A Compra Garantida Estante Virtual é uma garantia de que você receberá a encomenda ou o reembolso do valor da sua compra. Saiba mais aqui.

  • 1.350 sebos e livreiros
  • Qualificações positivas dos livreiros
  • Maior acervo do mundo em língua portuguesa
filtros
O Paraiso e Bem Bacana Capa ilustrativa

O Paraíso é Bem Bacana

André Santanna

Setenta e duas são as virgens que cabem a todo mártir da fé, reza a tradição islâmica, e não há de ser diferente no caso de Muhammad Mané, ou seja, Manoel dos Santos, promessa do futebol alemão e internacional, recém-converso e recém-imolado — sabe-se lá se pelas melhores razões — à fé de Alá. Setenta e duas, todas belas e amoráveis, dando mole como nunca em vida, recendentes a maionese e eucalipto. O Paraíso parece ser bem bacana. Mas não. Preso a uma cama de hospital em Berlim, à beira da morte, Mané desfruta, enquanto é tempo e de uma só vez, tudo o que lhe foi sistematicamente negado ao longo da vida breve e da carreira ainda mais: sanduíches regados a maionese, mulheres lascivas e maternais, seios protéticos e orifícios com odor de eucalipto, sem as perebas, secreções e borrachudos de sua miserável cidade natal, Ubatuba, no litoral paulista. Mas não. Pois mesmo em sonhos está reservada ao atleta a revelação de que, afinal, “é tudo Inferno”. É claro que tudo poderia ser diferente, se ao menos os técnicos e as psicólogas não fossem tão obtusos, se os colegas não fossem tão cruéis, se a mãe não bebesse tanto, se Uéverson, o impagável centroavante que prefere viver o paraíso na Terra, não fosse tão obcecado pelo sexo em escala hercúlea. Mas não. Em O Paraíso é bem bacana, André Sant’Anna aciona em velocidade máxima o carrossel de lugares-comuns que fazem o tecido da mente: todos estão igualmente presos às frases e idéias fixas que os definem e, numa tabelinha perversa, os esgotam. Sem chance para a “estrutura psicológica” e a “inteligência emocional” de Mané, que, aliás, primam pela ausência. Romance minimalista e caudaloso, hilariante e cacofônico, O Paraíso é bem bacana confirma o lugar de André Sant’Anna entre os melhores narradores do Brasil atual. Depois da experimentação madura de seus dois primeiros livros, Sant’Anna compôs uma obra poderosa, imagem invertida das mais caras fantasias brasileiras que culmina num ato extremo e solitário do anti-herói Mané em pleno Olympiastadion de Berlim. ANDRÉ SANT’ANNA nasceu em 1964, em Belo Horizonte. Morou no Rio de Janeiro, onde tocou no grupo Tao e Qual durante a década de 80, e hoje vive em São Paulo. O Paraíso é bem bacana é seu terceiro livro, depois de Amor (1998) e Sexo (1999). Fechar Ler mais

Setenta e duas são as virgens que cabem a todo mártir da fé, reza a tradição islâmica, e não há de ser diferente no caso de Muhammad Mané, ou seja, Manoel dos Santos, promessa do futebol alemão e internacional, recém-converso e recém-imolado — sabe-se lá se pelas melhores razões — à fé de Alá. Setenta e duas, todas belas e amoráveis, dando mole como nunca em vida, recendentes a maionese e eucalipto. O Paraíso parece ser bem bacana. Mas não. Preso a uma cama de hospital em Berlim, à beira da morte, Mané desfruta, enquanto é tempo e de uma só vez, tudo o que lhe foi sistematicamente negado ao longo da vida breve e da carreira ainda mais: sanduíches regados a maionese, mulheres lascivas e maternais, seios protéticos e orifícios com odor de eucalipto, sem as perebas, secreções e borrachudos de sua miserável cidade natal, Ubatuba, no litoral paulista. Mas não. Pois mesmo em sonhos está reservada ao atleta a revelação de que, afinal, “é tudo Inferno”. É claro que tudo poderia ser diferente, se ao menos os técnicos e as psicólogas não fossem tão obtusos, se os colegas não fossem tão cruéis, se a mãe não bebesse tanto, se Uéverson, o impagável centroavante que prefere viver o paraíso na Terra, não fosse tão obcecado pelo sexo em escala hercúlea. Mas não. Em O Paraíso é bem bacana, André Sant’Anna aciona em velocidade máxima o carrossel de lugares-comuns que fazem o tecido da mente: todos estão igualmente presos às frases e idéias fixas que os definem e, numa tabelinha perversa, os esgotam. Sem chance para a “estrutura psicológica” e a “inteligência emocional” de Mané, que, aliás, primam pela ausência. Romance minimalista e caudaloso, hilariante e cacofônico, O Paraíso é bem bacana confirma o lugar de André Sant’Anna entre os melhores narradores do Brasil atual. Depois da experimentação madura de seus dois primeiros livros, Sant’Anna compôs uma obra poderosa, imagem invertida das mais caras fantasias brasileiras que culmina num ato extremo e solitário do anti-herói Mané em pleno Olympiastadion de Berlim. ANDRÉ SANT’ANNA nasceu em 1964, em Belo Horizonte. Morou no Rio de Janeiro, onde tocou no grupo Tao e Qual durante a década de 80, e hoje vive em São Paulo. O Paraíso é bem bacana é seu terceiro livro, depois de Amor (1998) e Sexo (1999). Fechar Ler mais

