a mulher nesse dia pergunta para outra mulher para o espelho de que isso tudo adianta

Um Buraco Com Meu Nome

Um Buraco Com Meu Nome

Ano:   Editora: Polen

Tipo: novo

Idioma: Português

Livraria 30porcento Livraria 30porcento SP - São Paulo
100% Positivas
128 qualificações
R$ 35,10 + frete R$ 6,05

Total: R$ 41,15

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Em seu livro de estreia na poesia, a escritora e cordelista Jarid Arraes dedica seus poemas àqueles que não encontram matilha. Àqueles que procuram um buraco para chamar de seu – talvez toca, talvez a cova íntima que nem sempre encontramos quando precisamos de abrigo. Nas quatro partes do livro – Selvageria, Fera, Corpo Aberto e Caverna – Jarid cava fundo, com unhas e presas, em busca desse lugar. Revira lembranças de sua infância no Cariri, cercada da intolerância e do machismo, mas também cercada da poesia dos homens que inspiraram seu pai e seu avô, ambos cordelistas, e a despertaram para o universo literário. O que sempre faltou nessa época foi a voz de mulher, que ela se encarregou de resgatar em seus dois primeiros livros, “As lendas de Dandara” e “Heroínas negras brasileiras em 15 cordéis”. Descobrir-se mulher e depois negra intensificou essa busca, levando Jarid a mergulhar na política de classe, de raça e de gênero em seus cordéis que subvertem a tradição nordestina. Em “Um buraco com meu nome” – que também inaugura o selo literário Ferina, voltado à descoberta de autoras brasileiras – a política ganha contornos líricos, mas continua presente em cada verso. UMA MULHER PERGUNTA há tardes e pequenos espaços de tempo em que uma mulher pergunta de que adianta se as mãos dos homens dirigem o metrô e os ônibus os carros blindados as motos que serpenteiam entre corredores breves se as mãos dos homens assinam os papéis e carimbam autorizam o prontuário a entrada e a saída do corpo o reconhecimento dos órgãos doados se as mãos dos homens orquestram as violências balas esporros olhares e tocam seus instrumentos fálicos curtos enrugados colocados para o lado se os homens e suas mãos discam os números estabelecem os valores fazem listas de nomes de outros homens e se as as mãos dos homens alcançam todas as coisas que quebram ou selam acordos e apertam botões que começam guerras internas por muitas e muitas gerações há um dia em que a mulher pergunta a si mesma pergunta para outra mulher e as perguntas pairam flutuam sobre a cabeça as perguntas incomodam e vazam como excremento de aves de árvores de céu nesse dia a mulher procura a resposta por que de que adianta se há mãos que fazem dançar as cordas e os pequenos membros do corpo vivem em sacolejo o ventre morre em liminares gestações que formam mãos de homens e a partir do ventre as mãos nutridas pela mulher saem na direção do mundo de tudo que é externo de tudo que é global antropológico fágico e social e a mulher nesse dia pergunta para outra mulher para o espelho de que isso tudo adianta

Um Buraco Com Meu Nome

Um Buraco Com Meu Nome

Ano:   Editora: Polen

Tipo: novo

Idioma: Não Informado

Livraria Livro Vivo Livraria Livro Vivo SP - São Paulo
96% Positivas
1012 qualificações
R$ 33,15 + frete R$ 10,53

Total: R$ 43,68

Comprar ler descrição ocultar

Descrição livro novo nunca manuseado

Um Buraco Com Meu Nome

Um Buraco Com Meu Nome

Ano:   Editora: Polen

Tipo: novo

Idioma: Não Informado

Livraria Livro Vivo Livraria Livro Vivo SP - São Paulo
96% Positivas
1012 qualificações
R$ 33,15 + frete R$ 10,53

