A Compra Garantida Estante Virtual é uma garantia de que você receberá a encomenda ou o reembolso do valor da sua compra. Saiba mais aqui.

  • 1.350 sebos e livreiros
  • Qualificações positivas dos livreiros
  • Maior acervo do mundo em língua portuguesa
filtros
Maria Bonita Capa ilustrativa

Maria Bonita

Adriana Negreiros

Desde os anos 1990, a data de nascimento de Maria Bonita passou a ser celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, ela transformou-se em uma marca poderosa, emprestando seu nome a centenas de pousadas e restaurantes espalhados pelo Nordeste, salões de beleza, academias de ginástica, cerveja, pizza, assentamento rural, música, bandas de forró e coletivos feministas. Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeça decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria de Déa: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita. Nos anos em que viveu com Lampião e nos subsequentes à sua morte, despertou pouco interesse em pesquisadores ou jornalistas. E foi essa lacuna de informações sobre sua vida e a das outras jovens que viviam com o bando que contribuiu para que se criasse a fantasia de uma impetuosa guerreira, hábil amazona do sertão, uma Joana D’Arc da caatinga. Essa versão romântica e justiceira de Maria Bonita, rapidamente apropriada pela indústria cultural, tornou-se um produto de forte apelo comercial - e expandiu seus limites para além das fronteiras do sertão. Neste livro, Adriana Negreiros constrói a biografia mais completa até então daquela que é, sem dúvidas, a mulher mais importante do cangaço. Fechar Ler mais

Desde os anos 1990, a data de nascimento de Maria Bonita passou a ser celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o temp o, ela transformou-se em uma marca poderosa, emprestando seu nome a centenas de pousadas e restaurantes espalhados pelo Nordeste, salões de beleza, academias de ginástica, cerveja, pizza, assentamento rural, música, bandas de forró e coletivos feministas. Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeça decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria de Déa: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita. Nos anos em que viveu com Lampião e nos subsequentes à sua morte, despertou pouco interesse em pesquisadores ou jornalistas. E foi essa lacuna de informações sobre sua vida e a das outras jovens que viviam com o bando que contribuiu para que se criasse a fantasia de uma impetuosa guerreira, hábil amazona do sertão, uma Joana D’Arc da caatinga. Essa versão romântica e justiceira de Maria Bonita, rapidamente apropriada pela indústria cultural, tornou-se um produto de forte apelo comercial - e expandiu seus limites para além das fronteiras do sertão. Neste livro, Adriana Negreiros constrói a biografia mais completa até então daquela que é, sem dúvidas, a mulher mais importante do cangaço. Fechar Ler mais

Estatísticas de venda deste livro

Último vendido Nos últimos 3 meses
Vendidos
Preço médio R$ " + data.stats.mean + "
Menor preço R$ " + data.stats.min + "
Maior preço R$ " + data.stats.max + "

Esta informação aparece apenas para usuários logados como livreiros.

Maria Bonita: Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

61 livros novos em 19 vendedores

Exibindo todas as publicações encontradas. Filtre pelas mais recentesRemover filtro
Maria Bonita: Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Maria Bonita: Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

Livros Online Livros Online SP - São Paulo
89% Positivas
1393 qualificações
R$ 39,90 + frete R$ 9,10

Total: R$ 49,00

Comprar ler descrição ocultar

Descrição A mulher mais importante do cangaço brasileiro, que inspirou gerações de mulheres, ganha agora sua biografia mais completa e com uma perspectiva feminista. Embora a mitificação da imagem de Maria Bonita tenha escondido situações de constante violência, ela em nada diminui o caráter transgressor da Rainha do Sertão.Desde os anos 1990, a data de nascimento de Maria Bonita passou a ser celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, ela transformou-se em uma marca poderosa, emprestando seu nome a centenas de pousadas e restaurantes espalhados pelo Nordeste, salões de beleza, academias de ginástica, cerveja, pizza, assentamento rural, música, bandas de forró e coletivos feministas.Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeça decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria de Déa: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita.Nos anos em que viveu com Lampião e nos subsequentes à sua morte, despertou pouco interesse em pesquisadores ou jornalistas. E foi essa lacuna de informações sobre sua vida e a das outras jovens que viviam com o bando que contribuiu para que se criasse a fantasia de uma impetuosa guerreira, hábil amazona do sertão, uma Joana D’Arc da caatinga. Essa versão romântica e justiceira de Maria Bonita, rapidamente apropriada pela indústria cultural, tornou-se um produto de forte apelo comercial — e expandiu seus limites para além das fronteiras do sertão. Neste livro, Adriana Negreiros constrói a biografia mais completa até então daquela que é, sem dúvidas, a mulher mais importante do cangaço.