Estatísticas de venda deste livro

Último vendido Nos últimos 3 meses
Vendidos
Preço médio R$ " + data.stats.mean + "
Menor preço R$ " + data.stats.min + "
Maior preço R$ " + data.stats.max + "

Esta informação aparece apenas para usuários logados como livreiros.

O paraíso é bem bacana

O paraíso é bem bacana

O paraíso é bem bacana

O paraíso é bem bacana

Ano:   Editora: Companhia das Letras

Tipo: novo

Flanarte Flanarte SP - São Paulo
99% Positivas
2472 qualificações
R$ 57,70 + R$ 11,79 de frete Comprar ler descrição ocultar

Descrição Livro novo. Sinopse: Preso a uma cama de hospital, Mané sonha com as setenta e duas virgens que cabem a todo mártir da fé. A saga improvável desse Muhammad Mané, craque do futebol com vocação para anti-herói, confirma o lugar do autor entre os melhores narradores brasileiros da atualidade.

O paraíso é bem bacana

O paraíso é bem bacana

Ano:   Editora: Companhia das Letras

Tipo: novo

Flanarte Flanarte SP - São Paulo
99% Positivas
2472 qualificações
R$ 57,70 + R$ 11,79 de frete Comprar ler descrição ocultar

Descrição Livro novo. Sinopse: Preso a uma cama de hospital, Mané sonha com as setenta e duas virgens que cabem a todo mártir da fé. A saga improvável desse Muhammad Mané, craque do futebol com vocação para anti-herói, confirma o lugar do autor entre os melhores narradores brasileiros da atualidade.

O paraíso é bem bacana

O paraíso é bem bacana

Ano:   Editora: Companhia das Letras

Tipo: novo

Flanarte Flanarte SP - São Paulo
99% Positivas
2472 qualificações
R$ 57,70 + R$ 11,79 de frete Comprar ler descrição ocultar

Descrição Livro novo. Sinopse: Preso a uma cama de hospital, Mané sonha com as setenta e duas virgens que cabem a todo mártir da fé. A saga improvável desse Muhammad Mané, craque do futebol com vocação para anti-herói, confirma o lugar do autor entre os melhores narradores brasileiros da atualidade.

O Paraíso é Bem Bacana

O Paraíso é Bem Bacana

Ano:   Editora: Companhia das Letras

Tipo: seminovo/usado

Sociedade dos Livros Sociedade dos Livros SP - São Paulo
97% Positivas
572 qualificações
R$ 60,30 + R$ 10,95 de frete Comprar ler descrição ocultar

Descrição Livro inteiramente NOVO. Foi adquirido diretamente da editora. Preso a uma cama de hospital, Mané sonha com as setenta e duas virgens que cabem a todo mártir da fé. A saga improvável desse Muhammad Mané, craque do futebol com vocação para anti-herói, confirma o lugar do autor entre os melhores narradores brasileiros d editora: Companhia das Letras

O Paraíso é Bem Bacana

O Paraíso é Bem Bacana

Ano:   Editora: Companhia das Letras

Tipo: novo

Sociedade dos Livros Sociedade dos Livros SP - São Paulo
97% Positivas
572 qualificações
R$ 62,00 + R$ 10,95 de frete Comprar ler descrição ocultar

Descrição livro novo. Adquirido diretamento da editora.

Avaliações do livro

Ainda não há avaliações para este título, seja o primeiro a avaliar.

Avalie o livro