Total: R$ 43,68

Comprar ler descrição ocultar

Descrição livro novo nunca manuseado

Um Buraco Com Meu Nome

Um Buraco Com Meu Nome

Ano:   Editora: Polen

Tipo: novo

Idioma: Não Informado

Livraria Livro Vivo Livraria Livro Vivo SP - São Paulo
96% Positivas
1012 qualificações
R$ 33,15 + frete R$ 10,53

Total: R$ 43,68

Comprar ler descrição ocultar

Descrição livro novo nunca manuseado

Um Buraco Com Meu Nome

Um Buraco Com Meu Nome

Ano:   Editora: Polen

Tipo: novo

Idioma: Não Informado

Livraria Livro Vivo Livraria Livro Vivo SP - São Paulo
96% Positivas
1012 qualificações
R$ 33,15 + frete R$ 10,53

Total: R$ 43,68

Comprar ler descrição ocultar

Descrição livro novo nunca manuseado

UM BURACO COM MEU NOME

UM BURACO COM MEU NOME

Ano:   Editora: Polen

Tipo: novo

Idioma: Português

Livraria Martins Fontes Paulista Livraria Martins Fontes Paulista SP - São Paulo
99% Positivas
543 qualificações
R$ 39,00 + frete R$ 7,58

Total: R$ 46,58

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Em seu livro de estreia na poesia, a escritora e cordelista Jarid Arraes dedica seus poemas àqueles que não encontram matilha. Àqueles que procuram um buraco para chamar de seu – talvez toca, talvez a cova íntima que nem sempre encontramos quando precisamos de abrigo. Nas quatro partes do livro – Selvageria, Fera, Corpo Aberto e Caverna – Jarid cava fundo, com unhas e presas, em busca desse lugar. Revira lembranças de sua infância no Cariri, cercada da intolerância e do machismo, mas também cercada da poesia dos homens que inspiraram seu pai e seu avô, ambos cordelistas, e a despertaram para o universo literário. O que sempre faltou nessa época foi a voz de mulher, que ela se encarregou de resgatar em seus dois primeiros livros, “As lendas de Dandara” e “Heroínas negras brasileiras em 15 cordéis”. Descobrir-se mulher e depois negra intensificou essa busca, levando Jarid a mergulhar na política de classe, de raça e de gênero em seus cordéis que subvertem a tradição nordestina. Em “Um buraco com meu nome” – que também inaugura o selo literário Ferina, voltado à descoberta de autoras brasileiras – a política ganha contornos líricos, mas continua presente em cada verso. UMA MULHER PERGUNTA há tardes e pequenos espaços de tempo em que uma mulher pergunta de que adianta se as mãos dos homens dirigem o metrô e os ônibus os carros blindados as motos que serpenteiam entre corredores breves se as mãos dos homens assinam os papéis e carimbam autorizam o prontuário a entrada e a saída do corpo o reconhecimento dos órgãos doados se as mãos dos homens orquestram as violências balas esporros olhares e tocam seus instrumentos fálicos curtos enrugados colocados para o lado se os homens e suas mãos discam os números estabelecem os valores fazem listas de nomes de outros homens e se as as mãos dos homens alcançam todas as coisas que quebram ou selam acordos e apertam botões que começam guerras internas por muitas e muitas gerações há um dia em que a mulher pergunta a si mesma pergunta para outra mulher e as perguntas pairam flutuam sobre a cabeça as perguntas incomodam e vazam como excremento de aves de árvores de céu nesse dia a mulher procura a resposta por que de que adianta se há mãos que fazem dançar as cordas e os pequenos membros do corpo vivem em sacolejo o ventre morre em liminares gestações que formam mãos de homens e a partir do ventre as mãos nutridas pela mulher saem na direção do mundo de tudo que é externo de tudo que é global antropológico fágico e social e a mulher nesse dia pergunta para outra mulher para o espelho de que isso tudo adianta

UM BURACO COM MEU NOME

UM BURACO COM MEU NOME

Ano:   Editora: Polen

Tipo: novo

Idioma: Português

Livraria Martins Fontes Paulista Livraria Martins Fontes Paulista SP - São Paulo
99% Positivas
543 qualificações
R$ 39,00 + frete R$ 7,58