Maria Bonita: Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Maria Bonita: Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

Livros Online Livros Online SP - São Paulo
89% Positivas
1393 qualificações
R$ 39,90 + frete R$ 9,10

Total: R$ 49,00

Comprar ler descrição ocultar

Descrição A mulher mais importante do cangaço brasileiro, que inspirou gerações de mulheres, ganha agora sua biografia mais completa e com uma perspectiva feminista. Embora a mitificação da imagem de Maria Bonita tenha escondido situações de constante violência, ela em nada diminui o caráter transgressor da Rainha do Sertão.Desde os anos 1990, a data de nascimento de Maria Bonita passou a ser celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, ela transformou-se em uma marca poderosa, emprestando seu nome a centenas de pousadas e restaurantes espalhados pelo Nordeste, salões de beleza, academias de ginástica, cerveja, pizza, assentamento rural, música, bandas de forró e coletivos feministas.Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeça decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria de Déa: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita.Nos anos em que viveu com Lampião e nos subsequentes à sua morte, despertou pouco interesse em pesquisadores ou jornalistas. E foi essa lacuna de informações sobre sua vida e a das outras jovens que viviam com o bando que contribuiu para que se criasse a fantasia de uma impetuosa guerreira, hábil amazona do sertão, uma Joana D’Arc da caatinga. Essa versão romântica e justiceira de Maria Bonita, rapidamente apropriada pela indústria cultural, tornou-se um produto de forte apelo comercial — e expandiu seus limites para além das fronteiras do sertão. Neste livro, Adriana Negreiros constrói a biografia mais completa até então daquela que é, sem dúvidas, a mulher mais importante do cangaço.

Maria Bonita: Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Maria Bonita: Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

Livros Online Livros Online SP - São Paulo
89% Positivas
1393 qualificações
R$ 39,90 + frete R$ 9,10

Total: R$ 49,00

Comprar ler descrição ocultar

Descrição A mulher mais importante do cangaço brasileiro, que inspirou gerações de mulheres, ganha agora sua biografia mais completa e com uma perspectiva feminista. Embora a mitificação da imagem de Maria Bonita tenha escondido situações de constante violência, ela em nada diminui o caráter transgressor da Rainha do Sertão.Desde os anos 1990, a data de nascimento de Maria Bonita passou a ser celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, ela transformou-se em uma marca poderosa, emprestando seu nome a centenas de pousadas e restaurantes espalhados pelo Nordeste, salões de beleza, academias de ginástica, cerveja, pizza, assentamento rural, música, bandas de forró e coletivos feministas.Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeça decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria de Déa: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita.Nos anos em que viveu com Lampião e nos subsequentes à sua morte, despertou pouco interesse em pesquisadores ou jornalistas. E foi essa lacuna de informações sobre sua vida e a das outras jovens que viviam com o bando que contribuiu para que se criasse a fantasia de uma impetuosa guerreira, hábil amazona do sertão, uma Joana D’Arc da caatinga. Essa versão romântica e justiceira de Maria Bonita, rapidamente apropriada pela indústria cultural, tornou-se um produto de forte apelo comercial — e expandiu seus limites para além das fronteiras do sertão. Neste livro, Adriana Negreiros constrói a biografia mais completa até então daquela que é, sem dúvidas, a mulher mais importante do cangaço.

Maria Bonita: Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Maria Bonita: Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

Livros Online Livros Online SP - São Paulo
89% Positivas
1393 qualificações
R$ 39,90 + frete R$ 9,10

Total: R$ 49,00

Comprar ler descrição ocultar

Descrição A mulher mais importante do cangaço brasileiro, que inspirou gerações de mulheres, ganha agora sua biografia mais completa e com uma perspectiva feminista. Embora a mitificação da imagem de Maria Bonita tenha escondido situações de constante violência, ela em nada diminui o caráter transgressor da Rainha do Sertão.Desde os anos 1990, a data de nascimento de Maria Bonita passou a ser celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, ela transformou-se em uma marca poderosa, emprestando seu nome a centenas de pousadas e restaurantes espalhados pelo Nordeste, salões de beleza, academias de ginástica, cerveja, pizza, assentamento rural, música, bandas de forró e coletivos feministas.Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeça decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria de Déa: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita.Nos anos em que viveu com Lampião e nos subsequentes à sua morte, despertou pouco interesse em pesquisadores ou jornalistas. E foi essa lacuna de informações sobre sua vida e a das outras jovens que viviam com o bando que contribuiu para que se criasse a fantasia de uma impetuosa guerreira, hábil amazona do sertão, uma Joana D’Arc da caatinga. Essa versão romântica e justiceira de Maria Bonita, rapidamente apropriada pela indústria cultural, tornou-se um produto de forte apelo comercial — e expandiu seus limites para além das fronteiras do sertão. Neste livro, Adriana Negreiros constrói a biografia mais completa até então daquela que é, sem dúvidas, a mulher mais importante do cangaço.

Maria Bonita: Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Maria Bonita: Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

Livros Online Livros Online SP - São Paulo
89% Positivas
1393 qualificações
R$ 39,90 + frete R$ 9,10

