A Compra Garantida Estante Virtual é uma garantia de que você receberá a encomenda ou o reembolso do valor da sua compra. Saiba mais aqui.

  • 1.350 sebos e livreiros
  • Qualificações positivas dos livreiros
  • Maior acervo do mundo em língua portuguesa
filtros
Justica Fardada Capa ilustrativa

Justiça Fardada

Renato Lemos

Na obra, o organizador destaca o papel de um personagem e de uma instituição pouco abordados na historiografia do tema: o general Peri Constant Bevilaqua e o Superior Tribunal Militar (STM). O livro apresenta documentos inéditos do general Bevilaqua no STM, com destaque para os habeas corpus expedidos pelo militar em favor de figuras como o sociólogo Florestan Fernandes; o ex-ministro chefe da Casa Civil José Dirceu; o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, entre outros personagens. A publicação revela as contradições de um personagem situado em uma instituição repressora, mas comprometido com uma noção de legalidade muito forte. Contradições que já haviam marcado sua trajetória política como chefe do Estado-Maior das Forças Armadas (EMFA), entre 1963 e 1965, cargo de confiança do presidente João Goulart, derrubado por um golpe de que não participou mas tinha conhecimento e não tentou impedir. Mantido no cargo pelo primeiro general-presidente, Castelo Branco, o general Bevilaqua foi um dos primeiros críticos militares do regime ditatorial e um dos pioneiros na luta pela anistia aos atingidos pelos atos de exceção. Em 15 de fevereiro de 1965, um decreto presidencial exonerou Bevilaqua do EMFA e outro o nomeou ministro do STM. Durante seu período no tribunal, o general atuou de maneira decisiva na defesa dos direitos de civis e militares perseguidos pela ditadura. Para Renato Lemos, o papel do STM é pouco estudado nas pesquisas sobre a época. Sua natureza como órgão executor de leis repressivas obscureceu sua condição de terreno político que comportava brechas por onde alguns poucos juízes, como o general Bevilaqua, puderam atuar a favor dos acusados. Assim, situações de tortura foram interrompidas. Isolamentos ilegais foram quebrados; condenações disparatadas, mesmo para a legislação ditatorial foram reduzidas; prisões descabidas foram revogadas, diz o autor. Ele não é tratado como um personagem histórico de primeiro plano e, apesar disso, tem importância crucial para a história da época. Uma pessoa que usou as brechas das leis no sentido de preservar direitos e salvar vidas nos tribunais da ditadura, completa. O preço por essa atuação, a ditadura lhe cobrou em janeiro de 1969: o afastamento compulsório do STM e do Exército e, de quebra, o confisco de suas condecorações militares, que só lhe seriam devolvidas 12 anos após sua morte, em 2002. Fechar Ler mais

Na obra, o organizador destaca o papel de um personagem e de uma instituição pouco abordados na historiografia do tema: o general Peri Constant Bevilaqua e o Superior Tribunal Militar (STM). O livro apresenta documentos inéditos do general Bevilaqua no STM, com destaque para os habeas corpus expedidos pelo militar em favor de figuras como o sociólogo Florestan Fernandes; o ex-ministro chefe da Casa Civil José Dirceu; o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, entre outros personagens. A publicação revela as contradições de um personagem situado em uma instituição repressora, mas comprometido com uma noção de legalidade muito forte. Contradições que já haviam marcado sua trajetória política como chefe do Estado-Maior das Forças Armadas (EMFA), entre 1963 e 1965, cargo de confiança do presidente João Goulart, derrubado por um golpe de que não participou mas tinha conhecimento e não tentou impedir. Mantido no cargo pelo primeiro general-presidente, Castelo Branco, o general Bevilaqua foi um dos primeiros críticos militares do regime ditatorial e um dos pioneiros na luta pela anistia aos atingidos pelos atos de exceção. Em 15 de fevereiro de 1965, um decreto presidencial exonerou Bevilaqua do EMFA e outro o nomeou ministro do STM. Durante seu período no tribunal, o general atuou de maneira decisiva na defesa dos direitos de civis e militares perseguidos pela ditadura. Para Renato Lemos, o papel do STM é pouco estudado nas pesquisas sobre a época. Sua natureza como órgão executor de leis repressivas obscureceu sua condição de terreno político que comportava brechas por onde alguns poucos juízes, como o general Bevilaqua, puderam atuar a favor dos acusados. Assim, situações de tortura foram interrompidas. Isolamentos ilegais foram quebrados; condenações disparatadas, mesmo para a legislação ditatorial foram reduzidas; prisões descabidas foram revogadas, diz o autor. Ele não é tratado como um personagem histórico de primeiro plano e, apesar disso, tem importância crucial para a história da época. Uma pessoa que usou as brechas das leis no sentido de preservar direitos e salvar vidas nos tribunais da ditadura, completa. O preço por essa atuação, a ditadura lhe cobrou em janeiro de 1969: o afastamento compulsório do STM e do Exército e, de quebra, o confisco de suas condecorações militares, que só lhe seriam devolvidas 12 anos após sua morte, em 2002. Fechar Ler mais

Estatísticas de venda deste livro

Último vendido Nos últimos 3 meses
Vendidos
Preço médio R$ " + data.stats.mean + "
Menor preço R$ " + data.stats.min + "
Maior preço R$ " + data.stats.max + "

Esta informação aparece apenas para usuários logados como livreiros.

Justiça Fardada o General Peri Bevilaqui no Superior Tribunal Militar

Justiça Fardada o General Peri Bevilaqui no Superior Tribunal Militar

Justiça Fardada o General Peri Bevilaqui no Superior Tribunal Militar

Justiça Fardada o General Peri Bevilaqui no Superior Tribunal Militar

Ano:   Editora: Bom Texto

Tipo: seminovo/usado

Livraria Progresso Sebo Livraria Progresso Sebo PE - Recife
96% Positivas
247 qualificações
R$ 40,00 + R$ 10,95 de frete Comprar ler descrição ocultar

Descrição Cód33786, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , Informamos a todos os clientes que os valores citados No site da estante virtual terão uma alteração de valores anual de acordo com a obra. Informamos a todos os clientes que os valores citados No site da estante virtual terão uma alteração de valores anual de acordo com a obra.

Avaliações do livro

Ainda não há avaliações para este título, seja o primeiro a avaliar.

Avalie o livro