Total: R$ 46,58

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Em seu livro de estreia na poesia, a escritora e cordelista Jarid Arraes dedica seus poemas àqueles que não encontram matilha. Àqueles que procuram um buraco para chamar de seu – talvez toca, talvez a cova íntima que nem sempre encontramos quando precisamos de abrigo. Nas quatro partes do livro – Selvageria, Fera, Corpo Aberto e Caverna – Jarid cava fundo, com unhas e presas, em busca desse lugar. Revira lembranças de sua infância no Cariri, cercada da intolerância e do machismo, mas também cercada da poesia dos homens que inspiraram seu pai e seu avô, ambos cordelistas, e a despertaram para o universo literário. O que sempre faltou nessa época foi a voz de mulher, que ela se encarregou de resgatar em seus dois primeiros livros, “As lendas de Dandara” e “Heroínas negras brasileiras em 15 cordéis”. Descobrir-se mulher e depois negra intensificou essa busca, levando Jarid a mergulhar na política de classe, de raça e de gênero em seus cordéis que subvertem a tradição nordestina. Em “Um buraco com meu nome” – que também inaugura o selo literário Ferina, voltado à descoberta de autoras brasileiras – a política ganha contornos líricos, mas continua presente em cada verso. UMA MULHER PERGUNTA há tardes e pequenos espaços de tempo em que uma mulher pergunta de que adianta se as mãos dos homens dirigem o metrô e os ônibus os carros blindados as motos que serpenteiam entre corredores breves se as mãos dos homens assinam os papéis e carimbam autorizam o prontuário a entrada e a saída do corpo o reconhecimento dos órgãos doados se as mãos dos homens orquestram as violências balas esporros olhares e tocam seus instrumentos fálicos curtos enrugados colocados para o lado se os homens e suas mãos discam os números estabelecem os valores fazem listas de nomes de outros homens e se as as mãos dos homens alcançam todas as coisas que quebram ou selam acordos e apertam botões que começam guerras internas por muitas e muitas gerações há um dia em que a mulher pergunta a si mesma pergunta para outra mulher e as perguntas pairam flutuam sobre a cabeça as perguntas incomodam e vazam como excremento de aves de árvores de céu nesse dia a mulher procura a resposta por que de que adianta se há mãos que fazem dançar as cordas e os pequenos membros do corpo vivem em sacolejo o ventre morre em liminares gestações que formam mãos de homens e a partir do ventre as mãos nutridas pela mulher saem na direção do mundo de tudo que é externo de tudo que é global antropológico fágico e social e a mulher nesse dia pergunta para outra mulher para o espelho de que isso tudo adianta

UM BURACO COM MEU NOME

UM BURACO COM MEU NOME

Ano:   Editora: Polen

Tipo: novo

Idioma: Português

Livraria Martins Fontes Paulista Livraria Martins Fontes Paulista SP - São Paulo
99% Positivas
543 qualificações
R$ 39,00 + frete R$ 7,58