Total: R$ 49,00

Comprar ler descrição ocultar

Descrição A mulher mais importante do cangaço brasileiro, que inspirou gerações de mulheres, ganha agora sua biografia mais completa e com uma perspectiva feminista. Embora a mitificação da imagem de Maria Bonita tenha escondido situações de constante violência, ela em nada diminui o caráter transgressor da Rainha do Sertão.Desde os anos 1990, a data de nascimento de Maria Bonita passou a ser celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, ela transformou-se em uma marca poderosa, emprestando seu nome a centenas de pousadas e restaurantes espalhados pelo Nordeste, salões de beleza, academias de ginástica, cerveja, pizza, assentamento rural, música, bandas de forró e coletivos feministas.Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeça decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria de Déa: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita.Nos anos em que viveu com Lampião e nos subsequentes à sua morte, despertou pouco interesse em pesquisadores ou jornalistas. E foi essa lacuna de informações sobre sua vida e a das outras jovens que viviam com o bando que contribuiu para que se criasse a fantasia de uma impetuosa guerreira, hábil amazona do sertão, uma Joana D’Arc da caatinga. Essa versão romântica e justiceira de Maria Bonita, rapidamente apropriada pela indústria cultural, tornou-se um produto de forte apelo comercial — e expandiu seus limites para além das fronteiras do sertão. Neste livro, Adriana Negreiros constrói a biografia mais completa até então daquela que é, sem dúvidas, a mulher mais importante do cangaço.

Maria Bonita

Maria Bonita

Ano:   Editora: Objetiva Cia das Letras

Tipo: novo

Bookfast Bookfast PR - CURITIBA
97% Positivas
658 qualificações
R$ 39,92 + frete R$ 9,10

Total: R$ 49,02

Comprar ler descrição ocultar

Descrição A mulher mais importante do cangaço brasileiro, que inspirou gerações de mulheres, ganha agora sua biografia mais completa e com uma perspectiva feminista. Embora a mitificação da imagem de Maria Bonita tenha escondido situações de constante violência, ela em nada diminui o caráter transgressor da Rainha do Sertão. Desde os anos 1990, quando Vera Ferreira, filha do casal de cangaceiros mais famoso do Brasil, cravou como data de nascimento de sua mãe o 8 de março, Maria Bonita é celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, transformou-se em uma marca poderosa. Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeça decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria de Déa: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita. Nos anos em que viveu com Lampião e nos subsequentes à sua morte, despertou pouco interesse em pesquisadores ou jornalistas. E foi essa lacuna de informações sobre sua vida e a das outras jovens que viviam com o bando que contribuiu para que se criasse a fantasia de uma impetuosa guerreira, hábil amazona do sertão, uma Joana D’Arc da caatinga. Essa versão romântica e justiceira de Maria Bonita, rapidamente apropriada pela indústria cultural, tornou-se um produto de forte apelo comercial — e expandiu seus limites para além das fronteiras do sertão. Neste livro, Adriana Negreiros constrói a biografia mais completa até então daquela que é, sem dúvidas, a mulher mais importante do cangaço.

Maria Bonita

Maria Bonita

Ano:   Editora: Objetiva Cia das Letras

Tipo: novo

Bookfast Bookfast PR - CURITIBA
97% Positivas
658 qualificações
R$ 39,92 + frete R$ 9,10

Total: R$ 49,02

Comprar ler descrição ocultar

Descrição A mulher mais importante do cangaço brasileiro, que inspirou gerações de mulheres, ganha agora sua biografia mais completa e com uma perspectiva feminista. Embora a mitificação da imagem de Maria Bonita tenha escondido situações de constante violência, ela em nada diminui o caráter transgressor da Rainha do Sertão. Desde os anos 1990, quando Vera Ferreira, filha do casal de cangaceiros mais famoso do Brasil, cravou como data de nascimento de sua mãe o 8 de março, Maria Bonita é celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, transformou-se em uma marca poderosa. Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeça decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria de Déa: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita. Nos anos em que viveu com Lampião e nos subsequentes à sua morte, despertou pouco interesse em pesquisadores ou jornalistas. E foi essa lacuna de informações sobre sua vida e a das outras jovens que viviam com o bando que contribuiu para que se criasse a fantasia de uma impetuosa guerreira, hábil amazona do sertão, uma Joana D’Arc da caatinga. Essa versão romântica e justiceira de Maria Bonita, rapidamente apropriada pela indústria cultural, tornou-se um produto de forte apelo comercial — e expandiu seus limites para além das fronteiras do sertão. Neste livro, Adriana Negreiros constrói a biografia mais completa até então daquela que é, sem dúvidas, a mulher mais importante do cangaço.

Maria Bonita

Maria Bonita

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

UmLivro UmLivro SP - Cotia
98% Positivas
244 qualificações
R$ 39,92 + frete R$ 9,10

Total: R$ 49,02

Comprar ler descrição ocultar

Descrição A mulher mais importante do cangaço brasileiro, que inspirou gerações de mulheres, ganha agora sua biografia mais completa e com uma perspectiva feminista. Embora a mitificação da imagem de Maria Bonita tenha escondido situações de constante violência, ela em nada diminui o caráter transgressor da Rainha do Sertão.Desde os anos 1990, a data de nascimento de Maria Bonita passou a ser celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, ela transformou-se em uma marca poderosa, emprestando seu nome a centenas de pousadas e restaurantes espalhados pelo Nordeste, salões de beleza, academias de ginástica, cerveja, pizza, assentamento rural, música, bandas de forró e coletivos feministas.Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeça decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria de Déa: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita.Nos anos em que viveu com Lampião e nos subsequentes à sua morte, despertou pouco interesse em pesquisadores ou jornalistas. E foi essa lacuna de informações sobre sua vida e a das outras jovens que viviam com o bando que contribuiu para que se criasse a fantasia de uma impetuosa guerreira, hábil amazona do sertão, uma Joana D’Arc da caatinga. Essa versão romântica e justiceira de Maria Bonita, rapidamente apropriada pela indústria cultural, tornou-se um produto de forte apelo comercial — e expandiu seus limites para além das fronteiras do sertão. Neste livro, Adriana Negreiros constrói a biografia mais completa até então daquela que é, sem dúvidas, a mulher mais importante do cangaço.

Maria Bonita

Maria Bonita

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

UmLivro UmLivro SP - Cotia
98% Positivas
244 qualificações
R$ 39,92 + frete R$ 9,10

Total: R$ 49,02

Comprar ler descrição ocultar

Descrição A mulher mais importante do cangaço brasileiro, que inspirou gerações de mulheres, ganha agora sua biografia mais completa e com uma perspectiva feminista. Embora a mitificação da imagem de Maria Bonita tenha escondido situações de constante violência, ela em nada diminui o caráter transgressor da Rainha do Sertão.Desde os anos 1990, a data de nascimento de Maria Bonita passou a ser celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, ela transformou-se em uma marca poderosa, emprestando seu nome a centenas de pousadas e restaurantes espalhados pelo Nordeste, salões de beleza, academias de ginástica, cerveja, pizza, assentamento rural, música, bandas de forró e coletivos feministas.Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeça decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria de Déa: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita.Nos anos em que viveu com Lampião e nos subsequentes à sua morte, despertou pouco interesse em pesquisadores ou jornalistas. E foi essa lacuna de informações sobre sua vida e a das outras jovens que viviam com o bando que contribuiu para que se criasse a fantasia de uma impetuosa guerreira, hábil amazona do sertão, uma Joana D’Arc da caatinga. Essa versão romântica e justiceira de Maria Bonita, rapidamente apropriada pela indústria cultural, tornou-se um produto de forte apelo comercial — e expandiu seus limites para além das fronteiras do sertão. Neste livro, Adriana Negreiros constrói a biografia mais completa até então daquela que é, sem dúvidas, a mulher mais importante do cangaço.

MARIA BONITA

MARIA BONITA

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

Wtr Livros Wtr Livros SP - Guarulhos
87% Positivas
2006 qualificações
R$ 41,92 + frete R$ 9,10

Total: R$ 51,02

Comprar ler descrição ocultar

Descrição A mulher mais importante do cangaco brasileiro, que inspirou geracoes de mulheres, ganha agora sua biografia mais completa e com uma perspectiva feminista. Embora a mitificacao da imagem de Maria Bonita tenha escondido situacoes de constante violencia, ela em nada diminui o carater transgressor da Rainha do Sertao. Desde os anos 1990, quando Vera Ferreira, filha do casal de cangaceiros mais famoso do Brasil, cravou como data de nascimento de sua mae o 8 de marco, Maria Bonita e celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, transformou-se em uma marca poderosa. Enquanto a companheira de Lampiao viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeca decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria de Dea: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita. Nos anos em que viveu com Lampiao e nos subsequentes a sua morte, despertou pouco interesse em pesquisadores ou jornalistas. E foi essa lacuna de informacoes sobre sua vida e a das outras jovens que viviam com o bando que contribuiu para que se criasse a fantasia de uma impetuosa guerreira, habil amazona do sertao, uma Joana D Arc da caatinga. Essa versao romantica e justiceira de Maria Bonita, rapidamente apropriada pela industria cultural, tornou-se um produto de forte apelo comercial e expandiu seus limites para alem das fronteiras do sertao. Neste livro, Adriana Negreiros constroi a biografia mais completa ate entao daquela que e, sem duvidas, a mulher mais importante do cangaco.

MARIA BONITA

MARIA BONITA

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

Wtr Livros Wtr Livros SP - Guarulhos
87% Positivas
2006 qualificações
R$ 41,92 + frete R$ 9,10

Total: R$ 51,02

Comprar ler descrição ocultar

Descrição A mulher mais importante do cangaco brasileiro, que inspirou geracoes de mulheres, ganha agora sua biografia mais completa e com uma perspectiva feminista. Embora a mitificacao da imagem de Maria Bonita tenha escondido situacoes de constante violencia, ela em nada diminui o carater transgressor da Rainha do Sertao. Desde os anos 1990, quando Vera Ferreira, filha do casal de cangaceiros mais famoso do Brasil, cravou como data de nascimento de sua mae o 8 de marco, Maria Bonita e celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, transformou-se em uma marca poderosa. Enquanto a companheira de Lampiao viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeca decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria de Dea: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita. Nos anos em que viveu com Lampiao e nos subsequentes a sua morte, despertou pouco interesse em pesquisadores ou jornalistas. E foi essa lacuna de informacoes sobre sua vida e a das outras jovens que viviam com o bando que contribuiu para que se criasse a fantasia de uma impetuosa guerreira, habil amazona do sertao, uma Joana D Arc da caatinga. Essa versao romantica e justiceira de Maria Bonita, rapidamente apropriada pela industria cultural, tornou-se um produto de forte apelo comercial e expandiu seus limites para alem das fronteiras do sertao. Neste livro, Adriana Negreiros constroi a biografia mais completa ate entao daquela que e, sem duvidas, a mulher mais importante do cangaco.