Total: R$ 46,58

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Em seu livro de estreia na poesia, a escritora e cordelista Jarid Arraes dedica seus poemas àqueles que não encontram matilha. Àqueles que procuram um buraco para chamar de seu – talvez toca, talvez a cova íntima que nem sempre encontramos quando precisamos de abrigo. Nas quatro partes do livro – Selvageria, Fera, Corpo Aberto e Caverna – Jarid cava fundo, com unhas e presas, em busca desse lugar. Revira lembranças de sua infância no Cariri, cercada da intolerância e do machismo, mas também cercada da poesia dos homens que inspiraram seu pai e seu avô, ambos cordelistas, e a despertaram para o universo literário. O que sempre faltou nessa época foi a voz de mulher, que ela se encarregou de resgatar em seus dois primeiros livros, “As lendas de Dandara” e “Heroínas negras brasileiras em 15 cordéis”. Descobrir-se mulher e depois negra intensificou essa busca, levando Jarid a mergulhar na política de classe, de raça e de gênero em seus cordéis que subvertem a tradição nordestina. Em “Um buraco com meu nome” – que também inaugura o selo literário Ferina, voltado à descoberta de autoras brasileiras – a política ganha contornos líricos, mas continua presente em cada verso. UMA MULHER PERGUNTA há tardes e pequenos espaços de tempo em que uma mulher pergunta de que adianta se as mãos dos homens dirigem o metrô e os ônibus os carros blindados as motos que serpenteiam entre corredores breves se as mãos dos homens assinam os papéis e carimbam autorizam o prontuário a entrada e a saída do corpo o reconhecimento dos órgãos doados se as mãos dos homens orquestram as violências balas esporros olhares e tocam seus instrumentos fálicos curtos enrugados colocados para o lado se os homens e suas mãos discam os números estabelecem os valores fazem listas de nomes de outros homens e se as as mãos dos homens alcançam todas as coisas que quebram ou selam acordos e apertam botões que começam guerras internas por muitas e muitas gerações há um dia em que a mulher pergunta a si mesma pergunta para outra mulher e as perguntas pairam flutuam sobre a cabeça as perguntas incomodam e vazam como excremento de aves de árvores de céu nesse dia a mulher procura a resposta por que de que adianta se há mãos que fazem dançar as cordas e os pequenos membros do corpo vivem em sacolejo o ventre morre em liminares gestações que formam mãos de homens e a partir do ventre as mãos nutridas pela mulher saem na direção do mundo de tudo que é externo de tudo que é global antropológico fágico e social e a mulher nesse dia pergunta para outra mulher para o espelho de que isso tudo adianta

UM BURACO COM MEU NOME

UM BURACO COM MEU NOME

Ano:   Editora: Polen

Tipo: novo

Idioma: Português

Livraria Martins Fontes Paulista Livraria Martins Fontes Paulista SP - São Paulo
99% Positivas
543 qualificações
R$ 39,00 + frete R$ 7,58

Total: R$ 46,58

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Em seu livro de estreia na poesia, a escritora e cordelista Jarid Arraes dedica seus poemas àqueles que não encontram matilha. Àqueles que procuram um buraco para chamar de seu – talvez toca, talvez a cova íntima que nem sempre encontramos quando precisamos de abrigo. Nas quatro partes do livro – Selvageria, Fera, Corpo Aberto e Caverna – Jarid cava fundo, com unhas e presas, em busca desse lugar. Revira lembranças de sua infância no Cariri, cercada da intolerância e do machismo, mas também cercada da poesia dos homens que inspiraram seu pai e seu avô, ambos cordelistas, e a despertaram para o universo literário. O que sempre faltou nessa época foi a voz de mulher, que ela se encarregou de resgatar em seus dois primeiros livros, “As lendas de Dandara” e “Heroínas negras brasileiras em 15 cordéis”. Descobrir-se mulher e depois negra intensificou essa busca, levando Jarid a mergulhar na política de classe, de raça e de gênero em seus cordéis que subvertem a tradição nordestina. Em “Um buraco com meu nome” – que também inaugura o selo literário Ferina, voltado à descoberta de autoras brasileiras – a política ganha contornos líricos, mas continua presente em cada verso. UMA MULHER PERGUNTA há tardes e pequenos espaços de tempo em que uma mulher pergunta de que adianta se as mãos dos homens dirigem o metrô e os ônibus os carros blindados as motos que serpenteiam entre corredores breves se as mãos dos homens assinam os papéis e carimbam autorizam o prontuário a entrada e a saída do corpo o reconhecimento dos órgãos doados se as mãos dos homens orquestram as violências balas esporros olhares e tocam seus instrumentos fálicos curtos enrugados colocados para o lado se os homens e suas mãos discam os números estabelecem os valores fazem listas de nomes de outros homens e se as as mãos dos homens alcançam todas as coisas que quebram ou selam acordos e apertam botões que começam guerras internas por muitas e muitas gerações há um dia em que a mulher pergunta a si mesma pergunta para outra mulher e as perguntas pairam flutuam sobre a cabeça as perguntas incomodam e vazam como excremento de aves de árvores de céu nesse dia a mulher procura a resposta por que de que adianta se há mãos que fazem dançar as cordas e os pequenos membros do corpo vivem em sacolejo o ventre morre em liminares gestações que formam mãos de homens e a partir do ventre as mãos nutridas pela mulher saem na direção do mundo de tudo que é externo de tudo que é global antropológico fágico e social e a mulher nesse dia pergunta para outra mulher para o espelho de que isso tudo adianta