MARIA BONITA

MARIA BONITA

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

Wtr Livros Wtr Livros SP - Guarulhos
87% Positivas
2006 qualificações
R$ 41,92 + frete R$ 9,10

Total: R$ 51,02

Comprar ler descrição ocultar

Descrição A mulher mais importante do cangaco brasileiro, que inspirou geracoes de mulheres, ganha agora sua biografia mais completa e com uma perspectiva feminista. Embora a mitificacao da imagem de Maria Bonita tenha escondido situacoes de constante violencia, ela em nada diminui o carater transgressor da Rainha do Sertao. Desde os anos 1990, quando Vera Ferreira, filha do casal de cangaceiros mais famoso do Brasil, cravou como data de nascimento de sua mae o 8 de marco, Maria Bonita e celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, transformou-se em uma marca poderosa. Enquanto a companheira de Lampiao viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeca decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria de Dea: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita. Nos anos em que viveu com Lampiao e nos subsequentes a sua morte, despertou pouco interesse em pesquisadores ou jornalistas. E foi essa lacuna de informacoes sobre sua vida e a das outras jovens que viviam com o bando que contribuiu para que se criasse a fantasia de uma impetuosa guerreira, habil amazona do sertao, uma Joana D Arc da caatinga. Essa versao romantica e justiceira de Maria Bonita, rapidamente apropriada pela industria cultural, tornou-se um produto de forte apelo comercial e expandiu seus limites para alem das fronteiras do sertao. Neste livro, Adriana Negreiros constroi a biografia mais completa ate entao daquela que e, sem duvidas, a mulher mais importante do cangaco.

MARIA BONITA

MARIA BONITA

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

Wtr Livros Wtr Livros SP - Guarulhos
87% Positivas
2006 qualificações
R$ 41,92 + frete R$ 9,10

Total: R$ 51,02

Comprar ler descrição ocultar

Descrição A mulher mais importante do cangaco brasileiro, que inspirou geracoes de mulheres, ganha agora sua biografia mais completa e com uma perspectiva feminista. Embora a mitificacao da imagem de Maria Bonita tenha escondido situacoes de constante violencia, ela em nada diminui o carater transgressor da Rainha do Sertao. Desde os anos 1990, quando Vera Ferreira, filha do casal de cangaceiros mais famoso do Brasil, cravou como data de nascimento de sua mae o 8 de marco, Maria Bonita e celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, transformou-se em uma marca poderosa. Enquanto a companheira de Lampiao viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeca decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria de Dea: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita. Nos anos em que viveu com Lampiao e nos subsequentes a sua morte, despertou pouco interesse em pesquisadores ou jornalistas. E foi essa lacuna de informacoes sobre sua vida e a das outras jovens que viviam com o bando que contribuiu para que se criasse a fantasia de uma impetuosa guerreira, habil amazona do sertao, uma Joana D Arc da caatinga. Essa versao romantica e justiceira de Maria Bonita, rapidamente apropriada pela industria cultural, tornou-se um produto de forte apelo comercial e expandiu seus limites para alem das fronteiras do sertao. Neste livro, Adriana Negreiros constroi a biografia mais completa ate entao daquela que e, sem duvidas, a mulher mais importante do cangaco.

MARIA BONITA

MARIA BONITA

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

Wtr Livros Wtr Livros SP - Guarulhos
87% Positivas
2006 qualificações
R$ 41,92 + frete R$ 9,10

Total: R$ 51,02

Comprar ler descrição ocultar

Descrição A mulher mais importante do cangaco brasileiro, que inspirou geracoes de mulheres, ganha agora sua biografia mais completa e com uma perspectiva feminista. Embora a mitificacao da imagem de Maria Bonita tenha escondido situacoes de constante violencia, ela em nada diminui o carater transgressor da Rainha do Sertao. Desde os anos 1990, quando Vera Ferreira, filha do casal de cangaceiros mais famoso do Brasil, cravou como data de nascimento de sua mae o 8 de marco, Maria Bonita e celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, transformou-se em uma marca poderosa. Enquanto a companheira de Lampiao viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeca decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria de Dea: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita. Nos anos em que viveu com Lampiao e nos subsequentes a sua morte, despertou pouco interesse em pesquisadores ou jornalistas. E foi essa lacuna de informacoes sobre sua vida e a das outras jovens que viviam com o bando que contribuiu para que se criasse a fantasia de uma impetuosa guerreira, habil amazona do sertao, uma Joana D Arc da caatinga. Essa versao romantica e justiceira de Maria Bonita, rapidamente apropriada pela industria cultural, tornou-se um produto de forte apelo comercial e expandiu seus limites para alem das fronteiras do sertao. Neste livro, Adriana Negreiros constroi a biografia mais completa ate entao daquela que e, sem duvidas, a mulher mais importante do cangaco.

Maria Bonita

Maria Bonita

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

Livrofast Livrofast SP - São Paulo
98% Positivas
130 qualificações
R$ 42,42 + frete R$ 9,10

Total: R$ 51,52

Comprar ler descrição ocultar

Descrição NOVO DIRETO DO FABRICANTE

MARIA BONITA - SEXO VIOLÊNCIA E MULHERES NO CANGAÇO

MARIA BONITA - SEXO VIOLÊNCIA E MULHERES NO CANGAÇO

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

Pook Book Pook Book SP - São Paulo
97% Positivas
679 qualificações
R$ 43,41 + frete R$ 9,10

Total: R$ 52,51

Comprar ler descrição ocultar

Descrição A mulher mais importante do cangaço brasileiro, que inspirou gerações de mulheres, ganha agora sua biografia mais completa e com uma perspectiva feminista. Embora a mitificação da imagem de Maria Bonita tenha escondido situações de constante violência, ela em nada diminui o caráter transgressor da Rainha do Sertão.Desde os anos 1990, quando Vera Ferreira, filha do casal de cangaceiros mais famoso do Brasil, cravou como data de nascimento de sua mãe o 8 de março, Maria Bonita é celebrada no DiaInternacional da Mulher. Com o tempo, transformou-se em uma marca poderosa.Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeça decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria deDéa: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita.Nos anos em que viveu com Lampião e nos subsequentes à sua morte, despertou pouco interesse em pesquisadores ou jornalistas. E foi essa lacuna de informações sobre sua vida e a das outras jovens que viviam com o bando que contribuiu para que se criasse a fantasia de uma impetuosa guerreira, hábil amazona do sertão, uma Joana D'Arc da caatinga. Essa versão romântica e justiceira de Maria Bonita,rapidamente apropriada pela indústria cultural, tornou-se um produto de forte apelo comercial - e expandiu seus limites para além das fronteiras do sertão. Neste livro, Adriana Negreiros constrói a biografia mais completa até então daquela que é, semdúvidas, a mulher mais importante do cangaço.

MARIA BONITA - SEXO VIOLÊNCIA E MULHERES NO CANGAÇO

MARIA BONITA - SEXO VIOLÊNCIA E MULHERES NO CANGAÇO

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

Pook Book Pook Book SP - São Paulo
97% Positivas
679 qualificações
R$ 43,41 + frete R$ 9,10

Total: R$ 52,51

Comprar ler descrição ocultar

Descrição A mulher mais importante do cangaço brasileiro, que inspirou gerações de mulheres, ganha agora sua biografia mais completa e com uma perspectiva feminista. Embora a mitificação da imagem de Maria Bonita tenha escondido situações de constante violência, ela em nada diminui o caráter transgressor da Rainha do Sertão.Desde os anos 1990, quando Vera Ferreira, filha do casal de cangaceiros mais famoso do Brasil, cravou como data de nascimento de sua mãe o 8 de março, Maria Bonita é celebrada no DiaInternacional da Mulher. Com o tempo, transformou-se em uma marca poderosa.Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeça decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria deDéa: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita.Nos anos em que viveu com Lampião e nos subsequentes à sua morte, despertou pouco interesse em pesquisadores ou jornalistas. E foi essa lacuna de informações sobre sua vida e a das outras jovens que viviam com o bando que contribuiu para que se criasse a fantasia de uma impetuosa guerreira, hábil amazona do sertão, uma Joana D'Arc da caatinga. Essa versão romântica e justiceira de Maria Bonita,rapidamente apropriada pela indústria cultural, tornou-se um produto de forte apelo comercial - e expandiu seus limites para além das fronteiras do sertão. Neste livro, Adriana Negreiros constrói a biografia mais completa até então daquela que é, semdúvidas, a mulher mais importante do cangaço.

MARIA BONITA - SEXO VIOLÊNCIA E MULHERES NO CANGAÇO

MARIA BONITA - SEXO VIOLÊNCIA E MULHERES NO CANGAÇO

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

Pook Book Pook Book SP - São Paulo
97% Positivas
679 qualificações
R$ 43,41 + frete R$ 9,10

Total: R$ 52,51

Comprar ler descrição ocultar

Descrição A mulher mais importante do cangaço brasileiro, que inspirou gerações de mulheres, ganha agora sua biografia mais completa e com uma perspectiva feminista. Embora a mitificação da imagem de Maria Bonita tenha escondido situações de constante violência, ela em nada diminui o caráter transgressor da Rainha do Sertão.Desde os anos 1990, quando Vera Ferreira, filha do casal de cangaceiros mais famoso do Brasil, cravou como data de nascimento de sua mãe o 8 de março, Maria Bonita é celebrada no DiaInternacional da Mulher. Com o tempo, transformou-se em uma marca poderosa.Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeça decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria deDéa: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita.Nos anos em que viveu com Lampião e nos subsequentes à sua morte, despertou pouco interesse em pesquisadores ou jornalistas. E foi essa lacuna de informações sobre sua vida e a das outras jovens que viviam com o bando que contribuiu para que se criasse a fantasia de uma impetuosa guerreira, hábil amazona do sertão, uma Joana D'Arc da caatinga. Essa versão romântica e justiceira de Maria Bonita,rapidamente apropriada pela indústria cultural, tornou-se um produto de forte apelo comercial - e expandiu seus limites para além das fronteiras do sertão. Neste livro, Adriana Negreiros constrói a biografia mais completa até então daquela que é, semdúvidas, a mulher mais importante do cangaço.