UM BURACO COM MEU NOME

UM BURACO COM MEU NOME

Ano:   Editora: Polen

Tipo: novo

Idioma: Português

Livraria Martins Fontes Paulista Livraria Martins Fontes Paulista SP - São Paulo
99% Positivas
543 qualificações
R$ 39,00 + frete R$ 7,58

Total: R$ 46,58

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Em seu livro de estreia na poesia, a escritora e cordelista Jarid Arraes dedica seus poemas àqueles que não encontram matilha. Àqueles que procuram um buraco para chamar de seu – talvez toca, talvez a cova íntima que nem sempre encontramos quando precisamos de abrigo. Nas quatro partes do livro – Selvageria, Fera, Corpo Aberto e Caverna – Jarid cava fundo, com unhas e presas, em busca desse lugar. Revira lembranças de sua infância no Cariri, cercada da intolerância e do machismo, mas também cercada da poesia dos homens que inspiraram seu pai e seu avô, ambos cordelistas, e a despertaram para o universo literário. O que sempre faltou nessa época foi a voz de mulher, que ela se encarregou de resgatar em seus dois primeiros livros, “As lendas de Dandara” e “Heroínas negras brasileiras em 15 cordéis”. Descobrir-se mulher e depois negra intensificou essa busca, levando Jarid a mergulhar na política de classe, de raça e de gênero em seus cordéis que subvertem a tradição nordestina. Em “Um buraco com meu nome” – que também inaugura o selo literário Ferina, voltado à descoberta de autoras brasileiras – a política ganha contornos líricos, mas continua presente em cada verso. UMA MULHER PERGUNTA há tardes e pequenos espaços de tempo em que uma mulher pergunta de que adianta se as mãos dos homens dirigem o metrô e os ônibus os carros blindados as motos que serpenteiam entre corredores breves se as mãos dos homens assinam os papéis e carimbam autorizam o prontuário a entrada e a saída do corpo o reconhecimento dos órgãos doados se as mãos dos homens orquestram as violências balas esporros olhares e tocam seus instrumentos fálicos curtos enrugados colocados para o lado se os homens e suas mãos discam os números estabelecem os valores fazem listas de nomes de outros homens e se as as mãos dos homens alcançam todas as coisas que quebram ou selam acordos e apertam botões que começam guerras internas por muitas e muitas gerações há um dia em que a mulher pergunta a si mesma pergunta para outra mulher e as perguntas pairam flutuam sobre a cabeça as perguntas incomodam e vazam como excremento de aves de árvores de céu nesse dia a mulher procura a resposta por que de que adianta se há mãos que fazem dançar as cordas e os pequenos membros do corpo vivem em sacolejo o ventre morre em liminares gestações que formam mãos de homens e a partir do ventre as mãos nutridas pela mulher saem na direção do mundo de tudo que é externo de tudo que é global antropológico fágico e social e a mulher nesse dia pergunta para outra mulher para o espelho de que isso tudo adianta

Avaliações do livro

Ainda não há avaliações para este título, seja o primeiro a avaliar.

Avalie o livro