MARIA BONITA - SEXO VIOLÊNCIA E MULHERES NO CANGAÇO

MARIA BONITA - SEXO VIOLÊNCIA E MULHERES NO CANGAÇO

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

Pook Book Pook Book SP - São Paulo
97% Positivas
679 qualificações
R$ 43,41 + frete R$ 9,10

Total: R$ 52,51

Comprar ler descrição ocultar

Descrição A mulher mais importante do cangaço brasileiro, que inspirou gerações de mulheres, ganha agora sua biografia mais completa e com uma perspectiva feminista. Embora a mitificação da imagem de Maria Bonita tenha escondido situações de constante violência, ela em nada diminui o caráter transgressor da Rainha do Sertão.Desde os anos 1990, quando Vera Ferreira, filha do casal de cangaceiros mais famoso do Brasil, cravou como data de nascimento de sua mãe o 8 de março, Maria Bonita é celebrada no DiaInternacional da Mulher. Com o tempo, transformou-se em uma marca poderosa.Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeça decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria deDéa: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita.Nos anos em que viveu com Lampião e nos subsequentes à sua morte, despertou pouco interesse em pesquisadores ou jornalistas. E foi essa lacuna de informações sobre sua vida e a das outras jovens que viviam com o bando que contribuiu para que se criasse a fantasia de uma impetuosa guerreira, hábil amazona do sertão, uma Joana D'Arc da caatinga. Essa versão romântica e justiceira de Maria Bonita,rapidamente apropriada pela indústria cultural, tornou-se um produto de forte apelo comercial - e expandiu seus limites para além das fronteiras do sertão. Neste livro, Adriana Negreiros constrói a biografia mais completa até então daquela que é, semdúvidas, a mulher mais importante do cangaço.

Maria Bonita : Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Maria Bonita : Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

A Livraria A Livraria SP - São Paulo
98% Positivas
2026 qualificações
R$ 42,50 + frete R$ 10,16

Total: R$ 52,66

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Livro novo. Dimensão 14 x 21, 296 pág. Sinopse: Desde os anos 1990, a data de nascimento de Maria Bonita passou a ser celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, ela transformou-se em uma marca poderosa, emprestando seu nome a centenas de pousadas e restaurantes espalhados pelo Nordeste, salões de beleza, academias de ginástica, cerveja, pizza, assentamento rural, música, bandas de forró e coletivos feministas. Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeça decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria de Déa: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita. Nos anos em que viveu com Lampião e nos subsequentes à sua morte, despertou pouco interesse em

Maria Bonita : Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Maria Bonita : Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

A Livraria A Livraria SP - São Paulo
98% Positivas
2026 qualificações
R$ 42,50 + frete R$ 10,16

Total: R$ 52,66

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Livro novo. Dimensão 14 x 21, 296 pág. Sinopse: Desde os anos 1990, a data de nascimento de Maria Bonita passou a ser celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, ela transformou-se em uma marca poderosa, emprestando seu nome a centenas de pousadas e restaurantes espalhados pelo Nordeste, salões de beleza, academias de ginástica, cerveja, pizza, assentamento rural, música, bandas de forró e coletivos feministas. Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeça decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria de Déa: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita. Nos anos em que viveu com Lampião e nos subsequentes à sua morte, despertou pouco interesse em

Maria Bonita : Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Maria Bonita : Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

A Livraria A Livraria SP - São Paulo
98% Positivas
2026 qualificações
R$ 42,50 + frete R$ 10,16

Total: R$ 52,66

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Livro novo. Dimensão 14 x 21, 296 pág. Sinopse: Desde os anos 1990, a data de nascimento de Maria Bonita passou a ser celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, ela transformou-se em uma marca poderosa, emprestando seu nome a centenas de pousadas e restaurantes espalhados pelo Nordeste, salões de beleza, academias de ginástica, cerveja, pizza, assentamento rural, música, bandas de forró e coletivos feministas. Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeça decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria de Déa: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita. Nos anos em que viveu com Lampião e nos subsequentes à sua morte, despertou pouco interesse em

Maria Bonita : Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Maria Bonita : Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

A Livraria A Livraria SP - São Paulo
98% Positivas
2026 qualificações
R$ 42,50 + frete R$ 10,16

Total: R$ 52,66

Comprar ler descrição ocultar

Descrição Livro novo. Dimensão 14 x 21, 296 pág. Sinopse: Desde os anos 1990, a data de nascimento de Maria Bonita passou a ser celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, ela transformou-se em uma marca poderosa, emprestando seu nome a centenas de pousadas e restaurantes espalhados pelo Nordeste, salões de beleza, academias de ginástica, cerveja, pizza, assentamento rural, música, bandas de forró e coletivos feministas. Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeça decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria de Déa: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita. Nos anos em que viveu com Lampião e nos subsequentes à sua morte, despertou pouco interesse em

Maria Bonita: Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Maria Bonita: Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

Arkan Livros Arkan Livros SP - Ferraz de Vasconcelos
97% Positivas
118 qualificações
R$ 43,90 + frete R$ 10,16

Total: R$ 54,06

Comprar ler descrição ocultar

Descrição novo/A mulher mais importante do cangaço brasileiro, que inspirou gerações de mulheres, ganha agora sua biografia mais completa e com uma perspectiva feminista. Embora a mitificação da imagem de Maria Bonita tenha escondido situações de constante violência, ela em nada diminui o caráter transgressor da Rainha do Sertão. Desde os anos 1990, a data de nascimento de Maria Bonita passou a ser celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, ela transformou-se em uma marca poderosa, emprestando seu nome a centenas de pousadas e restaurantes espalhados pelo Nordeste, salões de beleza, academias de ginástica, cerveja, pizza, assentamento rural, música, bandas de forró e coletivos feministas. Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que

Maria Bonita: Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Maria Bonita: Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

Arkan Livros Arkan Livros SP - Ferraz de Vasconcelos
97% Positivas
118 qualificações
R$ 43,90 + frete R$ 10,16

Total: R$ 54,06

Comprar ler descrição ocultar

Descrição novo/A mulher mais importante do cangaço brasileiro, que inspirou gerações de mulheres, ganha agora sua biografia mais completa e com uma perspectiva feminista. Embora a mitificação da imagem de Maria Bonita tenha escondido situações de constante violência, ela em nada diminui o caráter transgressor da Rainha do Sertão. Desde os anos 1990, a data de nascimento de Maria Bonita passou a ser celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, ela transformou-se em uma marca poderosa, emprestando seu nome a centenas de pousadas e restaurantes espalhados pelo Nordeste, salões de beleza, academias de ginástica, cerveja, pizza, assentamento rural, música, bandas de forró e coletivos feministas. Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que

Maria Bonita

Maria Bonita

Ano:   Editora: Objetiva Cia das Letras

Tipo: novo

Livraria Livro Vivo Livraria Livro Vivo SP - São Paulo
95% Positivas
1409 qualificações
R$ 42,41 + frete R$ 12,31

Total: R$ 54,72

Comprar ler descrição ocultar

Descrição livro novo nunca manuseado in

Maria Bonita

Maria Bonita

Ano:   Editora: Objetiva Cia das Letras

Tipo: novo

Livraria Livro Vivo Livraria Livro Vivo SP - São Paulo
95% Positivas
1409 qualificações
R$ 42,41 + frete R$ 12,31

Total: R$ 54,72

Comprar ler descrição ocultar

Descrição livro novo nunca manuseado in

Maria Bonita

Maria Bonita

Ano:   Editora: Objetiva Cia das Letras

Tipo: novo

Livraria Livro Vivo Livraria Livro Vivo SP - São Paulo
95% Positivas
1409 qualificações
R$ 42,41 + frete R$ 12,31

Total: R$ 54,72

Comprar ler descrição ocultar

Descrição livro novo nunca manuseado in

Maria Bonita

Maria Bonita

Ano:   Editora: Objetiva Cia das Letras

Tipo: novo

Livraria Livro Vivo Livraria Livro Vivo SP - São Paulo
95% Positivas
1409 qualificações
R$ 42,41 + frete R$ 12,31

Total: R$ 54,72

Comprar ler descrição ocultar

Descrição livro novo nunca manuseado in

MARIA BONITA - SEXO, VIOLENCIA E MULHERES NO CANGAÇO

MARIA BONITA - SEXO, VIOLENCIA E MULHERES NO CANGAÇO

Ano:   Editora: Objetiva

Tipo: novo

Livraria Martins Fontes Paulista Livraria Martins Fontes Paulista SP - São Paulo
99% Positivas
632 qualificações
R$ 49,90 + frete R$ 9,10

Total: R$ 59,00

Comprar ler descrição ocultar

Descrição A mulher mais importante do cangaço brasileiro, que inspirou gerações de mulheres, ganha agora sua biografia mais completa e com uma perspectiva feminista. Embora a mitificação da imagem de Maria Bonita tenha escondido situações de constante violência, ela em nada diminui o caráter transgressor da Rainha do Sertão. Desde os anos 1990, a data de nascimento de Maria Bonita passou a ser celebrada no Dia Internacional da Mulher. Com o tempo, ela transformou-se em uma marca poderosa, emprestando seu nome a centenas de pousadas e restaurantes espalhados pelo Nordeste, salões de beleza, academias de ginástica, cerveja, pizza, assentamento rural, música, bandas de forró e coletivos feministas. Enquanto a companheira de Lampião viveu, no entanto, essa personagem nunca existiu. A cangaceira que teve a cabeça decepada em 28 de julho de 1938 era simplesmente Maria de Déa: uma jovem de 28 anos que morreu sem jamais saber que, um dia, seria conhecida como Maria Bonita. Nos anos em que viveu com Lampião e nos subsequentes à sua morte, despertou pouco interesse em pesquisadores ou jornalistas. E foi essa lacuna de informações sobre sua vida e a das outras jovens que viviam com o bando que contribuiu para que se criasse a fantasia de uma impetuosa guerreira, hábil amazona do sertão, uma Joana D’Arc da caatinga. Essa versão romântica e justiceira de Maria Bonita, rapidamente apropriada pela indústria cultural, tornou-se um produto de forte apelo comercial — e expandiu seus limites para além das fronteiras do sertão. Neste livro, Adriana Negreiros constrói a biografia mais completa até então daquela que é, sem dúvidas, a mulher mais importante do cangaço.

Avaliações do livro

Ainda não há avaliações para este título, seja o primeiro a avaliar.

Avalie o livro